Menu

BOLETIM AGRO: MS já colheu mais de 93% do milho safrinha

Peste suína africana pode reduzir rebanho da China em até 50%

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Wenderson Araujo/CNA

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos alguns destaques do agronegócio.

Um dos estados mais importantes na produção de milho do país, o Mato Grosso, está na reta final da colheita do milho safrinha. O dado foi revelado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária. Quem vai nos contar quais as expectativas de produção e de preço para essa temporada do estado é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

Seja bem-vinda, Carla.

“Realmente, o Mato Grosso já tem mais de 93% da área de milho colhida dessa segunda safra, então temos uma avanço considerável em comparação à ultima semana, de mais de sete pontos percentuais. Isso se dá em função das condições climáticas favoráveis para os trabalhos de colheita. Ao lado desse avanço, temos um aumento da pressão sob os preços. Uma vez que a oferta de milho acaba se tornando mais disponível, porque a colheita está evoluindo, os preços vêm sendo pressionados. Então nós tivemos um recuo de 4% no preço do milho do Mato Grosso na última semana, ainda assim, os preços têm uma média de R$22,37 por saca, o que corresponde à um valor R$2,85 maior do que no mesmo período do ano passado.”

E os prejuízos causados pela peste suína africana continuam sendo contabilizados. Na China, por exemplo, o rebanho pode cair pela metade. Nos dê mais detalhes sobre essa situação, Carla?

“A China é o país onde começou essa epidemia da peste suína africana. É o país que tem o maior plantel de suínos do mundo. Essa perspectiva é do Rabobank, que é um banco internacional de investimentos, que tem uma área de agro muito reconhecida. Já estima que o rebanho chinês tenha caído 40% com relação a 2018. O que fica bem acima das estimativas oficiais que variam de 15% a 26%. Alguns órgãos oficiais trazem essa redução mais tímida, mas sabe-se que a morte de animais por essa doença é muito mais severa do que noticiam os órgãos oficiais. ”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos alguns destaques do agronegócio.

Um dos estados mais importantes na produção de milho do país, o Mato Grosso, está na reta final da colheita do milho safrinha. O dado foi revelado pelo Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária. Quem vai nos contar quais as expectativas de produção e de preço para essa temporada do estado é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

Seja bem-vinda, Carla.
 

“Realmente, o Mato Grosso já tem mais de 93% da área de milho colhida dessa segunda safra, então temos uma avanço considerável em comparação à ultima semana, de mais de sete pontos percentuais. Isso se dá em função das condições climáticas favoráveis para os trabalhos de colheita. Ao lado desse avanço, temos um aumento da pressão sob os preços. Uma vez que a oferta de milho acaba se tornando mais disponível, porque a colheita está evoluindo, os preços vêm sendo pressionados. Então nós tivemos um recuo de 4% no preço do milho do Mato Grosso na última semana, ainda assim, os preços têm uma média de R$22,37 por saca, o que corresponde à um valor R$2,85 maior do que no mesmo período do ano passado.”

E os prejuízos causados pela peste suína africana continuam sendo contabilizados. Na China, por exemplo, o rebanho pode cair pela metade. Nos dê mais detalhes sobre essa situação, Carla?

“A China é o país onde começou essa epidemia da peste suína africana. É o país que tem o maior plantel de suínos do mundo. Essa perspectiva é do Rabobank, que é um banco internacional de investimentos, que tem uma área de agro muito reconhecida. Já estima que o rebanho chinês tenha caído 40% com relação a 2018. O que fica bem acima das estimativas oficiais que variam de 15% a 26%. Alguns órgãos oficiais trazem essa redução mais tímida, mas sabe-se que a morte de animais por essa doença é muito mais severa do que noticiam os órgãos oficiais. ”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo, noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."