Menu

Com “míssil aleatório”, Santos aproveita vacilo do Palmeiras e encosta na liderança

No clássico dos times de maiores torcidas do país, Fla e Timão ficaram no um a um

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Créditos: Ivan Storti/Santos FC

Para quem diz que pontos corridos não têm graça, o Brasileirão está aí para mostrar que isso não é verdade. A 11ª rodada teve de tudo, desde gol contra do meio-campo até golaço que valeu a liderança. 

Quem agora divide a ponta da tabela com o Palmeiras é o Santos, que foi até o Rio de Janeiro e venceu o Botafogo por um a zero. Em jogo quente, com uma expulsão para cada lado, o Peixe conquistou os três pontos graças a um golaço de Marinho, de fora da área, aos 29 minutos da segunda etapa. Chutaço que foi definido pelo próprio atacante como “mini míssel aleatório”. Essa foi a quinta vitória consecutiva do time de Jorge Sampaoli, que tem os mesmos 26 pontos do líder e fica atrás apenas no saldo de gols.

Se antes da Copa América o Verdão estava sobrando, nesta rodada a equipe perdeu a invencibilidade de 33 jogos no torneio nacional. Fora de casa, o Palmeiras, que entrou em campo com seu time titular, foi derrotado por dois a zero para o Ceará. Mateus Gonçalves e Leandro Carvalho marcaram na vitória do Vozão, agora 13º colocado.

Um jogo que deu o que falar foi entre Atlético Mineiro e Fortaleza, no Independência. O Galo começou na frente graças a um gol contra de Juninho, do meio-campo, em tentativa de recuo que encobriu o goleiro. Ainda no primeiro tempo, Cazares, de pênalti, aumentou a vantagem dos donos da casa. Na segunda etapa, veio a reação. De cabeça, Carlinhos descontou para o Leão. Até que os deuses do futebol reservaram um momento de redenção. Juninho, o mesmo do golaço contra, converteu pênalti e deixou tudo igual. Na comemoração, se emocionou e foi às lágrimas. Antes do apito final, a arbitragem assinalou pênalti para o Galo. O goleiro do Fortaleza, Felipe Alves, saiu como herói e defendeu duas cobranças, uma de Alerrandro e outra de Luan, após o juiz mandar voltar o pênalti. No jogo maluco da rodada, ninguém saiu vencedor. Atlético Mineiro dois, Fortaleza dois.

No clássico dos times de maiores torcidas do país, Corinthians e Flamengo também ficaram no empate. Em Itaquera, o Timão abriu o placar com Clayson, de pênalti. No fim da partida, Gabigol, artilheiro do campeonato com oito gols, deixou tudo igual. No lance, o árbitro Leandro Vuaden demorou mais de cinco minutos para validar o gol rubro-negro, após consulta ao VAR. A equipe paulista estacionou na nona posição, enquanto o Fla perdeu a chance de encostar na liderança e se manteve na terceira posição, cinco pontos atrás de Palmeiras e Santos. 

No jogo de pouca inspiração e raras chances de gol, Goiás e Avaí ficaram no zero a zero, na Ressacada. O time catarinense segue sendo o único que ainda não venceu após 11 rodadas e segura a lanterna do Brasileirão, com apenas cinco pontos. O Esmeraldino aparece em oitavo lugar, com 16 pontos.
No sábado, quem voltou a vencer um clássico no Rio foi o Vasco. Em São Januário, o Gigante da Colina bateu o Fluminense por dois a um, de virada. O Tricolor até saiu na frente com Pedro, na primeira etapa. Após o intervalo, aos 11 minutos, Digão foi expulso. Pouco tempo depois, o zagueiro vascaíno Leandro Castán empatou. Aos 30, Frazan matou uma chance clara de gol ao segurar Yago Pikachu e também foi para o chuveiro mais cedo, deixando o Flu com dois a menos em campo. Na cobrança de falta, Bruno César guardou o dele e decretou a vitória cruzmaltina. Com o triunfo, o Vasco subiu para a décima quinta posição e empurrou o rival das Laranjeiras para a zona de rebaixamento.

Em Porto Alegre, Internacional e Grêmio empataram em um a um. Os times entraram em campo com equipes alternativas, já que entram em campo pela Libertadores neste meio de semana. Paulo Miranda, contra, abriu o placar. No segundo tempo, Luan deixou tudo igual. O Colorado ocupa a quinta posição na tabela, enquanto o Tricolor está em décimo.  

Em Salvador, o Bahia não conseguiu vencer o time reserva do Cruzeiro e saiu sob vaias do torcedor. Com o empate por zero a zero, o Tricolor de Aço aparece na décima primeira posição. Já a Raposa está a um passo da zona da degola, no décimo sexto lugar. 

O Athletico Paranaense quebrou o tabu e venceu a primeira partida fora de casa na temporada. Mesmo com o time reserva, o Furacão atropelou o CSA, em pleno Rei Pelé, por quatro a zero. A vitória maiúscula levou a equipe de Tiago Nunes ao sexto lugar, enquanto os alagoanos aparecem na penúltima posição. 

Nesta segunda-feira, uma partida encerra a rodada de número 11. Há cinco jogos sem vencer, o pressionado São Paulo recebe a Chapecoense, que tenta sair da parte de baixo da tabela. Os times entram em campo no Morumbi, às oito da noite, horário de Brasília. 

