Menu

CUIABÁ: Mesmo sem carnaval, Secretaria de Saúde da capital vai distribuir quase 600 mil preservativos

Os homens ainda são maioria entre os que vivem com HIV ou aids em Mato Grosso. Em 2018, foram registrados 707 casos de pessoas que vivem com o vírus no estado. 458 deles foram diagnosticados em homens

Banners
Foto: Presidência da República

Em 2019, ano em que completa 300 anos, Cuiabá não terá festas de carnaval. Isso porque a prefeitura da cidade informou que não há dinheiro em caixa. Em vez de desfilarem na próxima semana, as escolas de samba locais vão se apresentar na festa de aniversário de Cuiabá, em 8 de abril. Mesmo sem a tradicional folia, a Secretaria Municipal de Saúde vai distribuir mais de 597 mil preservativos durante o feriado. 

As camisinhas vão ser entregues a população nas Unidades Básicas de Saúde, consultórios itinerantes e de rua e em empresas privadas. O insumo também poderá ser retirado pela população em parques com grande movimentação de pessoas, como o Tia Nair e o Parque das Águas, e em rodovias de grande fluxo que levam a municípios vizinhos que terão carnaval de rua.

A coordenadora municipal do Programa IST/Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Saúde de Cuiabá, Mariella Padilha, alerta sobre a importância do uso de preservativo para evitar a exposição ao HIV e as outras infecções sexualmente transmissíveis (IST).

“No carnaval, as pessoas acabam agindo pela emoção e não com a razão. Então, tem que usar camisinha, especialmente entre os jovens, porque a gente tem um crescimento muito grande da infecção entre eles”, afirma. 

O aposentado Sandro Rosa, tem 51 anos e reside em Cuiabá. Vivendo com HIV desde 1990, ele relembra o sofrimento com a medicação na época do diagnóstico. Hoje em dia, com a evolução dos remédios, Sandro ressalta a importância do tratamento na sua vida.

“Eram em torno de 15 comprimidos, no total, no dia. Só que eu tomava o comprimido, me alimentava e meia hora depois, no máximo, eu vomitava tudo. Aí trocou a medicação. Três vezes por dia, ainda, mas aí eu já me dei bem”, disse.  

Os homens ainda são maioria entre os que vivem com HIV ou aids em Mato Grosso. Em 2018, foram registrados 707 casos de pessoas que vivem com o vírus no estado. 458 deles foram diagnosticados em homens. Em relação à aids, são 647 registros, 426 deles em pessoas do sexo masculino. 

Em caso de dúvidas, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. E neste carnaval, não se esqueça: escolha a maneira mais simples de se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.
 


Comente...

Cadastre-se

LOC.: Em 2019, ano em que completa 300 anos, Cuiabá não terá festas de carnaval. Isso porque a prefeitura da cidade informou que não há dinheiro em caixa. Em vez de desfilarem na próxima semana, as escolas de samba locais vão se apresentar na festa de aniversário de Cuiabá, em 8 de abril. Mesmo sem a tradicional folia, a Secretaria Municipal de Saúde vai distribuir mais de 597 mil preservativos durante o feriado. 

As camisinhas vão ser entregues a população nas Unidades Básicas de Saúde, consultórios itinerantes e de rua e em empresas privadas. O insumo também poderá ser retirado pela população em parques com grande movimentação de pessoas, como o Tia Nair e o Parque das Águas, e em rodovias de grande fluxo que levam a municípios vizinhos que terão carnaval de rua.

A coordenadora municipal do Programa IST/Aids e Hepatites Virais da Secretaria de Saúde de Cuiabá, Mariella Padilha, alerta sobre a importância do uso de preservativo para evitar a exposição ao HIV e as outras infecções sexualmente transmissíveis (IST).

TEC./SONORA: Mariella Padilha, coordenadora do programa IST/Aids e Hepatites Virais de Cuiabá 
 

“No carnaval, as pessoas acabam agindo pela emoção e não com a razão. Então, tem que usar camisinha, especialmente entre os jovens, porque a gente tem um crescimento muito grande da infecção entre eles.”

LOC.: O aposentado Sandro Rosa, tem 51 anos e reside em Cuiabá. Vivendo com HIV desde 1990, ele relembra o sofrimento com a medicação na época do diagnóstico. Hoje em dia, com a evolução dos remédios, Sandro ressalta a importância do tratamento na sua vida.

TEC./SONORA: Sandro Rosa, aposentado, 51 anos
 

“Eram em torno de 15 comprimidos, no total, no dia. Só que eu tomava o comprimido, me alimentava e meia hora depois, no máximo, eu vomitava tudo. Aí trocou a medicação. Três vezes por dia, ainda, mas aí eu já me dei bem.” 

LOC.: Os homens ainda são maioria entre os que vivem com HIV ou aids em Mato Grosso. Em 2018, foram registrados 707 casos de pessoas que vivem com o vírus no estado. 458 deles foram diagnosticados em homens. Em relação à aids, são 647 registros, 426 deles em pessoas do sexo masculino. 

Em caso de dúvidas, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. E neste carnaval, não se esqueça: escolha a maneira mais simples de se proteger e curta a folia com segurança. O importante é não se descuidar. Pare, pense e use camisinha. Conheça todas as formas de prevenção em aids.gov.br. Ministério da Saúde. Governo Federal. Pátria Amada Brasil.