Menu

CARNAVAL: Média ao ano de 1.200 novos casos de infecção por HIV entre 2015 e 2018 acende alerta no ES

A maneira mais simples de se proteger contra o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis continua sendo o uso da camisinha. Por isso, o governo do Espírito Santo lançou a campanha “Carnaval com camisinha é bem melhor”, que distribuiu mais de 32 mil preservativos anexados a um jornal de distribuição gratuita na capital.

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Divulgação SESA ES

No ano passado, o Espírito Santo registrou 1.101 novos casos de pessoas diagnosticadas com HIV. Os dados da Secretaria Estadual de Saúde também mostram que a média anual de novos casos subiu para 1.200 entre 2015 e 2018. Os números preocupam a coordenadora do Programa de Infecções Sexualmente Transmissíveis e Aids da Secretaria de Saúde do Espírito Santo (IST/SESA), Sandra Fagundes. Por isso, ela faz um apelo para que os foliões usem camisinha, método mais simples para prevenir o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST).

“Continua a discussão de que a prevenção é muito importante. Até agora, o uso da camisinha é a primeira forma de prevenção. Os foliões podem brincar seu carnaval, o carnaval é muito bom, principalmente com o uso da camisinha.”

O engenheiro agrônomo, Rafael Salvador, vive com HIV desde 2004. Morador de Vitória, ele conta que não teve nenhum sintoma aparente e que se não tivesse descoberto que foi infectado logo no início, tudo poderia ser diferente. Por isso, Rafael alerta que é importante conhecer o próprio corpo e procurar ajuda médica sempre que necessário. 
 
“Eu não tinha nenhum sintoma. Nem mesmo gripe, resfriado, nada, ainda. Acho muito importante a gente começar a entender que a medicina preventiva tem essa rotina na vida da gente.”

A maneira mais simples de se proteger contra o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis continua sendo o uso da camisinha. Por isso, o governo do Espírito Santo lançou a campanha “Carnaval com camisinha é bem melhor”, que distribuiu mais de 32 mil preservativos anexados a um jornal de distribuição gratuita na capital. 

A Secretaria Estadual de Saúde também vai espalhar 31 mil folders sobre o HIV durante o carnaval. Outros 900 mil preservativos estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde e podem ser retirados gratuitamente por qualquer pessoa. 

E neste carnaval, não se esqueça: escolha se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.
 

Aline Dias

Aline atuou na assessoria do Sindicato dos Empregados no Comércio do Distrito Federal (Sindicom-DF), na Predicato Assessoria de Comunicação, no Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), vinculada à Casa Civil. Em sua trajetória, também trabalhou como freelancer na Predicato Assessoria de Comunicação e na Frente Nacional de Prefeitos, durante o IV Encontro do Municípios com o Desenvolvimento Sustentável. Atualmente é repórter da Agência do Rádio Brasileiro.


Cadastre-se

LOC.: No ano passado, o Espírito Santo registrou 1.101 novos casos de pessoas diagnosticadas com HIV. Os dados da Secretaria Estadual de Saúde também mostram que a média anual de novos casos subiu para 1.200 entre 2015 e 2018. Os números preocupam a coordenadora do Programa de Infecções Sexualmente Transmissíveis e Aids da Secretaria de Saúde do Espírito Santo (IST/SESA), Sandra Fagundes. Por isso, ela faz um apelo para que os foliões usem camisinha, método mais simples para prevenir o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST).

TEC./SONORA: Sandra Fagundes, coordenadora estadual do Programa de Infecções Sexualmente Transmissíveis e Aids da Secretaria de Saúde do Espírito Santo.

“Continua a discussão de que a prevenção é muito importante. Até agora, o uso da camisinha é a primeira forma de prevenção. Os foliões podem brincar seu carnaval, o carnaval é muito bom, principalmente com o uso da camisinha.”
 

LOC.: O engenheiro agrônomo, Rafael Salvador, vive com HIV desde 2004. Morador de Vitória, ele conta que não teve nenhum sintoma aparente e que se não tivesse descoberto que foi infectado logo no início, tudo poderia ser diferente. Por isso, Rafael alerta que é importante conhecer o próprio corpo e procurar ajuda médica sempre que necessário. 

TEC./SONORA: Rafael Salvador, engenheiro agrônomo.

“Eu não tinha nenhum sintoma. Nem mesmo gripe, resfriado, nada, ainda. Acho muito importante a gente começar a entender que a medicina preventiva tem essa rotina na vida da gente.”
 

LOC.: A maneira mais simples de se proteger contra o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis continua sendo o uso da camisinha. Por isso, o governo do Espírito Santo lançou a campanha “Carnaval com camisinha é bem melhor”, que distribuiu mais de 32 mil preservativos anexados a um jornal de distribuição gratuita na capital. 

A Secretaria Estadual de Saúde também vai espalhar 31 mil folders sobre o HIV durante o carnaval. Outros 900 mil preservativos estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde e podem ser retirados gratuitamente por qualquer pessoa. 

E neste carnaval, não se esqueça: escolha se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.