Menu

Boletim Focus reduz previsão de crescimento do PIB para 2019

Relatório indica um crescimento de 0,81% neste ano, abaixo do último resultado divulgado

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Arquivo EBC

O Banco Central divulgou mais uma redução na expectativa de crescimento econômico do país para 2019. Segundo o Boletim Focus, divulgado nesta segunda (12), a previsão para o Produto Interno Bruto caiu de 0,82% para 0,81%. Para fazer a avaliação, o BC consulta ao menos 100 instituições financeiras.
Este índice não apresentava recuos desde o dia 29 de julho.

Outro índice elaborado pelo boletim, e que apresentou uma diminuição no resultado, foi o que mede a inflação. A marca, que estava em 3,80% reduziu para 3,76%.

As previsões de crescimento para 2020 e 2021 se mantiveram em 2,10% e 2,5% respectivamente. As perspectivas para inflação também não sofreram alterações e estacionaram em 3,9%, para 2020, e 3,75%, para 2021.

A previsão para a taxa Selic foi outro índice que o boletim apontou uma queda. Os economistas acreditam que 2019 termine em 5%, abaixo dos 5,29% apontados no levantamento anterior, quando ficou em 5,25%.

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

O Banco Central divulgou mais uma redução na expectativa de crescimento econômico do país para 2019. Segundo o Boletim Focus, divulgado nesta segunda (12), a previsão para o Produto Interno Bruto caiu de 0,82% para 0,81%. Para fazer a avaliação, o BC consulta ao menos 100 instituições financeiras.
Este índice não apresentava recuos desde o dia 29 de julho.

Outro índice elaborado pelo boletim, e que apresentou uma diminuição no resultado, foi o que mede a inflação. A marca, que estava em 3,80% reduziu para 3,76%.

As previsões de crescimento para 2020 e 2021 se mantiveram em 2,10% e 2,5% respectivamente. As perspectivas para inflação também não sofreram alterações e estacionaram em 3,9%, para 2020, e 3,75%, para 2021.

A previsão para a taxa Selic foi outro índice que o boletim apontou uma queda. Os economistas acreditam que 2019 termine em 5%, abaixo dos 5,29% apontados no levantamento anterior, quando ficou em 5,25%.

Reportagem, Raphael Costa