Menu

DIVERSÃO EM PAUTA: Filme "Tolkien" rememora história de vida do criador de O Hobbit e Senhor dos Anéis

Longa estreia nesta quinta-feira, 23 de maio, nos cinemas

Banners

Recuando no passado até onde se pode, a cinebiografia de J. R. R. Tolkien, interpretado por Nicholas Hoult, acompanha a sua jornada desde a infância. O escritor e poeta ficou muito conhecido pela criação dos clássicos "O Hobbit" e "Senhor dos Anéis" e, agora, emociona com sua trajetória nas telonas.

A direção de Dome Karukoski decidiu centrar boa parte do filme na juventude de Tolkien. Neste grande ato, o jovem perde sua mãe, encontra amizades leais e o amor. É já na juventude, também, que começa seu mergulho profundo pelas inspirações artísticas.

Quando Ronald conhece Edith Bratt, interpretada por Lily Collins, e constrói sua própria sociedade de literatura, formada por Robert Gilson, Geoffrey Smith e Christopher Wiseman ,ele encara dois desafios importantes. Por um lado, Edith traz o amor e as dificuldades das relações; por outro, a lealdade que recebe dos amigos intensificam o sonho de poder mudar o mundo através da arte.

O ápice do filme acontece quando a Primeira Guerra Mundial culmina na Europa, em 1914. O escritor inglês se percebe no meio do caos, ao ver os sonhos dos integrantes da sua sociedade literária - e que também eram seus melhores amigos - serem brutalmente destruídos pela Guerra.

É realmente incrível notar, no filme, como o diretor conseguiu criar um cenário em que o público se vê na imaginação de Tolkien. Um momento muito interessante é quando, em meio ao cenário de guerra sangrenta e desesperadora, Tolkien se vê doente e ciente da morte de seus amigos.
Nessa cena, as fantasias do escritor vão se intensificando até que ganham forma reais. É neste momento que vemos indícios dos conflitos presentes em O Senhor dos Anéis e percebemos com a mente de Tolkien funciona.

Apesar de parte do filme acontecer em um cenário de guerra, a fotografia foi elaborada de um jeito leve e o filme é muito emocionante. Esta cinebiografia exalta perfeitamente os sentimentos pessoais de Tolkien, a sua proximidade com as pessoas que amava, seus momentos intensos de criatividade e, por fim, o maior enigma desta trama: “Num buraco no chão vivia um”... Bom, não vamos contar! Vale a pena assistir o filme para conferir!

Isabella França

Isabella descobriu ainda na faculdade seu talento para locução. Com a ajuda de uma professora aprimorou suas técnicas e hoje tem uma das vozes mais marcantes da Agência do Rádio. Amante das pautas mais distantes de seu cotidiano, Isa gosta de se desafiar enquanto finaliza seu curso de jornalismo.


Cadastre-se