Menu

BA: Dupla de Salvador representará o Brasil em torneio mundial de profissões técnicas

45ª WorldSkills será disputada na Rússia nesta semana e reúne competidores de mais de 60 países

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Arquivo Pessoal

Os treinos foram intensos, mas Edmilson Silva Souza Neto, 21 anos, de Salvador, alcançou o primeiro de dois grandes objetivos: representar o Brasil na 45ª WorldSkills, competição mundial de profissões técnicas, que vai reunir nesta semana jovens de mais de 60 países em Kazan, Rússia. O foco agora é trazer uma medalha para casa. Ele venceu todas as etapas do processo seletivo do torneio internacional na modalidade de Mecatrônica, e competirá, a partir desta quinta-feira (22), pela delegação brasileira.

Ao lado de Edmilson, estará Ítalo Carlos Costa Gonçalves, 20 anos, como o montador da equipe. Mecatrônica é uma das profissões em que a disputa ocorre em dupla. Esta é a primeira vez na história do torneio que alunos do SENAI da Bahia representarão o estado na categoria.

A prova a que os dois serão submetidos inclui quatro estações. Dessas, apenas uma é conhecida previamente. Na prática, a dupla será desafiada no desenvolvimento de um processo automatizado de produção. “Temos que estar preparados para tudo que vier. A gente treina muito como fazer, procedimentos genéricos, que se encaixam em qualquer modelo de prova, porque qualquer coisa pode acontecer”, avalia Edmilson.

E ele garante que está confiante. Os treinos são feitos há dois anos – mais intensamente desde janeiro, em Brasília, em uma espécie de centro de treinamento, onde os jovens ficaram até a segunda semana de agosto. 

“Estou feliz me sentindo preparado e bem para a competição. Tenho vontade de mostrar o resultado de um trabalho que foi plantado há dois anos”, completa o competidor.

Imagem: Arquivo Pessoal

Conheça os 63 jovens que representarão o Brasil na WorldSkills 2019

Líder da delegação brasileira na WorldSkills, Marcelo Mendonça, é o responsável pela parte motivacional, organizacional, pelas regras e por manter o estado emocional dos competidores. Também zela pela saúde, ajuda com o uniforme, com a alimentação. Tudo que diz respeito aos cuidados com o competidor está nas mãos dele.

Para Mendonça, o torneio estimula a formação profissional dos jovens e apoia a preparação de profissionais para a indústria. “Precisamos incentivar os jovens a seguir essa vida porque, na formação profissional, temos grandes saídas para o Brasil. Não adianta você ter um diploma de universidade e você não saber fazer. Acho que essa mentalidade europeia está começando a pegar no Brasil. O importante é saber fazer e fazer – não só uma teoria. Então, a WorldSkills é uma forma muito boa de incentivar isso”, pondera.

A competição

Realizada a cada dois anos, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. Os competidores precisam demonstrar habilidades individuais e coletivas para responder aos desafios de suas ocupações dentro de padrões internacionais de qualidade.

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral com 15 medalhas.   
 

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: Os treinos foram intensos, mas Edmilson Silva Souza Neto, de 21 anos, de Salvador, alcançou o primeiro de dois grandes objetivos: representar o Brasil na 45ª WorldSkills, competição mundial de profissões técnicas, que vai reunir jovens de mais de 60 países em Kazan, na Rússia. O foco agora será em concretizar o segundo, que é trazer uma medalha. Ele venceu todas as etapas do processo seletivo do torneio internacional na modalidade de Mecatrônica, e competirá, a partir desta quinta-feira (22), pela delegação brasileira.

Ao lado de Edmilson estará Ítalo Carlos Costa Gonçalves, de 20 anos, como o montador da equipe. Mecatrônica é uma das profissões em que a disputa ocorre em dupla. Esta é a primeira vez na história da WorldSkills que alunos do SENAI da Bahia representarão o estado na categoria.
A prova a que os dois serão submetidos inclui quatro estações. Dessas, apenas uma é conhecida previamente. Edmilson explica que, na prática, a dupla será desafiada no desenvolvimento de um processo automatizado de produção.
 

TEC./SONORA: Edmilson Silva Souza Neto, competidor

“Temos que estar preparado para tudo que vier. A gente treina muito como fazer, procedimentos genéricos, que se encaixam em qualquer modelo de prova, porque qualquer coisa pode acontecer.”
 

LOC.: Edmilson garante que está preparado. Os treinos são feitos há dois anos, mais intensamente desde janeiro, em Brasília, em uma espécie de centro de treinamento, onde os jovens ficaram até a segunda semana de agosto.

TEC./SONORA: Edmilson Silva Souza Neto, competidor

“Estou feliz me sentindo preparado e bem para a competição. Tenho vontade de mostrar o resultado de um trabalho que foi plantado há dois anos.”
 

LOC.: O responsável pela parte motivacional, organizacional, pelas regras e por manter o estado emocional dos competidores é Marcelo Mendonça, líder da delegação brasileira na WorldSkills. Também zela pela saúde, ajuda com o uniforme, com a alimentação.

Para Mendonça, o torneio estimula a formação profissional dos jovens e apoia a preparação de profissionais para a indústria.
 

TEC./SONORA: Marcelo Mendonça, líder da delegação brasileira na WorldSkills

“Precisamos incentivar os jovens a seguir essa vida porque, na formação profissional, temos grandes saídas para o Brasil. Não adianta você ter um diploma de universidade e você não saber fazer. Acho que essa mentalidade europeia está começando a pegar no Brasil. O importante é saber fazer e fazer – não só uma teoria. Então, a WorldSkills é uma forma muito boa de incentivar isso.”
 

LOC.: Realizada a cada dois anos, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. 

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral, com 15 medalhas.

Com a colaboração de Camila Costa, reportagem, Paulo Henrique Gomes