Menu

DF: Dia D da Semana Mundial de Aleitamento Materno ocorre neste domingo (4), no Parque da Cidade

A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde, até os dois anos ou mais

Banners
Foto: Ministério da Saúde

Moradora de Sobradinho, a designer gráfico Thaíssa Mendes Nobre, de 30 anos, trouxe ao mundo Aurora. A pequena está com seis meses e já pesa oito quilos – resultado da amamentação exclusiva, que tem sido essencial para nutrir e desenvolver os principais sentidos da bebê. A mamãe Thaíssa conta que, após o parto normal, o leite saiu dos seios com muita facilidade, o que ajudou no rápido crescimento de Aurora. 

“Comparando com amigas minhas que não conseguiram amamentar, a diferença no desenvolvimento é gritante, absurda. O ganho de peso, questão de saúde, disposição do neném, crescimento, o desenvolvimento no geral.”

A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde, até os dois anos ou mais, sendo nos primeiros seis meses somente o leite do peito. A amamentação ajuda a desenvolver a fala, a dentição e até a inteligência da criança. A Coordenadora do Banco de Leite Humano de referência no DF, Aline Silvestre, explica porque o leite materno é tão necessário. 

“O leite materno é específico para o ser humano. Ele contém todas as propriedades necessárias que o bebê precisa. A quantidade específica de gordura, proteínas, água, sais minerais. O aleitamento materno contribui para o desenvolvimento do bebê. Há estudos que mostram que bebês que mamam no peito são mais saudáveis e mais inteligentes.”

O aleitamento materno, segundo o Ministério da Saúde, é a única estratégia que, sozinha, pode reduzir em até 13% as mortes de crianças de até cinco anos por causas evitáveis. Além disso, é a forma mais econômica de protege os bebês de diarreias e infecções. É o que explica Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. 

“O leite humano também traz componentes que favorecem o desenvolvimento imunológico da criança. Quando ela nasce, o sistema imunológico dela não está todo formado. Ele se forma ao longo da primeira infância, principalmente nos dois primeiros anos, e o leite humano contribui para essa imunidade.”

De primeiro a sete de agosto é celebrada a Semana Mundial de Aleitamento Materno. No Distrito Federal, a programação principal será no domingo, quatro de agosto, no estacionamento 12 do Parque da Cidade. Além de um “mamaço”, o local terá tendas de orientação em saúde, presença de personagens infantis, oficina de massagem em bebês (shantala) e distribuição de brindes. O evento será das nove da manhã às quatro da tarde. A programação completa pode ser acessada em agenciabrasilia.df.gov.br.

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mamães que você conhece para o aleitamento materno com os seus bebês. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br. 

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Moradora de Sobradinho, a designer gráfico Thaíssa Mendes Nobre, de 30 anos, trouxe ao mundo Aurora. A pequena está com seis meses e já pesa oito quilos – resultado da amamentação exclusiva, que tem sido essencial para nutrir e desenvolver os principais sentidos da bebê. A mamãe Thaíssa conta que, após o parto normal, o leite saiu dos seios com muita facilidade, o que ajudou no rápido crescimento de Aurora. 

TEC./SONORA: Thaíssa Mendes Nobre, 30 anos, designer gráfico. 

“Comparando com amigas minhas que não conseguiram amamentar, a diferença no desenvolvimento é gritante, absurda. O ganho de peso, questão de saúde, disposição do neném, crescimento, o desenvolvimento no geral.”

LOC.: A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde, até os dois anos ou mais, sendo nos primeiros seis meses somente o leite do peito. A amamentação ajuda a desenvolver a fala, a dentição e até a inteligência da criança. A Coordenadora do Banco de Leite Humano de referência no DF, Aline Silvestre, explica porque o leite materno é tão necessário. 

TEC./SONORA: Aline Silvestre, coordenadora Banco de Leite Humano do Hospital Regional de Taguatinga. 

“O leite materno é específico para o ser humano. Ele contém todas as propriedades necessárias que o bebê precisa. A quantidade específica de gordura, proteínas, água, sais minerais. O aleitamento materno contribui para o desenvolvimento do bebê. Há estudos que mostram que bebês que mamam no peito são mais saudáveis e mais inteligentes.”

LOC.: O aleitamento materno, segundo o Ministério da Saúde, é a única estratégia que, sozinha, pode reduzir em até 13% as mortes de crianças de até cinco anos por causas evitáveis. Além disso, é a forma mais econômica de protege os bebês de diarreias e infecções. É o que explica Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. 


TEC./SONORA: Miriam Santos, coordenadora das políticas de Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde do Distrito Federal. 

“O leite humano também traz componentes que favorecem o desenvolvimento imunológico da criança. Quando ela nasce, o sistema imunológico dela não está todo formado. Ele se forma ao longo da primeira infância, principalmente nos dois primeiros anos, e o leite humano contribui para essa imunidade.”

LOC.: De primeiro a sete de agosto é celebrada a Semana Mundial de Aleitamento Materno. No Distrito Federal, a programação principal será no domingo, quatro de agosto, no estacionamento 12 do Parque da Cidade. Além de um “mamaço”, o local terá tendas de orientação em saúde, presença de personagens infantis, oficina de massagem em bebês (shantala) e distribuição de brindes. O evento será das nove da manhã às quatro da tarde. A programação completa pode ser acessada em agenciabrasilia.df.gov.br.

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mamães que você conhece para o aleitamento materno com os seus bebês. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br.