Menu

BOLETIM AGRO: Bolsonaro afirma que acordo entre Mercosul e União Europeia será bom para fruticultura

Ainda nesta edição: Insumos agrícolas são taxados com 17% de ICMS em Santa Catarina

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Fernando Frazão / Agência Brasil

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos os principais destaques do agronegócio.

E o presidente Jair Bolsonaro afirmou recentemente que o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul será benéfico para a fruticultura brasileira. O acordo elimina tarifas para as frutas. 

A Carla Mendes, do Notícias Agrícolas, dá mais detalhes sobre essa possibilidade.

Seja bem-vinda, Carla.

 “Pode sim. Temos perspectivas bem interessantes para o setor, um dos favorecidos com a validade do acordo. Porque nós temos um volume de frutas sendo importadas para o Mercosul, que com tarifa zero ou podendo chegar a zero. Com essa mudança na tarifação para o que mandamos para o Mercosul, poderíamos começar a favorecer as frutas produzidas no Brasil, incentivando o consumo e as importações.”

E os produtores de Santa Catarina já tem uma preocupação para a safra de verão. Isso porque os insumos agrícolas terão uma taxa de 17% de cobrança do ICMS. Qual é o grau de dificuldade que os produtores podem ter com isso, Carla?

“Além de tudo isso, nós vemos uma alta muito forte do dólar. Então, essa combinação de uma tributação maior sobre os insumos e um dólar muito alto, que encarece a compra desses produtos, pode criar um aumento significativo nos custos de produção. Milho e soja podem ser duramente penalizados por essa cobrança de 17% do ICMS. Então, a implementação das próximas safras pode ser bastante comprometida.”

Carla, o mês de agosto parece trazer um ambiente mais otimista para os produtores de arroz. O preço voltou a subir nos primeiros dias do mês. Já podemos dizer que isso compensa os resultados de julho?

“Podemos sim. Pois, com o aumento da demanda das indústrias de pequeno porte e com algumas empresas de Santa Catarina atuando no mercado gaúcho – o maior mercado de arroz do Brasil –, as cotações se mantiveram em elevação ao longo dos 13 primeiros dias deste mês, que praticamente já anularam a queda que foi registrada em julho, de mais de 1% nos preços desse produto.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."
 

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos os principais destaques do agronegócio.

E o presidente Jair Bolsonaro afirmou recentemente que o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul será benéfico para a fruticultura brasileira. O acordo elimina tarifas para as frutas. 

A Carla Mendes, do Notícias Agrícolas, dá mais detalhes sobre essa possibilidade.

Seja bem-vinda, Carla.
 

 “Pode sim. Temos perspectivas bem interessantes para o setor, um dos favorecidos com a validade do acordo. Porque nós temos um volume de frutas sendo importadas para o Mercosul, que com tarifa zero ou podendo chegar a zero. Com essa mudança na tarifação para o que mandamos para o Mercosul, poderíamos começar a favorecer as frutas produzidas no Brasil, incentivando o consumo e as importações.”

E os produtores de Santa Catarina já tem uma preocupação para a safra de verão. Isso porque os insumos agrícolas terão uma taxa de 17% de cobrança do ICMS. Qual é o grau de dificuldade que os produtores podem ter com isso, Carla?

“Além de tudo isso, nós vemos uma alta muito forte do dólar. Então, essa combinação de uma tributação maior sobre os insumos e um dólar muito alto, que encarece a compra desses produtos, pode criar um aumento significativo nos custos de produção. Milho e soja podem ser duramente penalizados por essa cobrança de 17% do ICMS. Então, a implementação das próximas safras pode ser bastante comprometida.”

Carla, o mês de agosto parece trazer um ambiente mais otimista para os produtores de arroz. O preço voltou a subir nos primeiros dias do mês. Já podemos dizer que isso compensa os resultados de julho?

“Podemos sim. Pois, com o aumento da demanda das indústrias de pequeno porte e com algumas empresas de Santa Catarina atuando no mercado gaúcho – o maior mercado de arroz do Brasil –, as cotações se mantiveram em elevação ao longo dos 13 primeiros dias deste mês, que praticamente já anularam a queda que foi registrada em julho, de mais de 1% nos preços desse produto.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo, noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."