Menu

CARNAVAL: Florianópolis investe em kits, parcerias e preservativos para prevenção ao HIV

Florianópolis vai investir em parcerias para ampliar as ações de prevenção ao HIV durante os dias de carnaval. A capital recebeu 70 mil preservativos, entre masculinos e femininos, além de gel lubrificante, itens que serão distribuídos aos foliões.

Banners
Foto: Divulgação internet

Florianópolis vai investir em parcerias para ampliar as ações de prevenção ao HIV durante os dias de carnaval. A capital recebeu 70 mil preservativos, entre masculinos e femininos, além de gel lubrificante, itens que serão distribuídos aos foliões.

Empresas e blocos de carnaval vão auxiliar a Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis na missão de distribuir os preservativos e os kits com orientações. Um dos produtos será um leque que, além de espantar o calor, servirá como uma espécie de mapa, onde poderão ser encontradas informações de onde buscar os preservativos, entre outras.

Nos últimos 10 anos, Santa Catarina tem registrado uma média anual de 2.200 novos casos de infecções por HIV, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde. Os números, segundo o gerente de Vigilância das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), HIV/Aids e Hepatites Virais do estado, Eduardo Macário, atestam a importância do uso do preservativo.

“A aids é uma doença que não tem cura, embora tenha tratamento. Mesmo assim, quanto mais prevenido for, quanto mais ações de prevenção forem feitas, menor será o risco de se infectar com o HIV.”

Outra ação da secretaria de Saúde municipal durante carnaval envolve uma empresa de aplicativos para celular. A pessoa poderá baixar a ferramenta gratuitamente, que funcionará como um mapa digital. Nela, é possível encontrar o ponto de distribuição de preservativos mais próximo. O coordenador do projeto, Ronaldo Zonta, afirma que a luta é para conscientizar todos os tipos de públicos sobre a importância da prevenção ao HIV.
 
“No Brasil e em Florianópolis, ainda vivemos uma epidemia de HIV, ainda se morre de aids, ainda é uma doença de importância na saúde pública, mesmo tendo avançado muito no tratamento, é uma doença que vem crescendo entre homens, jovens, pega todas as classes sociais, todas as raças. A doença tem tratamento, porém, se não for evitada, a gente tende ainda a viver cada vez mais essa epidemia. Usar o preservativo, hoje, é uma forma mais fácil, mais segura, mais rápida.”

Em caso de dúvidas, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. E neste carnaval, não se esqueça: escolha se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. 


Comente...

Cadastre-se

LOC.: Florianópolis vai investir em parcerias para ampliar as ações de prevenção ao HIV durante os dias de carnaval. A capital recebeu 70 mil preservativos, entre masculinos e femininos, além de gel lubrificante, itens que serão distribuídos aos foliões.

Empresas e blocos de carnaval vão auxiliar a Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis na missão de distribuir os preservativos e os kits com orientações. Um dos produtos será um leque que, além de espantar o calor, servirá como uma espécie de mapa, onde poderão ser encontradas informações de onde buscar os preservativos, entre outras.

Nos últimos 10 anos, Santa Catarina tem registrado uma média anual de 2.200 novos casos de infecções por HIV, segundo dados da Secretaria Estadual de Saúde. Os números, segundo o gerente de Vigilância das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), HIV/Aids e Hepatites Virais do estado, Eduardo Macário, atestam a importância do uso do preservativo.
 

TEC./SONORA: Eduardo Macário, gerente de Vigilância das Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), HIV/Aids e Hepatites Virais, da Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SC. 
 
“A aids é uma doença que não tem cura, embora tenha tratamento. Mesmo assim, quanto mais prevenido for, quanto mais ações de prevenção forem feitas, menor será o risco de se infectar com o HIV.”
 


LOC.: Outra ação da secretaria de Saúde municipal durante carnaval envolve uma empresa de aplicativos para celular. A pessoa poderá baixar a ferramenta gratuitamente, que funcionará como um mapa digital. Nela, é possível encontrar o ponto de distribuição de preservativos mais próximo. O coordenador do projeto, Ronaldo Zonta, afirma que a luta é para conscientizar todos os tipos de públicos sobre a importância da prevenção ao HIV.
 

TEC./SONORA: Ronaldo Zonta, coordenador do projeto “Pare o HIV Floripa 2020”.

“No Brasil e em Florianópolis, ainda vivemos uma epidemia de HIV, ainda se morre de aids, ainda é uma doença de importância na saúde pública, mesmo tendo avançado muito no tratamento, é uma doença que vem crescendo entre homens, jovens, pega todas as classes sociais, todas as raças. A doença tem tratamento, porém, se não for evitada, a gente tende ainda a viver cada vez mais essa epidemia. Usar o preservativo, hoje, é uma forma mais fácil, mais segura, mais rápida.”
 

LOC.: Em caso de dúvidas, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. E neste carnaval, não se esqueça: escolha se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.