Menu

AMAPÁ: Bancos de Leite Humano são estratégicos para incentivar e apoiar a amamentação

O Brasil conta hoje com a maior e mais complexa rede de Bancos de Leite Humano do mundo.

Banners
Créditos: Ítalo Novaes

O Brasil conta hoje com a maior e mais complexa rede de Bancos de Leite Humano do mundo. Somente no ano passado, as 225 unidades espalhadas por todo o país foram responsáveis pelo processamento de mais de 187 mil litros de leite materno para doação. O que pouca gente sabe é que a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBBLH) é uma peça-chave no incentivo e orientação para mães que amamentam. Em 2018, quase um milhão e meio de mulheres foram atendidas pela iniciativa, que é modelo para a cooperação internacional em mais de 20 países. 

Apesar de conhecer como extrair seu leite e a amamentação, a técnica de enfermagem Benedita Barbosa não pode oferecer o peito nos primeiros dias para seu primeiro filho. Eric sofreu complicações ao nascer e teve que ficar internado na UTI logo após a cesárea. Quando levou o filho para casa, Benedita teve dificuldades em amamentar. Ela conta que o apoio e a orientação que recebeu do Banco de Leite Humano do Hospital da Mulher Mãe Luzia, em Macapá, foram fundamentais para a reeducação dos dois. 

“Mesmo eu sendo técnica de enfermagem, trabalhando lá, quando chegou minha vez de amamentar meu bebê, parece que deu uma pane. Não sei se é o stress, a carga emocional. Então, o banco de leite para mim foi muito importante na minha vida, as meninas que trabalham na assistência, as fonoaudiólogas, todo mundo. Sem o apoio do banco de leite, eu acredito que não teria conseguido amamentar meu filho.”

Créditos: Ítalo Novaes

Além de um ponto focal para mães que buscam orientação, a coordenadora dos Bancos de Leite Humano da Região Norte do país, Cynara Souza, acredita que a rede brasileira tem papel chave como ferramenta multiplicadora de iniciativas para amamentação.  

“A rede de Bancos de Leite Humano está configurada como uma política pública estratégica para o incentivo e para o apoio à amamentação. Não só para os profissionais de saúde que nela trabalham, mas também qualificando a rede de apoio, fazendo as orientações para pais e mães e multiplicando com toda sociedade o que fazer, o que decidir. Ele qualifica uma importante rede de apoio”.

A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br. 

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.:  O Brasil conta hoje com a maior e mais complexa rede de Bancos de Leite Humano do mundo. Somente no ano passado, as 225 unidades espalhadas por todo o país foram responsáveis pelo processamento de mais de 187 mil litros de leite materno para doação. O que pouca gente sabe é que a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBBLH) é uma peça-chave no incentivo e orientação para mães que amamentam. Em 2018, quase um milhão e meio de mulheres foram atendidas pela iniciativa, que é modelo para a cooperação internacional em mais de 20 países.

Apesar de conhecer como extrair seu leite e a amamentação, a técnica de enfermagem Benedita Barbosa não pode oferecer o peito nos primeiros dias para seu primeiro filho. Eric sofreu complicações ao nascer e teve que ficar internado na UTI logo após a cesárea. Quando levou o filho para casa, Benedita teve dificuldades em amamentar. Ela conta que o apoio e a orientação que recebeu do Banco de Leite Humano do Hospital da Mulher Mãe Luzia, em Macapá, foram fundamentais para a reeducação dos dois.

“Mesmo eu sendo técnica de enfermagem, trabalhando lá, quando chegou minha vez de amamentar meu bebê, parece que deu uma pane. Não sei se é o stress, a carga emocional. Então, o banco de leite para mim foi muito importante na minha vida, as meninas que trabalham na assistência, as fonoaudiólogas, todo mundo. Sem o apoio do banco de leite, eu acredito que não teria conseguido amamentar meu filho.”

LOC.: Além de um ponto focal para mães que buscam orientação, a coordenadora dos Bancos de Leite Humano da Região Norte do país, Cynara Souza, acredita que a rede brasileira tem papel chave como ferramenta multiplicadora de iniciativas para amamentação.  

“A rede de Bancos de Leite Humano está configurada como uma política pública estratégica para o incentivo e para o apoio à amamentação. Não só para os profissionais de saúde que nela trabalham, mas também qualificando a rede de apoio, fazendo as orientações para pais e mães e multiplicando com toda sociedade o que fazer, o que decidir. Ele qualifica uma importante rede de apoio".

LOC.:  A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Amamentação. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br.