Menu

73% dos brasileiros são contrários à flexibilização do porte de armas para pessoas comuns, revela Ibope

Em relação à posse de armas 61% dos cidadãos são contrários e 37% são favoráveis

Banners
Foto: Arquivo/EBC

Uma pesquisa do Ibope revelou que 73% dos brasileiros são contrários à flexibilização do porte de armas para pessoas comuns, enquanto 26% são favoráveis. O porte pressupõe que a arma de fogo possa ser transportada fora da residência ou local de trabalho.

Já em relação à posse de armas, segundo o balanço, 61% são contrários e 37% são favoráveis. A posse consiste em manter a arma no interior da residência ou no local de trabalho.

A pesquisa foi realizada entre os dias 16 e 19 de março e ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Desde quando assumiu o governo, o presidente Jair Bolsonaro já editou três decretos sobre armas, cumprindo assim sua promessa de campanha eleitoral. O primeiro foi publicado no dia 15 de janeiro e estabelecia novas regras sobre a posse. 

O segundo decreto, que foi publicado em 8 de maio, tratava do porte e compra de munições. O terceiro, por sua vez, altera pontos que foram questionados na Justiça. Este último foi publicado no dia 22 de maio.

 

Marquezan Araújo

Marquezan é formado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), atuou como âncora de jornal radiofônico e locutor de programa musical. Passou por estágios na Agência Brasil e na Rádio Nacional, da EBC. Repórter da Agência do Rádio desde 2016, acompanha as movimentações do Legislativo no Congresso Nacional.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

Uma pesquisa do Ibope revelou que 73% dos brasileiros são contrários à flexibilização do porte de armas para pessoas comuns, enquanto 26% são favoráveis. O porte pressupõe que a arma de fogo possa ser transportada fora da residência ou local de trabalho.

Já em relação à posse de armas, segundo o balanço, 61% são contrários e 37% são favoráveis. A posse consiste em manter a arma no interior da residência ou no local de trabalho.

A pesquisa foi realizada entre os dias 16 e 19 de março e ouviu 2.002 pessoas em 143 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos.

Desde quando assumiu o governo, o presidente Jair Bolsonaro já editou três decretos sobre armas, cumprindo assim sua promessa de campanha eleitoral. O primeiro foi publicado no dia 15 de janeiro e estabelecia novas regras sobre a posse. 

O segundo decreto, que foi publicado em 8 de maio, tratava do porte e compra de munições. O terceiro, por sua vez, altera pontos que foram questionados na Justiça. Este último foi publicado no dia 22 de maio.

Reportagem, Marquezan Araújo