Menu

Beto Richa, ex-governador do Paraná, é preso pela terceira vez

Operação Quadro Negro investiga esquema de fraude em obras de escolas públicas do estado

Banners
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso nesta terça-feira (19), pela terceira vez, suspeito de desviar recursos do governo do estado. A prisão preventiva decretada pela Justiça Estadual do Paraná foi no âmbito da Operação Quadro Negro, que investiga esquema de fraude em obras de escolas públicas paranaenses.

De acordo como promotor do Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Leonir Batisti, Beto Richa foi preso por obstrução de justiça. Também foram expedidos mandados de busca e apreensão em três propriedades do ex-governador.

Esta é a terceira vez que o tucano é detido desde 2018. Ele já foi preso em desdobramentos da Operação Lava Jato, suspeito de participar de esquema de desvio de recursos em concessões rodoviárias, e outra vez pelo próprio Grupo de Combate ao Crime Organizado, que investigou esquema de corrupção em manutenção de estradas rurais no Paraná. 

Além de Beto Richa, também foram presos nesta terça o ex-secretário estadual Ezequias Moreira e o empresário Jorge Altherino, apontado nas investigações como o operador de propinas do ex-governador do Paraná.
 

Thiago Marcolini



Cadastre-se

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso nesta terça-feira (19), pela terceira vez, suspeito de desviar recursos do governo do estado. A prisão preventiva decretada pela Justiça Estadual do Paraná foi no âmbito da Operação Quadro Negro, que investiga esquema de fraude em obras de escolas públicas paranaenses.

De acordo como promotor do Grupo de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Leonir Batisti, Beto Richa foi preso por obstrução de justiça. Também foram expedidos mandados de busca e apreensão em três propriedades do ex-governador.

Esta é a terceira vez que o tucano é detido desde 2018. Ele já foi preso em desdobramentos da Operação Lava Jato, suspeito de participar de esquema de desvio de recursos em concessões rodoviárias, e outra vez pelo próprio Grupo de Combate ao Crime Organizado, que investigou esquema de corrupção em manutenção de estradas rurais no Paraná. 

Além de Beto Richa, também foram presos nesta terça o ex-secretário estadual Ezequias Moreira e o empresário Jorge Altherino, apontado nas investigações como o operador de propinas do ex-governador do Paraná.

Reportagem, Thiago Marcolini