Menu

Com mais de 644 mil empregos formais criados em 2019, Brasil atinge melhor marca desde 2013

Setor de serviços foi o que mais empregou: 382 mil contratações

Banners
Foto: Arquivo/EBC

Mais de 644 mil empregos com carteira assinada foram criados no Brasil, em 2019. Esse foi o melhor resultado desde 2013, quando foram criadas um milhão e 117 mil vagas formais. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Ministério da Economia.

O número é resultado da diferença entre as contratações, que ultrapassaram 16 milhões e 197 mil, e as demissões, que chegaram a 15 milhões e 553 mil pessoas.

O setor de serviços foi o que mais empregou, ao criar 382 mil postos de trabalho. Por outro lado, a administração pública foi quem menos contratou, com 822 novas vagas preenchidas.

No recorte por regiões, o destaque é para o Sudeste, que liderou com mais de 318 mil postos. O menor número de contratações ficou com o Norte do país, com cerca de 32 mil e quinhentas contratações.

 

Marquezan Araújo

Marquezan é formado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), atuou como âncora de jornal radiofônico e locutor de programa musical. Passou por estágios na Agência Brasil e na Rádio Nacional, da EBC. Repórter da Agência do Rádio desde 2016, acompanha as movimentações do Legislativo no Congresso Nacional.


Cadastre-se

LOC.: Mais de 644 mil empregos com carteira assinada foram criados no Brasil, em 2019. Esse foi o melhor resultado desde 2013, quando foram criadas um milhão e 117 mil vagas formais. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Ministério da Economia.

O número é resultado da diferença entre as contratações, que ultrapassaram 16 milhões e 197 mil, e as demissões, que chegaram a 15 milhões e 553 mil pessoas.

O setor de serviços foi o que mais empregou, ao criar 382 mil postos de trabalho. Por outro lado, a administração pública foi quem menos contratou, com 822 novas vagas preenchidas.

No recorte por regiões, o destaque é para o Sudeste, que liderou com mais de 318 mil postos. O menor número de contratações ficou com o Norte do país, com cerca de 32 mil e quinhentas contratações.

Reportagem, Marquezan Araújo