Menu

Com saída de Moro, Bolsonaro nomeia André Mendonça para o comando do Ministério da Justiça

À frente da Advocacia-Geral, Mendonça foi responsável pela alteração do entendimento da instituição sobre a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância

Banners
Foto: Arquivo/EBC

Com a saída de Sérgio Moro do comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o presidente Jair Bolsonaro nomeou, para o cargo, o advogado-geral da União, André Mendonça.

O novo ministro, de 47 anos de idade, é natural da cidade paulista de Santos. À frente da Advocacia-Geral, foi responsável, por exemplo, pela alteração do entendimento da instituição sobre a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância.

Outra ação de Mendonça enquanto esteve na gestão da AGU, foi a que a instituição assegurou, em 2019, a recuperação de R$ 7,5 bilhões para os cofres públicos por meio de acordos de leniência com empresas envolvidas em irregularidades.

O atual ministro da Justiça é doutor e mestre em Direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha, e pós-graduado em Direito Público pela Universidade de Brasília (UnB). A graduação em Direito foi na Faculdade de Direito de Bauru (SP).

Mendonça também foi pesquisador e professor visitante na Universidade de Stetson, nos Estados Unidos, entre 2015 e 2016. Atualmente, ele é professor do programa de Doutorado em Estado de Direito e Governança Global da Universidade de Salamanca.

Além de André Mendonça para o posto de ministro da Justiça e Segurança Pública, Jair Bolsonaro confirmou ainda o nome de Alexandre Ramagem, atual diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

Para o cargo de Advogado-Geral da União, no lugar de Mendonça, o presidente nomeou Jose Levi Mello do Amaral.
 

Marquezan Araújo

Marquezan é formado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), atuou como âncora de jornal radiofônico e locutor de programa musical. Passou por estágios na Agência Brasil e na Rádio Nacional, da EBC. Repórter da Agência do Rádio desde 2016, acompanha as movimentações do Legislativo no Congresso Nacional.


Cadastre-se

LOC.: Com a saída de Sérgio Moro do comando do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o presidente Jair Bolsonaro nomeou, para o cargo, o advogado-geral da União, André Mendonça.

O novo ministro, de 47 anos de idade, é natural da cidade paulista de Santos. À frente da Advocacia-Geral, foi responsável, por exemplo, pela alteração do entendimento da instituição sobre a constitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância.

Outra ação de Mendonça enquanto esteve na gestão da AGU, foi a que a instituição assegurou, em 2019, a recuperação de R$ 7,5 bilhões para os cofres públicos por meio de acordos de leniência com empresas envolvidas em irregularidades.

O atual ministro da Justiça é doutor e mestre em Direito pela Universidade de Salamanca, na Espanha, e pós-graduado em Direito Público pela Universidade de Brasília (UnB). A graduação em Direito foi na Faculdade de Direito de Bauru (SP).

Mendonça também foi pesquisador e professor visitante na Universidade de Stetson, nos Estados Unidos, entre 2015 e 2016. Atualmente, ele é professor do programa de Doutorado em Estado de Direito e Governança Global da Universidade de Salamanca.

Além de André Mendonça para o posto de ministro da Justiça e Segurança Pública, Jair Bolsonaro confirmou ainda o nome de Alexandre Ramagem, atual diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), para o cargo de diretor-geral da Polícia Federal.

Para o cargo de Advogado-Geral da União, no lugar de Mendonça, o presidente nomeou Jose Levi Mello do Amaral.

Reportagem, Marquezan Araújo