Menu

BRF retira 464 toneladas de frango do mercado por risco de contaminação

Empresa informou que a carne in natura teve contágio de salmonella na unidade de Dourados, no MS; bactéria pode causar infecção alimentar

  • Repórter Raphael Costa
  • Data de publicação: 13 de Fevereiro de 2019, 16:36h
Banners

A BRF, maior empresa de processamento de proteína animal do mundo, anunciou nesta quarta-feira (13) que recolherá mais de 164 de toneladas de frango que tinham como destino final o mercado brasileiro. A justificativa, segundo o comunicado emitido pela própria companhia, é o risco por contaminação de salmonella, bactéria que causa intoxicação alimentar.

Em nota, a BRF detalha que serão recolhidos coxas e sobrecoxas sem osso, meio peito sem osso e sem pele, vendidos nas embalagens de 15 kgs, além de filézinhos de frango, file de peito e coração.

Também serão recolhidas outras 299 toneladas de frango in natura, que seriam enviadas ao mercado internacional.

De acordo com a empresa, a contaminação teve como origem a produção das aves em outubro e novembro do ano passado, vindas da unidade de
Dourados, no Mato Grosso do Sul.

Na nota, a BRF relembra que a salmonela não sobrevive aos processos de cozimento, fritura ou assadura, mas que, se esses procedimentos não forem realizados da maneira correta, a infecção pode ocorrer, causando dores abdominais, diarreia, febre e vômito. A empresa também informou que já começou a coletar os lotes possivelmente infectados.

Reportagem, Raphael Costa

#Agro
 


Comente...

Cadastre-se

A BRF, maior empresa de processamento de proteína animal do mundo, anunciou nesta quarta-feira (13) que recolherá mais de 164 de toneladas de frango que tinham como destino final o mercado brasileiro. A justificativa, segundo o comunicado emitido pela própria companhia, é o risco por contaminação de salmonella, bactéria que causa intoxicação alimentar.

Em nota, a BRF detalha que serão recolhidos coxas e sobrecoxas sem osso, meio peito sem osso e sem pele, vendidos nas embalagens de 15 kgs, além de filézinhos de frango, file de peito e coração.
Também serão recolhidas outras 299 toneladas de frango in natura, que seriam enviadas ao mercado internacional.

De acordo com a empresa, a contaminação teve como origem a produção das aves em outubro e novembro do ano passado, vindas da unidade de
Dourados, no Mato Grosso do Sul.

Na nota, a BRF relembra que a salmonela não sobrevive aos processos de cozimento, fritura ou assadura, mas que, se esses procedimentos não forem realizados da maneira correta, a infecção pode ocorrer, causando dores abdominais, diarreia, febre e vômito. A empresa também informou que já começou a coletar os lotes possivelmente infectados.

Reportagem, Raphael Costa

#Agro