Menu

ACRE: Com taxa de desocupação maior que a média nacional, qualificação técnica é saída para driblar desemprego

Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, aponta que estado precisa capacitar 13 mil trabalhadores, até 2023, para áreas como metalmecânica, construção civil e eletroeletrônica

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Arquivo/CNI

Se a taxa de desocupados chegou a 12,8% no Acre no terceiro trimestre deste ano, uma alternativa para quem busca uma vaga de emprego pode estar na qualificação profissional. Dados do Mapa do Trabalho Industrial, levantamento feito pelo SENAI, mostram que a demanda é de quase 11 milhões de trabalhadores em todo país até 2023. Desse total, 13.555 serão necessários apenas para preencher as lacunas do mercado de trabalho acreano, com destaque para as áreas de metalmecânica, construção civil e eletroeletrônica, incluindo profissionais de nível técnico.

Segundo a senadora Mailza Gomes (PP/AC), o ensino técnico é uma “importante ferramenta” de inclusão social para os jovens mais carentes do estado. Ela lembra que os serviços oferecidos por instituições do Sistema S, como SESI e SENAI, podem representar uma oportunidade para milhões de acreanos.

“A educação transforma a vida das pessoas e garante um futuro melhor. O ensino tem um importante papel na diminuição de taxas de desemprego e qualificação da mão de obra no país. É também a oportunidade de se cumprir o que está na Constituição: direito à educação e ao trabalho. O Brasil precisa de mais empresas e mais empregos. Por isso, eu defendo o fortalecimento do Sistema S para a qualificação profissional e a inovação nas empresas brasileiras”, ressalta a parlamentar.

O indígena Alberto Kaxinawá, de 41 anos, foi um dos acreanos que teve a vida mudada pela educação. Formou-se técnico em enfermagem pelo Senac e hoje atende sua comunidade. “Eu decidi fazer o curso por uma grande necessidade no atendimento à saúde dos povos indígenas no estado. Faltava acompanhamento, traçar uma política de saúde voltada às comunidades indígenas, principalmente aquele que vive lá na aldeia, onde o acesso é difícil e o atendimento de boa qualidade não chega”, conta.

Nos últimos cinco anos, o SENAI Acre qualificou 3,4 mil alunos no ramo industrial. A instituição está presente com três unidades fixas na capital Rio Branco e em Cruzeiro do Sul. Há ainda seis unidades móveis que se deslocam pelos demais municípios do estado.

Histórico

Em 1909, uma medida do governo federal mudou o panorama da educação brasileira. Por meio do decreto 7.566, o então presidente Nilo Peçanha (1867-1924) instituiu o ponto de partida para o desenvolvimento do ensino técnico profissionalizante no país. Para celebrar os 110 anos da iniciativa, o Senado Federal realizou uma sessão solene, em novembro, para celebrar a data histórica. A cerimônia apresentou índices do Ministério da Educação, entre eles o de 11 mil cursos oferecidos na Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

Para Mônica Messenberg Guimarães, diretora de relações institucionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), as entidades do Sistema S exercem um papel fundamental no modelo educacional do país. “O SESI e o SENAI nasceram para atender a necessidade de formação de profissionais qualificados e executar medidas que contribuíssem diretamente para o bem-estar social dos trabalhadores da indústria. Sua finalidade é justamente ajudar a indústria brasileira a ser mais competitiva, para que os produtos nacionais possam ser inseridos nos mercados globais”, salienta ela.

Sondagem realizada pelo Instituto FSB Pesquisa, divulgada em julho, apontou que SESI e SENAI são considerados, pelo setor privado, como as entidades que mais contribuem para a qualificação profissional no país. Numa escala de 0 a 10, as instituições do Sistema S receberam nota 7,0 por sua contribuição à qualificação profissional, frente aos 6,3 da rede privada e 4,9 da rede pública. Os empresários ouvidos são CEOs, presidentes, vice-presidentes e sócios de empresas de micro, pequeno, médio e grande portes de todo país.

Arthur H. Herdy



Cadastre-se

LOC.: Se a taxa de desocupados chegou a 12,8% no Acre no terceiro trimestre deste ano, uma alternativa para quem busca uma vaga de emprego pode estar na qualificação profissional. Dados do Mapa do Trabalho Industrial, levantamento feito pelo SENAI, mostram que a demanda é de quase 11 milhões de trabalhadores em todo país até 2023. Desse total, 13.555 serão necessários apenas para preencher as lacunas do mercado de trabalho acreano, com destaque para as áreas de metalmecânica, construção civil e eletroeletrônica, incluindo profissionais de nível técnico.

Segundo a senadora Mailza Gomes (PP/AC), o ensino técnico é uma importante ferramenta de inclusão social para os jovens mais carentes do estado. Ela lembra que os serviços oferecidos por instituições do Sistema S, como SESI e SENAI, podem representar uma oportunidade para milhões de acreanos.
 

TEC./SONORA: senadora Mailza Gomes (PP/AC)

A educação transforma a vida das pessoas e garante um futuro melhor. O ensino tem um importante papel na diminuição de taxas de desemprego e qualificação da mão de obra no país. É também a oportunidade de se cumprir o que está na Constituição: direito à educação e ao trabalho. Por isso, eu defendo o fortalecimento do Sistema S para a qualificação profissional e a inovação nas empresas brasileiras.”
 

LOC.: O indígena Alberto Kaxinawá, de 41 anos, foi um dos acreanos que teve a vida mudada pela educação. Formou-se técnico em enfermagem pelo Senac e hoje atende sua comunidade.

TEC./SONORA: técnico em enfermagem Alberto Kaxinawá

Eu decidi fazer o curso por uma grande necessidade no atendimento à saúde dos povos indígenas no estado. Faltava acompanhamento, traçar uma política de saúde voltada às comunidades indígenas, principalmente aquele que vive lá na aldeia, onde o acesso é difícil e o atendimento de boa qualidade não chega.
 

LOC.: Em 1909, uma medida do governo federal mudou o panorama da educação brasileira. Por meio do decreto 7.566, o então presidente Nilo Peçanha (1867-1924) instituiu o ponto de partida para o desenvolvimento do ensino técnico profissionalizante no país. Para celebrar os 110 anos da iniciativa, o Senado Federal realizou uma sessão solene, em novembro, para celebrar a data histórica.

Para Mônica Messenberg Guimarães, diretora de relações institucionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), as entidades do Sistema S exercem um papel fundamental no modelo educacional do país.
 

TEC./SONORA: diretora de relações institucionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Mônica Messenberg Guimarães

O SESI e o SENAI nasceram para atender a necessidade de formação de profissionais qualificados e executar medidas que contribuíssem diretamente para o bem-estar social dos trabalhadores da indústria. Sua finalidade é justamente ajudar a indústria brasileira a ser mais competitiva, para que os produtos nacionais possam ser inseridos nos mercados globais.
 

LOC.: Sondagem realizada pelo Instituto FSB Pesquisa, divulgada em julho, apontou que SESI e SENAI são considerados, pelo setor privado, como as entidades que mais contribuem para a qualificação profissional no país. Numa escala de 0 a 10, as instituições do Sistema S receberam nota 7,0 por sua contribuição à qualificação profissional, frente aos 6,3 da rede privada e 4,9 da rede pública. Os empresários ouvidos são CEOs, presidentes, vice-presidentes e sócios de empresas de micro, pequeno, médio e grande portes de todo país.

Reportagem, Arthur H. Herdy