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

Para quem diz que pontos corridos não têm graça, o Brasileirão está aí para mostrar que isso não é verdade. A 11ª rodada teve de tudo, desde gol contra do meio-campo até golaço que valeu a liderança. 

Quem agora divide a ponta da tabela com o Palmeiras é o Santos, que foi até o Rio de Janeiro e venceu o Botafogo por um a zero. Em jogo quente, com uma expulsão para cada lado, o Peixe conquistou os três pontos graças a um golaço de Marinho, de fora da área, aos 29 minutos da segunda etapa. Chutaço que foi definido pelo próprio atacante como “mini míssel aleatório”. Essa foi a quinta vitória consecutiva do time de Jorge Sampaoli, que tem os mesmos 26 pontos do líder e fica atrás apenas no saldo de gols.

Se antes da Copa América o Verdão estava sobrando, nesta rodada a equipe perdeu a invencibilidade de 33 jogos no torneio nacional. Fora de casa, o Palmeiras, que entrou em campo com seu time titular, foi derrotado por dois a zero para o Ceará. Mateus Gonçalves e Leandro Carvalho marcaram na vitória do Vozão, agora 13º colocado.

Um jogo que deu o que falar foi entre Atlético Mineiro e Fortaleza, no Independência. O Galo começou na frente graças a um gol contra de Juninho, do meio-campo, em tentativa de recuo que encobriu o goleiro. Ainda no primeiro tempo, Cazares, de pênalti, aumentou a vantagem dos donos da casa. Na segunda etapa, veio a reação. De cabeça, Carlinhos descontou para o Leão. Até que os deuses do futebol reservaram um momento de redenção. Juninho, o mesmo do golaço contra, converteu pênalti e deixou tudo igual. Na comemoração, se emocionou e foi às lágrimas. Antes do apito final, a arbitragem assinalou pênalti para o Galo. O goleiro do Fortaleza, Felipe Alves, saiu como herói e defendeu duas cobranças, uma de Alerrandro e outra de Luan, após o juiz mandar voltar o pênalti. No jogo maluco da rodada, ninguém saiu vencedor. Atlético Mineiro dois, Fortaleza dois.

No clássico dos times de maiores torcidas do país, Corinthians e Flamengo também ficaram no empate. Em Itaquera, o Timão abriu o placar com Clayson, de pênalti. No fim da partida, Gabigol, artilheiro do campeonato com oito gols, deixou tudo igual. No lance, o árbitro Leandro Vuaden demorou mais de cinco minutos para validar o gol rubro-negro, após consulta ao VAR. A equipe paulista estacionou na nona posição, enquanto o Fla perdeu a chance de encostar na liderança e se manteve na terceira posição, cinco pontos atrás de Palmeiras e Santos. 

No jogo de pouca inspiração e raras chances de gol, Goiás e Avaí ficaram no zero a zero, na Ressacada. O time catarinense segue sendo o único que ainda não venceu após 11 rodadas e segura a lanterna do Brasileirão, com apenas cinco pontos. O Esmeraldino aparece em oitavo lugar, com 16 pontos.
No sábado, quem voltou a vencer um clássico no Rio foi o Vasco. Em São Januário, o Gigante da Colina bateu o Fluminense por dois a um, de virada. O Tricolor até saiu na frente com Pedro, na primeira etapa. Após o intervalo, aos 11 minutos, Digão foi expulso. Pouco tempo depois, o zagueiro vascaíno Leandro Castán empatou. Aos 30, Frazan matou uma chance clara de gol ao segurar Yago Pikachu e também foi para o chuveiro mais cedo, deixando o Flu com dois a menos em campo. Na cobrança de falta, Bruno César guardou o dele e decretou a vitória cruzmaltina. Com o triunfo, o Vasco subiu para a décima quinta posição e empurrou o rival das Laranjeiras para a zona de rebaixamento.

Em Porto Alegre, Internacional e Grêmio empataram em um a um. Os times entraram em campo com equipes alternativas, já que entram em campo pela Libertadores neste meio de semana. Paulo Miranda, contra, abriu o placar. No segundo tempo, Luan deixou tudo igual. O Colorado ocupa a quinta posição na tabela, enquanto o Tricolor está em décimo.  

Em Salvador, o Bahia não conseguiu vencer o time reserva do Cruzeiro e saiu sob vaias do torcedor. Com o empate por zero a zero, o Tricolor de Aço aparece na décima primeira posição. Já a Raposa está a um passo da zona da degola, no décimo sexto lugar. 

O Athletico Paranaense quebrou o tabu e venceu a primeira partida fora de casa na temporada. Mesmo com o time reserva, o Furacão atropelou o CSA, em pleno Rei Pelé, por quatro a zero. A vitória maiúscula levou a equipe de Tiago Nunes ao sexto lugar, enquanto os alagoanos aparecem na penúltima posição. 

Nesta segunda-feira, uma partida encerra a rodada de número 11. Há cinco jogos sem vencer, o pressionado São Paulo recebe a Chapecoense, que tenta sair da parte de baixo da tabela. Os times entram em campo no Morumbi, às oito da noite, horário de Brasília. 

Reportagem, Raphael Costa