Menu

ARACAJU: Capital intensifica ações de prevenção contra HIV/aids no carnaval

De 2 a 5 de março, as ações serão maiores nas Avenidas Pedro Calazans e Hermes Fontes

Banners
Foto: Divulgação

Com a chegada do carnaval, as ações de prevenção contra o vírus HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST) são intensificadas em todo o país. Em Aracaju não é diferente. A partir deste sábado (1º), 150 mil camisinhas devem ser distribuídas na capital sergipana pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde. Outros 100 mil preservativos já foram entregues à população no mês de fevereiro.

A coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids e Hepatites Virais, Débora Oliveira, afirma que a proteção durante o sexo é indispensável. Segundo ela, os foliões devem ter consciência do risco que correm ao deixarem de usar a camisinha.

“odas as infecções sexualmente transmissíveis podem estar atreladas ao não uso da camisinha. Então, a gente tem a população jovem, principalmente, que tem aumentado muito os casos de IST. Vamos fazer com que as pessoas se alertem e usem o preservativo não apenas no momento do carnaval, mas que seja uma constante nas suas vidas”, destaca. 

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a distribuição de camisinhas será feita durante a passagem dos blocos carnavalescos. De 2 a 5 de março, as ações serão maiores na Avenidas Pedro Calazans e Hermes Fontes, onde ficará o Bloco do Rasgadinho, o mais popular de Aracaju. 

Além disso, as pessoas podem pegar os preservativos em pontos fixos da cidade, nas Unidades Básicas de Saúde e nas duas Unidades de Pronto Atendimento 24 horas. Uma delas fica na Avenida Maranhão, na Zona Norte da capital, enquanto a outra está localizada na Avenida Augusto Franco, na Zona Sul.

Moradora do bairro Siqueira Campos, a professora Georgina Machado vive com HIV desde em 1999, quando descobriu que havia sido infectada pelo vírus. Atualmente, com 56 anos, ela recorda que a falta de conhecimento à época fez com que se descuidasse. Agora, tendo ciência de que todos podem ter acesso às informações sobre o tema, Georgina pede para que as pessoas sejam conscientes.

“Carnaval é muito bom. Porém, tem uma coisa que temos que ter consciência: temos que pensar em prevenção. Temos sim que usar camisinha. Aids não tem cara, não tem cor, mas ela tem consequências”, comenta.

Em 2018, segundo a Secretaria Municipal de Aracaju, foram registrados mais de 700 novos casos de HIV, com uma média de quase 60 pessoas infectadas por mês.

Então, não se descuide! A dica é simples para os foliões: pare, pense e use camisinha. Em caso de dúvida, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.
 


Comente...

Cadastre-se

LOC: Com a chegada do carnaval, as ações de prevenção contra o vírus HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST) são intensificadas em todo o país. Em Aracaju não é diferente. A partir deste sábado (1º), 150 mil camisinhas devem ser distribuídas na capital sergipana pela equipe da Secretaria Municipal de Saúde. Outros 100 mil preservativos já foram entregues à população no mês de fevereiro.

A coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids e Hepatites Virais, Débora Oliveira, afirma que a proteção durante o sexo é indispensável. Segundo ela, os foliões devem ter consciência do risco que correm ao deixarem de usar a camisinha.
 

TEC/SONORA: Débora Oliveira, coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids e Hepatites Virais

“Todas as infecções sexualmente transmissíveis podem estar atreladas ao não uso da camisinha e o sexo precisa ser seguro. Então, a gente tem a população jovem, principalmente, que tem aumentado muito os casos de IST. Vamos fazer com que as pessoas se alertem e usem o preservativo não apenas no momento do carnaval, mas que seja uma constante nas suas vidas.” 
 

LOC: De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, a distribuição de camisinhas será feita durante a passagem dos blocos carnavalescos. De 2 a 5 de março, as ações serão maiores na Avenidas Pedro Calazans e Hermes Fontes, onde ficará o Bloco do Rasgadinho, o mais popular de Aracaju. 

Além disso, as pessoas podem pegar os preservativos em pontos fixos da cidade, nas Unidades Básicas de Saúde e nas duas Unidades de Pronto Atendimento 24 horas. Uma delas fica na Avenida Maranhão, na Zona Norte da capital, enquanto a outra está localizada na Avenida Augusto Franco, na Zona Sul.

Moradora do bairro Siqueira Campos, a professora Georgina Machado vive com HIV desde em 1999, quando descobriu que havia sido infectada pelo vírus. Atualmente, com 56 anos, ela recorda que a falta de conhecimento à época fez com que se descuidasse. Agora, tendo ciência de que todos podem ter acesso às informações sobre o tema, Georgina pede para que as pessoas sejam conscientes.
 


TEC/SONORA: Georgina Machado, 56 anos, professora

“Carnaval é muito bom. Porém, tem uma coisa que temos que ter consciência: temos que pensar em prevenção. Temos sim que usar camisinha. Aids não tem cara, não tem cor, mas ela tem consequências.”
 

LOC: Em 2018, segundo a Secretaria Municipal de Aracaju, foram registrados mais de 700 novos casos de HIV, com uma média de quase 60 pessoas infectadas por mês.

Então, não se descuide! A dica é simples para os foliões: pare, pense e use camisinha. Em caso de dúvida, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.