Menu

AL: Estudante de Maceió vai representar Brasil na WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo

Hugo Cardoso é o único alagoano da delegação brasileira. Torneio será disputado em Kazan, na Rússia, entre os dias 22 e 27 de agosto

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Arquivo Pessoal

Assim como os lugares físicos, os endereços virtuais também são desenvolvidos para que o público se sinta à vontade. Os sites geralmente são criados para atrair e fazer com que os visitantes permaneçam na página pelo maior tempo possível. Essa técnica se chama Tecnologia Web.

E é justamente nesta categoria que o jovem Hugo Cardoso, de 21 anos, vai representar o Brasil na WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo. No torneio, o jovem terá que criar e manter um endereço virtual. Além de desenvolver o site, Hugo terá que pensar em estratégias para gerar interação com os visitantes no endereço criado, durante os quatro dias de prova. 

“A principal função do competidor é tanto criar como manter sistemas independentes em relação à web, sejam sites, ou sistemas para empresas, ou então alguma coisa mais lúdica como um slogan”, explica o jovem.

Foto: Arquivo Pessoal

Único alagoano da delegação brasileira, Hugo estudou no SENAI, em Maceió, e realizou a preparação para competir na Rússia no Centro de Formação Profissional Gustavo Paiva, também na capital. Além de Alagoas, o grupo brasileiro possui estudantes de outros dez estados e do Distrito Federal.

Veja a lista dos 63 jovens que representarão o Brasil na WorldSkills 2019

Preparação

Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade.

Hugo também visitou e realizou treinamentos em outros dois países para aprimorar ainda mais suas técnicas.

“Em relação ao nível técnico, dá para ver que a gente está muito parelho. Eu posso dizer até que o nível do Brasil está bem mais elevado do que o da França. Já em relação à Coreia, estamos bem parecidos”, compara.

Segundo Marcelo Mendonça, líder de equipe da delegação brasileira, a WorldSkills é uma oportunidade para que os jovens brasileiros possam mostrar sua capacidade e conquistem espaço no mercado de trabalho.

“É uma motivação muito grande porque eles sabem que nós passamos a importância dessa competição para o futuro profissional de cada um. Eles se dando bem em uma competição internacional dessas, já é uma grande porta aberta para entrarem na indústria ou na área de serviço”, ressalta.

Competição

Realizada a cada dois anos, há mais de seis décadas, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Neste ano, o torneio será disputado entre os dias 22 e 27 de agosto em Kazan, na Rússia. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. Os competidores precisam demonstrar habilidades individuais e coletivas para responder aos desafios de suas ocupações dentro de padrões internacionais de qualidade.

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral com 15 medalhas.
 

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: O estudante Hugo Cardoso, de 21 anos, será um das 63 representantes do Brasil na WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo. O jovem disputa medalha na modalidade de Tecnologia Web, em que terá que criar e manter um endereço virtual. Além de desenvolver o site, Hugo terá que pensar em estratégias para gerar interação com os visitantes no endereço criado, durante os quatro dias de prova. 

Único alagoano da delegação brasileira, Hugo estudou no SENAI, em Maceió, e realizou a preparação para competir na Rússia no Centro de Formação Profissional Gustavo Paiva, também na capital. Ansioso para o torneio que começa nesta quinta-feira (22), explica que a prova a que será submetido é bem técnica.
 

TEC./SONORA: “A principal função do competidor é tanto criar como manter sistemas independentes em relação à web, sejam sites, ou sistemas para empresas, ou então alguma coisa mais lúdica como um slogan”.

LOC.: Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade.

Segundo Marcelo Mendonça, líder de equipe da delegação brasileira, a WorldSkills é uma oportunidade para que os jovens brasileiros possam mostrar sua capacidade e conquistem espaço no mercado de trabalho.
 

TEC./SONORA: “É uma motivação muito grande porque eles sabem que nós passamos a importância dessa competição para o futuro profissional de cada um. Eles se dando bem em uma competição internacional dessas, já é uma grande porta aberta para entrarem na indústria ou na área de serviço”.

LOC.: Realizada a cada dois anos, a WorldSkills 2019 será disputado entre os dias 22 e 27 de agosto em Kazan, na Rússia. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. 

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral, com 15 medalhas.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes