Menu

DIVERSÃO EM PAUTA: Representante do Brasil no Oscar 2020, “A Vida Invisível” conta drama da separação de duas irmãs nos anos 1950

O filme teve sessão cheia no Festival de Cinema de Cannes, em maio deste ano.

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira (21), estreia nos cinemas de todo o Brasil “A Vida Invisível”. O filme é um dos mais aguardados do ano e foi o escolhido pela Academia Brasileira de Cinema para representar o país na disputa por uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar de 2020.

O longa é inspirado no livro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha, e apresenta a história de duas irmãs que são separadas cruelmente no Rio de Janeiro, dos anos 1950. Guida e Eurídice seguem suas vidas, mas nunca esquecem uma da outra e lutam para tentar se reencontrar um dia.

Além de ser uma trama sensível sobre irmandade, o filme também mostra as dificuldades de ser mulher nas décadas de 50 e 60, no Brasil. Através de Eurídice, que sonhava em ser uma grande pianista, vemos como é difícil e frustrante ser invisível diante de uma sociedade patriarcal.

O drama conta com Carol Duarte, Julia Stockler e Gregório Duvivier no elenco. Mas, a estrela principal, com certeza, é Fernanda Montenegro, que não tem muito tempo de tela e, mesmo assim, consegue trazer uma onda de emoção que só uma atriz com tamanha experiência conseguiria.

Confira aqui a entrevista exclusiva de Karim Ainouz concedida à Agência do Rádio Mais

Dirigido pelo cearense Karim Ainouz, “A Vida Invisível” havia conquistado os críticos de diversos países antes mesmo de ser escolhido como nosso representante no Oscar. O filme teve sessão cheia no Festival de Cinema de Cannes, em maio deste ano, e levou o prêmio Um Certo Olhar, o segundo mais importante do festival.

Confira “A Vida Invisível” nos cinemas a partir de 21 de novembro.

Larissa Lago



Conteúdos relacionados

Cadastre-se

LOC.: Nesta quinta-feira (21), estreia nos cinemas de todo o Brasil “A Vida Invisível”. O filme é um dos mais aguardados do ano e foi o escolhido pela Academia Brasileira de Cinema para representar o país na disputa por uma vaga na categoria de Melhor Filme Estrangeiro no Oscar de 2020.

O longa é inspirado no livro “A Vida Invisível de Eurídice Gusmão”, de Martha Batalha, e apresenta a história de duas irmãs que são separadas cruelmente no Rio de Janeiro, dos anos 1950. Guida e Eurídice seguem suas vidas, mas nunca esquecem uma da outra e lutam para tentar se reencontrar um dia.

Além de ser uma trama sensível sobre irmandade, o filme também mostra as dificuldades de ser mulher nas décadas de 50 e 60, no Brasil. Através de Eurídice, que sonhava em ser uma grande pianista, vemos como é difícil e frustrante ser invisível diante de uma sociedade patriarcal.

O drama conta com Carol Duarte, Julia Stockler e Gregório Duvivier no elenco. Mas, a estrela principal, com certeza, é Fernanda Montenegro, que não tem muito tempo de tela e, mesmo assim, consegue trazer uma onda de emoção que só uma atriz com tamanha experiência conseguiria.

Dirigido pelo cearense Karim Ainouz, “A Vida Invisível” havia conquistado os críticos de diversos países antes mesmo de ser escolhido como nosso representante no Oscar. O filme teve sessão cheia no Festival de Cinema de Cannes, em maio deste ano, e levou o prêmio Um Certo Olhar, o segundo mais importante do festival.

Confira “A Vida Invisível” nos cinemas a partir de 21 de novembro.

Reportagem, Larissa Lago