Menu

CPI do BNDES votará parecer de relator nesta terça-feira(15)

Comissão investiga denúncias de atos ilícitos praticados na empresa entre 2003 e 2015. Relator do grupo, deputado federal Altineu Côrtes (PL-RJ), recomenda indiciamento dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, e de mais 62 pessoas

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: EBC

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do BNDES vai se reunir, nesta terça-feira (15), para discutir e votar o parecer do relator, deputado Altineu Côrtes (PL-RJ), apresentado na semana passada.

No texto, o parlamentar recomendou ao Ministério Público o aprofundamento das investigações e o indiciamento de 64 pessoas. Entre elas estão os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff; 15 ex-ministros desses dois governos que participaram do conselho da Câmara de Comércio Exterior, a Camex; dois ex-presidentes, diretores e técnicos do BNDES; diretores e técnicos de órgãos públicos de comércio exterior; além de controladores e executivos da Odebrecht, JBS e Bertin.

Na semana passada, Côrtes disse que o resultado apresentado se orientou por critérios técnicos.

“Eu nunca quis trazer para essa CPI nenhuma coloração política, não faço nenhum indiciamento com gosto pessoal. É apenas um trabalho técnico que foi feito, de pessoas que estavam envolvidas nas suas funções políticas, operacionais e empresários que participaram dessa operação”, disse o parlamentar.

Essa CPI foi instalada em março deste ano para investigar a prática de atos ilícitos e irregulares no âmbito do BNDES entre os anos de 2003 e 2015 e relacionados à internacionalização de empresas brasileiras. O texto destaca os negócios com os grupos Odebrecht e J&F devido aos montantes envolvidos.

Segundo o relator, é possível recuperar recursos que teriam sido desviados, mas ele foi pessimista quanto à Odebrecht, que recebeu apoio do BNDES para obras já concluídas em Cuba e na Venezuela e está em recuperação judicial. No relatório, as obras da empreiteira no exterior são associadas a viagens de Lula.

Por outro lado, Côrtes estimou que o grupo J&F, que controla o frigorífico JBS, deveria devolver R$ 25 bilhões devido a irregularidades na aquisição do frigorífico Bertin. A operação integrou iniciativa do BNDES em apoio de grupos brasileiros que competem no exterior e ficaram conhecidos como “campeões nacionais”.

A reunião desta terça-feira (15) está prevista para ocorrer às 14h30, no plenário 7 da Câmara dos Deputados.
 

Cintia Moreira

Com 3 anos de formação, Cintia sempre optou pelo radiojornalismo. Em uma de suas experiências profissionais ganhou um prêmio jornalístico e jura que não tem pautas de preferência. Sua única preferência é que tenham pautas.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do BNDES vai se reunir, nesta terça-feira (15), para discutir e votar o parecer do relator, deputado Altineu Côrtes (PL-RJ), apresentado na semana passada.

No texto, o parlamentar recomendou ao Ministério Público o aprofundamento das investigações e o indiciamento de 64 pessoas. Entre elas estão os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff; 15 ex-ministros desses dois governos que participaram do conselho da Câmara de Comércio Exterior, a Camex; dois ex-presidentes, diretores e técnicos do BNDES; diretores e técnicos de órgãos públicos de comércio exterior; além de controladores e executivos da Odebrecht, JBS e Bertin.

Na semana passada, Côrtes disse que o resultado apresentado se orientou por critérios técnicos.
 

“Eu nunca quis trazer para essa CPI nenhuma coloração política, não faço nenhum indiciamento com gosto pessoal. É apenas um trabalho técnico que foi feito, de pessoas que estavam envolvidas nas suas funções políticas, operacionais e empresários que participaram dessa operação.”

Essa CPI foi instalada em março deste ano para investigar a prática de atos ilícitos e irregulares no âmbito do BNDES entre os anos de 2003 e 2015 e relacionados à internacionalização de empresas brasileiras. O texto destaca os negócios com os grupos Odebrecht e J&F devido aos montantes envolvidos.

Segundo o relator, é possível recuperar recursos que teriam sido desviados, mas ele foi pessimista quanto à Odebrecht, que recebeu apoio do BNDES para obras já concluídas em Cuba e na Venezuela e está em recuperação judicial. No relatório, as obras da empreiteira no exterior são associadas a viagens de Lula.

Por outro lado, Côrtes estimou que o grupo J&F, que controla o frigorífico JBS, deveria devolver R$ 25 bilhões devido a irregularidades na aquisição do frigorífico Bertin. A operação integrou iniciativa do BNDES em apoio de grupos brasileiros que competem no exterior e ficaram conhecidos como “campeões nacionais”.

A reunião desta terça-feira (15) está prevista para ocorrer às 14h30, no plenário 7 da Câmara dos Deputados.

Com informações da Agência Câmara Notícias, reportagem, Cintia Moreira