Menu

Confiança de Serviços e do Comércio avançam em dezembro, aponta FGV

Para especialista, o cenário macroeconômico é positivo para os dois setores graças ao controle da inflação, à queda nas taxas de juros e a liberação do FGTS

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getúlio Vargas, subiu 1,1 ponto em dezembro, e atingiu 96,1 pontos. Este foi o maior nível desde fevereiro de 2019, quando chegou a 96,5.

Segundo o coordenador da Sondagens do Comércio e de Investimento da FGV IBRE, Rodolpho Tobler, o otimismo na percepção dos empresários do setor se deu graças às melhoras nos indicadores econômicos, principalmente a partir do segundo semestre.

“A gente tem percebido que os dois indicadores que compõe a Confiança de Serviços avançaram agora em dezembro e tem mostrado uma trajetória ascendente nos últimos meses - tanto o indicador que mede a situação atual, quanto o indicador de expectativas. Então, o empresário de Serviços tem mostrado que o ritmo de volume de Serviços tem aumentado mês a mês, e também eles começam agora o ano de 2020 com boas perspectivas de uma manutenção dessa recuperação”, disse.

Ainda segundo a FGV, o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) subiu 0,3 ponto em dezembro, ao passar de 97,8 para 98,1 pontos. De acordo com Rodolpho Tobler, apesar do salto no indicador, o empresariado do setor ainda se mostram cautelosos.

“O que a gente percebe é que o empresário do Comércio ainda tem uma certa cautela, talvez por ter se animado demais no ano passado; agora ele tem uma certa cautela com esse otimismo exagerado, mas tem percebido que o ritmo de vendas tem se mostrado favorável neste terceiro e quarto trimestre”, conta.

O especialista destaca que tanto para Serviços como para Comércio, o cenário macroeconômico é positivo, com inflação controlada, com taxas de juros reduzidas, além de o brasileiro ter tido a liberação do FGTS, que estimulou mais as vendas neste final de ano.
 

Cintia Moreira

Em uma de suas experiências profissionais ganhou um prêmio jornalístico e jura que não tem pautas de preferência. Sua única preferência é que tenham pautas.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

LOC.: O Índice de Confiança de Serviços (ICS), da Fundação Getúlio Vargas, subiu 1,1 ponto em dezembro, e atingiu 96,1 pontos. Este foi o maior nível desde fevereiro de 2019, quando chegou a 96,5.

Segundo o coordenador da Sondagens do Comércio e de Investimento da FGV IBRE, Rodolpho Tobler, o otimismo na percepção dos empresários do setor se deu graças às melhoras nos indicadores econômicos, principalmente a partir do segundo semestre.
 

TEC./SONORA: Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagens do Comércio e de Investimento do FGV IBRE.

“A gente tem percebido que os dois indicadores que compõe a Confiança de Serviços avançaram agora em dezembro e tem mostrado uma trajetória ascendente nos últimos meses - tanto o indicador que mede a situação atual, quanto o indicador de expectativas. Então, o empresário de Serviços tem mostrado que o ritmo de volume de Serviços tem aumentado mês a mês, e também eles começam agora o ano de 2020 com boas perspectivas de uma manutenção dessa recuperação.”
 

LOC.: Ainda segundo a FGV, o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) subiu 0,3 ponto em dezembro, ao passar de 97,8 para 98,1 pontos. De acordo com Rodolpho Tobler, apesar do salto no indicador, o empresariado do setor ainda se mostram cautelosos.

TEC./SONORA: Rodolpho Tobler, coordenador da Sondagens do Comércio e de Investimento do FGV IBRE.

“O que a gente percebe é que o empresário do Comércio ainda tem uma certa cautela, talvez por ter se animado demais no ano passado; agora ele tem uma certa cautela com esse otimismo exagerado, mas tem percebido que o ritmo de vendas tem se mostrado favorável neste terceiro e quarto trimestre.”
 

LOC.: O especialista destaca que tanto para Serviços como para Comércio, o cenário macroeconômico é positivo, com inflação controlada, com taxas de juros reduzidas, além de o brasileiro ter tido a liberação do FGTS, que estimulou mais as vendas neste final de ano.

Reportagem, Cintia Moreira