Menu

CARNAVAL: Secretaria de Saúde vai distribuir dois milhões de preservativos na capital paulista

Dois milhões de preservativos serão distribuídos durante o carnaval na capital paulista. A iniciativa faz parte da campanha “Camisinha na Folia”, que tem como objetivo a conscientização da população sobre a prevenção ao HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis, as IST.

Banners
Crédito: Agência Brasil

Dois milhões de preservativos serão distribuídos durante o carnaval na capital paulista. A iniciativa faz parte da campanha “Camisinha na Folia”, que tem como objetivo a conscientização da população sobre a prevenção ao HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis, as IST. A campanha começou no início de fevereiro, durante os ensaios para os desfiles das escolas de samba. 

As camisinhas também serão disponibilizadas, gratuitamente, nos blocos de carnaval, nas estações de metrô e terminais rodoviários, além de todas as Unidades Básicas de Saúde da capital. O infectologista Werciley Júnior explica que a camisinha continua sendo o principal meio de proteção contra as infecções sexualmente transmissíveis.

“O uso da camisinha é a forma mais fácil e eficaz de se prevenir, pois é a forma que evita o contato da mucosa das pessoas. Então, a camisinha ainda é o meio mais eficaz para evitar a transmissão do vírus (HIV).”

De acordo com o Ministério da Saúde, 73% dos novos casos de HIV no Brasil são registrados entre os homens. Desses, um quinto são jovens com idade entre 15 e 24 anos. Na capital paulista, de acordo com a Secretaria de Saúde estadual, foram registrados 5.377 novos casos de infecção pelo HIV em 2017, 80% deles, em homens. A coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, Cristina Abbate, reforça que, apesar de os números de casos terem caído, nunca é demais alertar aos foliões sobre os riscos de exposição ao vírus HIV.

“Nós tivemos uma redução em 2017, em relação à 2016, tanto do HIV quanto da aids. Do HIV, nós tivemos redução de quase 3%, e da aids em torno de 9,2%, o que evidentemente é um dado bastante positivo, mas que não nos tranquiliza, porque nós temos tido novas infecções em alguns grupos sociais, principalmente jovens. Então, apesar do declínio, nós sabemos que é importante que a gente intensifique junto à população o acesso aos insumos de prevenção. O uso da camisinha é fundamental. Hoje, este é um insumo que está disponível em vários lugares aqui na capital de São Paulo. Na hora da folia, isso deve ser ainda mais lembrado.”

Em caso de dúvidas, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. E neste carnaval, não se esqueça: escolha se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.
 


Comente...

Cadastre-se

LOC.: Dois milhões de preservativos serão distribuídos durante o carnaval na capital paulista. A iniciativa faz parte da campanha “Camisinha na Folia”, que tem como objetivo a conscientização da população sobre a prevenção ao HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis, as IST. A campanha começou no início de fevereiro, durante os ensaios para os desfiles das escolas de samba. 

As camisinhas também serão disponibilizadas, gratuitamente, nos blocos de carnaval, nas estações de metrô e terminais rodoviários, além de todas as Unidades Básicas de Saúde da capital. O infectologista Werciley Júnior explica que a camisinha continua sendo o principal meio de proteção contra as infecções sexualmente transmissíveis.
 

TEC./SONORA: Werciley Júnior, infectologista

“O uso da camisinha é a forma mais fácil e eficaz de se prevenir, pois é a forma que evita o contato da mucosa das pessoas. Então, a camisinha ainda é o meio mais eficaz para evitar a transmissão do vírus (HIV).”
 

LOC.: De acordo com o Ministério da Saúde, 73% dos novos casos de HIV no Brasil são registrados entre os homens. Desses, um quinto são jovens com idade entre 15 e 24 anos. Na capital paulista, de acordo com a Secretaria de Saúde estadual, foram registrados 5.377 novos casos de infecção pelo HIV em 2017, 80% deles, em homens. A coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo, Cristina Abbate, reforça que, apesar de os números de casos terem caído, nunca é demais alertar aos foliões sobre os riscos de exposição ao vírus HIV.

TEC./SONORA: Cristina Abbate, coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo.

“Nós tivemos uma redução em 2017, em relação à 2016, tanto do HIV quanto da aids. Do HIV, nós tivemos redução de quase 3%, e da aids em torno de 9,2%, o que evidentemente é um dado bastante positivo, mas que não nos tranquiliza, porque nós temos tido novas infecções em alguns grupos sociais, principalmente jovens. Então, apesar do declínio, nós sabemos que é importante que a gente intensifique junto à população o acesso aos insumos de prevenção. O uso da camisinha é fundamental. Hoje, este é um insumo que está disponível em vários lugares aqui na capital de São Paulo. Na hora da folia, isso deve ser ainda mais lembrado.”
 

LOC.: Em caso de dúvidas, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. E neste carnaval, não se esqueça: escolha se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.