Menu

App permite moradores de Vitória (ES) fazer “checklist” contra Aedes

A plataforma possibilita o acesso ao “checklist” da dengue, com orientações para a eliminação de focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya

Banners
Ministério da Saúde

Você que é morador de Vitória pode ver dicas para combater o Aedes aegypti na palma da mão. É muito fácil. É só baixar o aplicativo da Prefeitura da cidade, o Vitória Online. A plataforma, disponível para os sistemas Android e iOS, possibilita o acesso ao “checklist” da dengue, com orientações para a eliminação de focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. 

A secretária de Saúde de Vitória, Cátia Lisboa, explica que o app, além de ajudar com dicas de limpeza dentro de casa, possibilita ao cidadão denunciar locais com possíveis criadouros. 

“Uma forma de contribuir com a gente é baixando o aplicativo, pois vai ter acesso ao checklist, que ele pode aplicar semanalmente no domicílio dele. Pelo aplicativo também, as pessoas podem acessar de forma online o canal 156, que é um canal que a Prefeitura fala direto com a população.”

A secretária reforça que a atuação dos moradores de Vitória no combate ao aedes é fundamental. A cidade registrou alta incidência de dengue nas quatro primeiras semanas deste ano, com mais de 300 casos a cada 100 mil habitantes. Até o dia 27 de janeiro, foram registrados 1.921 casos de dengue na cidade. Em todo o ano de 2019, foram registrados 7.319 ocorrências da doença.

E a situação pode ficar ainda pior. Vitória poderá ter um surto de dengue em 2020. Segundo o Ministério da Saúde, a cidade pode ter um aumento no número de casos de dengue neste ano por causa do retorno do sorotipo 2 da dengue. 

As pessoas que já tiveram dengue do tipo 1 não poderão ser infectadas por esse sorotipo novamente, mas podem ser contaminadas com o sorotipo 2. 

O pesquisador da Fiocruz Brasília, Claudio Maierovitch, explica que, independentemente do tipo do vírus, os sintomas e o tratamento da doença são os mesmos. 

“A doença é igual. Sabendo-se que a pessoa tem dengue, o tratamento será igual para todos os tipos. A possibilidade de que haja algum agravamento é a mesma para todos os tipos. Então quem tem dengue, em geral, não fica sabendo por qual tipo de vírus teve, fica sabendo que teve dengue.”

Você já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada Brasil.

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Você que é morador de Vitória pode ver dicas para combater o Aedes aegypti na palma da mão. É muito fácil. É só baixar o aplicativo da Prefeitura da cidade, o Vitória Online. A plataforma, disponível para os sistemas Android e iOS, possibilita o acesso ao “checklist” da dengue, com orientações para a eliminação de focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. 

A secretária de Saúde de Vitória, Cátia Lisboa, explica que o app, além de ajudar com dicas de limpeza dentro de casa, possibilita ao cidadão denunciar locais com possíveis criadouros.

“Uma forma de contribuir com a gente é baixando o aplicativo, pois vai ter acesso ao checklist, que ele pode aplicar semanalmente no domicílio dele. Pelo aplicativo também, as pessoas podem acessar de forma online o canal 156, que é um canal que a Prefeitura fala direto com a população.”

LOC.: A secretária reforça que a atuação dos moradores de Vitória no combate ao aedes é fundamental. A cidade registrou alta incidência de dengue nas quatro primeiras semanas deste ano, com mais de 300 casos a cada 100 mil habitantes. Até o dia 27 de janeiro, foram registrados 1.921 casos de dengue na cidade. Em todo o ano de 2019, foram registrados 7.319 ocorrências da doença.

E a situação pode ficar ainda pior. Vitória poderá ter um surto de dengue em 2020. Segundo o Ministério da Saúde, a cidade pode ter um aumento no número de casos de dengue neste ano por causa do retorno do sorotipo 2 da dengue.

As pessoas que já tiveram dengue do tipo 1 não poderão ser infectadas por esse sorotipo novamente, mas podem ser contaminadas com o sorotipo 2. 

O pesquisador da Fiocruz Brasília, Claudio Maierovitch, explica que, independentemente do tipo do vírus, os sintomas e o tratamento da doença é o mesmo. 

“A doença é igual. Sabendo-se que a pessoa tem dengue, o tratamento será igual para todos os tipos. A possibilidade de que haja algum agravamento é a mesma para todos os tipos. Então quem tem dengue, em geral, não fica sabendo por qual tipo de vírus teve, fica sabendo que teve dengue.”

LOC.: Você já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada Brasil.