Menu

DIVERSÃO EM PAUTA: "Corgi: Top Dog" chega aos cinemas com proposta de filme infantil, mas com sátiras e piadas de duplo sentido para entreter adultos

Filme chega aos cinemas brasileiros no próximo dia 5

Banners

Rex é um corgi que leva uma vida de luxo como o cachorro favorito da Rainha Elizabeth. Acostumado a estar cercado de cuidados e pelos muros do Palácio, o filhote precisa encontrar o caminho de casa após se perder pelas ruas de Londres. O que Rex não esperava, era que essa jornada o faria conhecer um outro lado da vida. É assim que a animação “Corgi: Top Dog” se apresenta inicialmente.

Apesar de divertir em alguns momentos, o filme possui um roteiro previsível e só ganha individualidade à medida que uma grande quantidade de sátiras vão sendo inseridas na estória. Justamente por este motivo, a animação vai revelando uma narrativa repleta de piadas adultas que, dependendo do ponto de vista, podem se tornar problemáticas.

O protagonista Rex demora a ganhar a empatia do espectador, mas a sua personalidade inicial é totalmente compreensível levando em consideração a forma e o contexto em que o cachorro foi criado. Aos poucos, a sua jornada de autoconhecimento vai fazendo o corgi desenvolver o seu amadurecimento.

Por outro lado, alguns personagens secundários se destacam desde a sua primeira aparição na tela, como Jack, um vira-lata hiperativo que mora em um canil da cidade, e que irá se tornar um verdadeiro amigo para Rex.

Porém, o maior ponto positivo da animação se dá completamente por sua ambientação. “Corgi: Top Dog” não teria nenhuma singularidade se não fosse pelo fato da história se passar na Inglaterra e dentro da residência Real, o Palácio de Buckingham. Os efeitos gráficos feitos para representar grandes nomes como a Rainha Elizabeth, o Príncipe Phillip e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ficaram impecáveis e tornam o filme bem mais agradável e divertido de assistir.

Por fim, está enganado quem pensa que a estória do corgi Rex pode ser vista apenas como um filme infantil. Apesar do visual e das características que lembram animações de outros estúdios, em alguns momentos, “Corgi: Top Dog” consegue muito bem encaixar sátiras e piadas de duplo sentido destinadas completamente aos adultos.

O filme chega aos cinemas brasileiros na próxima semana, dia 5 de setembro.

Reportagem, Poliana Fontenele

Poliana Fontenele



Cadastre-se

Rex é um corgi que leva uma vida de luxo como o cachorro favorito da Rainha Elizabeth. Acostumado a estar cercado de cuidados e pelos muros do Palácio, o filhote precisa encontrar o caminho de casa após se perder pelas ruas de Londres. O que Rex não esperava, era que essa jornada o faria conhecer um outro lado da vida. É assim que a animação “Corgi: Top Dog” se apresenta inicialmente.

Apesar de divertir em alguns momentos, o filme possui um roteiro previsível e só ganha individualidade à medida que uma grande quantidade de sátiras vão sendo inseridas na estória. Justamente por este motivo, a animação vai revelando uma narrativa repleta de piadas adultas que, dependendo do ponto de vista, podem se tornar problemáticas.

O protagonista Rex demora a ganhar a empatia do espectador, mas a sua personalidade inicial é totalmente compreensível levando em consideração a forma e o contexto em que o cachorro foi criado. Aos poucos, a sua jornada de autoconhecimento vai fazendo o corgi desenvolver o seu amadurecimento.

Por outro lado, alguns personagens secundários se destacam desde a sua primeira aparição na tela, como Jack, um vira-lata hiperativo que mora em um canil da cidade, e que irá se tornar um verdadeiro amigo para Rex.

Porém, o maior ponto positivo da animação se dá completamente por sua ambientação. “Corgi: Top Dog” não teria nenhuma singularidade se não fosse pelo fato da história se passar na Inglaterra e dentro da residência Real, o Palácio de Buckingham. Os efeitos gráficos feitos para representar grandes nomes como a Rainha Elizabeth, o Príncipe Phillip e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ficaram impecáveis e tornam o filme bem mais agradável e divertido de assistir.

Por fim, está enganado quem pensa que a estória do corgi Rex pode ser vista apenas como um filme infantil. Apesar do visual e das características que lembram animações de outros estúdios, em alguns momentos, “Corgi: Top Dog” consegue muito bem encaixar sátiras e piadas de duplo sentido destinadas completamente aos adultos.

O filme chega aos cinemas brasileiros na próxima semana, dia 5 de setembro.

Reportagem, Poliana Fontenele