Menu

DF: Jovens vão representar Brasil na WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo

Torneio será disputado na Rússia nesta semana e reúne competidores de mais de 60 países

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Arquivo Pessoal

Lucas Maciel, de 21 anos, será um dos 63 representantes do Brasil na WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo. Ele é morador de Ceilândia e já estudou na unidade do SENAI de Taguatinga, onde fez o curso de Polidor Automotivo.

O jovem será o representante do Brasil na modalidade Funilaria Automotiva, que consiste no reparo de peças da lataria de um veículo. “Em Brasília, nós chamamos de lanternagem. Em outros estados, é funilaria ou chapelador, que é o reparo de um carro batido. Bateu o carro, são três etapas de conserto: mecânica, funilaria e pintura. No torneio, minha prova envolverá somente a lanternagem. Não terá mecânica e pintura”, explica.
Em Kazan, Lucas vai competir em seis módulos, em que serão cobradas técnicas de diagnóstico e reparo de peças da funilaria de um carro modelo EcoSport, do ano 2019.

O estudante integra a delegação brasileira que disputa o torneio na Rússia a partir desta semana e se junta a estudantes de 11 estados. Além dele, outros dois moradores do DF fazem parte do grupo. Luan Silva Braga compete na modalidade Sistema em Drywall e Estucagem, e João Victor dos Anjos Oliveira, na de Movelaria.

Foto: Arquivo Pessoal

Conheça os outros participantes

Preparação

Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade.

Após o período de treinamento, toda a delegação brasileira se reuniu em Brasília para uma imersão, que contou com diversas atividades como palestras e jogos interativos.

O líder de equipe da delegação brasileira na WorldSkills, Marcelo Mendonça, conta que a adaptação é fundamental para o sucesso dos estudantes no torneio. “Tivemos encontro de toda delegação, de competidores, para eles se integrarem, todos juntos, porque essa integração passa uma segurança maior, mostram que eles não estão sozinhos, estão com uma equipe”, ressalta Mendonça.

A competição

Realizada a cada dois anos, a WorldSkills é a maior competição de educação profissional do mundo. Neste ano, o torneio será disputado entre os dias 22 e 27 de agosto em Kazan, na Rússia. Jovens de até 25 anos de países das Américas, Europa, Ásia, África e Pacífico Sul disputam modalidades relacionadas a profissões técnicas da indústria e do setor de serviços. Os competidores precisam demonstrar habilidades individuais e coletivas para responder aos desafios de suas ocupações dentro de padrões internacionais de qualidade.

A melhor participação brasileira na história do campeonato foi em São Paulo, em 2015, com 27 medalhas conquistadas, resultado que rendeu o 1º lugar geral. Em 2017, em Abu Dhabi, a delegação manteve o país no pódio, quando terminou em segundo lugar geral com 15 medalhas.   
 

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: Lucas Maciel, de 21 anos, será um dos 63 representantes do Brasil na WorldSkills, maior competição de educação profissional do mundo. Ele é morador de Ceilândia e já estudou na unidade do SENAI de Taguatinga, onde fez o curso de Polidor Automotivo.

O jovem será o representante do Brasil na modalidade Funilaria Automotiva, que consiste no reparo de peças da lataria de um veículo.

TEC./SONORA: Lucas Maciel, estudante
 

“Em Brasília, nós chamamos de lanternagem. Em outros estados é funilaria ou chapelador, que é o reparo de um carro batido. Bateu o carro, são três etapas de conserto: mecânica, funilaria e pintura. No torneio, minha prova envolverá somente a lanternagem. Não terá mecânica e pintura.”

LOC.: Em Kazan, Lucas vai competir em seis módulos, em que serão cobradas técnicas de diagnóstico e reparo de peças da funilaria de um carro modelo EcoSport, do ano 2019.

Lucas integra a delegação brasileira que disputa o torneio na Rússia a partir desta quinta-feira (22) e se junta a estudantes de 11 estados. Além dele, outros dois moradores do DF fazem parte do grupo: Luan Silva Braga compete na modalidade Sistema em Drywall e Estucagem, e João Victor dos Anjos Oliveira, na de Movelaria.

Os jovens que vão representar o Brasil em Kazan passaram por treinamento que começou em janeiro e durou seis meses. Todos os integrantes realizaram atividades voltadas para a preparação física, técnica e emocional, de acordo com sua modalidade. 

O líder de equipe da delegação brasileira na WorldSkills, Marcelo Mendonça, conta que a adaptação é fundamental para o sucesso dos estudantes no torneio.

TEC./SONORA: Marcelo Mendonça, líder de equipe da delegação brasileira na WorldSkills
 

“Tivemos encontro de toda delegação, de competidores, para eles se integrarem, todos juntos, porque essa integração passa uma segurança maior, mostram que eles não estão sozinhos, estão com uma equipe.”

LOC.: A WorldSkills é realizada a cada dois anos e reúne os melhores alunos de países das Américas, Europa, Ásia e África e Pacífico Sul para disputa de medalhas em diferentes modalidades, de acordo com as profissões técnicas da indústria e do setor de serviços.

Os jovens demonstrarão habilidades individuais e coletivas para concluírem os desafios de suas ocupações. Em 18 participações, o Brasil acumula 136 medalhas. A melhor participação brasileira na história foi em São Paulo, em 2015. Com 27 medalhas, a equipe ficou em primeiro no ranking por países.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes