Menu

Diversidade x desigualdade: municípios da Amazônia Legal atuam na luta pelos direitos de crianças e adolescentes com Selo UNICEF

Nove estados pertencem à região que tem histórico de desigualdade social e de diversidade de povos e raças; prefeituras participam de ações do Selo para resgatar políticas públicas voltadas para público mais vulnerável – crianças e adolescentes

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners

Em mais de 8,5 milhões de quilômetros quadrados de extensão do Brasil, a Amazônia Legal corresponde a 60% desse território. Povos indígenas, ribeirinhos, quilombolas e migrantes dividem espaço nos centros urbanos e rurais da região de florestas tropicais e berço de 20% de toda a água doce do planeta Terra. São 27,7 milhões de pessoas vivendo nos nove estados que compõem a região – Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. Desse total, mais de nove milhões são de crianças e adolescentes que esperam ter seus direitos reconhecidos.
 
O Norte ainda lida com preconceitos e estigmas em torno de sua cultura, que muitas vezes é reduzida a “pulmão do mundo”. E isso pode afetar, inclusive, na promoção de ações efetivas para ajudar a população. “Hoje, existem dados de educação, de saúde, de pobreza, uma série de dados multidimensionais de uma forma geral. Mas não existem dados específicos para essa região em relação à violência, por exemplo. Sabemos que são preocupantes, mas não há nada concreto”, lamenta a especialista em Proteção à Criança do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para a Amazônia Legal, Débora Madeira.

Saiba mais: “Cuidar da criança nos primeiros anos de vida é vital”, afirma especialista do UNICEF sobre primeira infância
 
Segundo um estudo produzido pelo UNICEF, as crianças na Amazônia têm mais risco de morrer antes de completarem um ano de idade. Além disso, a chance de elas não completarem o ensino fundamental também é grande, se comparado a crianças de outras regiões. Alguns fatores podem contribuir para esse índice, como situações de vulnerabilidade, trabalho infantil, exploração sexual e homicídio.
 

 
Débora chama a atenção também para a migração para o Brasil de famílias e de jovens dos países vizinhos – a maioria feita pelo Norte. O assédio das facções de crime organizado a essa juventude é um fator que tem causado preocupação. “Sabemos que os jovens que vêm para cá não conseguem oportunidades de escola, trabalho. Eles ficam ‘sem fazer nada’ e em uma situação extremamente vulnerável, até mais que os jovens locais. E é aí que eles são seduzidos e entram para o mundo do crime, pois é um caminho mais fácil”, diz.
 
Vulnerabilidade
A situação vulnerável dos habitantes da região também é um fator que pode dificultar a ação de políticas públicas para crianças e adolescentes. Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) apontam que, nos nove estados da Amazônia Legal, cerca de 43% das crianças e dos adolescentes vivem em domicílios com renda per capita insuficiente para comprar uma cesta básica – a média nacional é de 34,3%.
 
O Pará, por exemplo, é o que mais concentra menores de 4 a 17 anos sem educação. O índice de 31,7% é bem superior à média brasileira, que ficou em 20,3% em 2015. Saneamento básico foi um dos itens de maior deficiência na região. Quase 90% da população de até 17 anos de idade no Amapá não tinha acesso ao serviço – no Brasil, a média ficou abaixo de 25%.
 
Saiba mais: Selo UNICEF garante “volta ao mapa” de município após ações bem-sucedidas em educação
 
O acesso à informação por jovens de 10 a 17 anos é outro item da lista. Amazonas, Acre e Maranhão tinham entre 49% e 57,1% de adolescentes sem esse direito. A oficial de Participação de Adolescentes do UNICEF para a Amazônia Legal, Joana Fontoura, acredita que fornecer à juventude informações mais qualificadas pode ajudar no exercício da cidadania e na prevenção em relação à saúde sexual, por exemplo.
 
“O que a gente percebe é que eles têm acesso à informação, à internet, às redes sociais, mas é preciso que eles saibam, de fato, como funciona o organismo deles, como funciona o ciclo menstrual, por exemplo, até para evitar uma gravidez indesejada ou ISTs.”
 
O trabalho do UNICEF, segundo Joana, é que essas informações cheguem até eles e elas sem preconceito e sem estigma. “Não queremos que eles pensem que buscar esse conhecimento é algo errado ou inalcançável”, reforça. 

Saiba mais: Participação de adolescentes: como a mobilização tem mudado a realidade de municípios do Semiárido e Amazônia Legal
 
Em Urucurituba (AM), município participante dessa edição do Selo UNICEF (2017-2020), a realidade local levou meninas e meninos a buscarem soluções para reduzir o número de adolescentes grávidas. Cleber Marques, mobilizador dos jovens na cidade, conta que, em apenas uma escola, foram encontradas cerca de 30 meninas gestantes – algumas ainda em situação de vulnerabilidade, já que tinham menos de 14 anos.
 

 
“Ficamos muito surpresos, até porque boa parte dos jovens que participam das mobilizações estudam nessas escolas. Debater esse assunto é de extrema importância”, afirma Cleber. Uma das estratégias realizadas em Urucurituba foi promover o diálogo por meio dos núcleos de jovens – na Amazônia Legal, eles são conhecidos como Juventude Unida pela Vida na Amazônia (Juva’s). A ideia é reunir, no mínimo, 16 adolescentes (oito meninas e oito meninos) e, a partir daí, espalhar conhecimento para outros colegas.
 
Hoje, o mobilizador conta que enxerga mudanças significativas no comportamento dos jovens. “Na minha época, a gente não tinha essas informações, até porque nossos pais não falavam diretamente sobre sexualidade. Eu ouvia sobre isso de amigos, de gente de fora.”
 
Metas
São nesses e em outros casos que o Selo UNICEF atua para devolver a crianças e jovens a esperança de uma vida mais digna. A iniciativa prevê a certificação de prefeituras da Amazônia Legal e do Semiárido que coloquem crianças e adolescentes como prioridade nas ações municipais. Cumprindo as metas propostas, o município recebe, após três anos, um selo que comprova e reconhece o esforço da comunidade envolvida.
 
Entre as estratégias previstas, estão viabilizar a volta às aulas; a valorização da primeira infância; a promoção de direitos sexuais e reprodutivos; a proteção contra a violência, em especial a redução dos homicídios, e a participação e mobilização de adolescentes. 
 
Amazônia Legal
A Amazônia Legal foi instituída pelo governo ainda na década de 1950 (Lei 1.806/1953). A ideia foi reunir estados da região que tivessem desafios econômicos, políticos e sociais semelhantes para um melhor planejamento e promoção de políticas públicas específicas. O critério para determinar as unidades da federação pertencentes à Amazônia Legal foram mais pautados por análises sociopolíticas do que territoriais, já que Maranhão e Mato Grosso se juntam aos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.
 
A Amazônia Legal é uma área de mais de 5 milhões km², o que corresponde a 61% do território brasileiro. A região abriga todo o bioma da Amazônia e parte do Cerrado e do Pantanal mato-grossense. Além disso, na Amazônia Legal está a Bacia Amazônica, a maior bacia hidrográfica do mundo.
 

 
A exploração de madeira, o desmatamento e os conflitos fundiários estão entre os problemas enfrentados nos estados da Amazônia. Entre julho e agosto de 2019, os impactos ambientais gerados só pelos desmatamentos cresceram mais de 40%. Entre janeiro e agosto do mesmo ano, o número de queimadas também aumentou (83%), se comparado ao mesmo período do ano passado. As consequências podem gerar, entre outros, aquecimento global, prejuízos socioambientais, aumento no número de mortes e impactos econômicos negativos.
 
O Selo
Implantado pela primeira vez em 1999, no Ceará, o Selo UNICEF já contabiliza 20 anos de história e de mudança na vida de milhões de crianças e de adolescentes em situação de vulnerabilidade no Semiárido e na Amazônia Legal. Atualmente, 18 estados são alcançados pela ação – Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe e norte de Minas Gerais, no Semiárido, e Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, na Amazônia Legal.
 
Saiba mais: Selo UNICEF encerra ciclo de ações e convoca municípios do Semiárido e Amazônia Legal a apresentarem resultados
 
Com o sucesso das experiências, o Selo cresceu e, hoje, procura aplicar o aprendizado das edições anteriores aos participantes da atual. A metodologia foi unificada para o Semiárido e Amazônia Legal e introduziu o conceito de Resultados Sistêmicos no lugar de ações, visando dar sustentabilidade às iniciativas dos municípios e garantir que as crianças e adolescentes continuem sendo beneficiadas pelas políticas públicas implementadas mesmo após o fim do ciclo.


 
O Selo é dividido em ciclos, que coincidem com as eleições municipais. No atual ciclo (2017-2020), mais de 2,3 mil prefeituras, em 18 estados, estavam aptas a participar da edição. Dessas, 83% aderiram à ação – ou seja, 1.924, sendo 1.509 do Semiárido e 805 da Amazônia Legal. Cumprindo as metas propostas pela ação, o município recebe, após três anos, um selo que comprova e reconhece o esforço da comunidade envolvida.
 
No ciclo de 2017-2020, os municípios devem apresentar os resultados das ações desenvolvidas até 31 de março, por meio da plataforma Crescendo Juntos, no site do Selo UNICEF. A comprovação das atividades é feita por meio de documentos comprobatórios e anexados no portal. O envio pode ser feito pelo computador, celular ou tablet ou com auxílio de agentes comunitários, caso o município não tenha acesso à internet.

Jalila Arabi

Jornalista formada há 15 anos e pós-graduada em língua portuguesa, com experiência em redação, rádio e assessoria de imprensa. Antes de ingressar na redação do Brasil61, passou por importantes órgãos, como Inep/ MEC, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Frente Nacional de Prefeitos e Federação Nacional dos Policiais Federais, além de realizar cobertura dentro do Congresso Nacional. Experiência também em gerenciamento de crise, redação, edição e revisão de textos, produção de conteúdo de rádio e assessoria.


Cadastre-se

LOC.: Povos indígenas, ribeirinhos, quilombolas e migrantes dividem espaço nos grandes centros urbanos e rurais da região das florestas tropicais e berço de 20% de toda a água doce do planeta. Na Amazônia Legal, que compõe 60% de todo o território brasileiro, mais de 27 milhões de pessoas vivem nos nove estados que compõem a região. Desse total, mais de nove milhões são de crianças e adolescentes que esperam ter seus direitos reconhecidos.
 
O Norte ainda lida com preconceitos em torno de sua cultura, que muitas vezes é reduzida a “pulmão do mundo”. E isso pode afetar, inclusive, na promoção de ações efetivas para ajudar a população, como opina a especialista em Proteção à Criança do UNICEF para a Amazônia Legal, Débora Madeira.

“O que temos observado é que não há dados precisos. Você tem dados de educação, de saúde, de pobreza, uma série de dados multidimensionais. Mas não existem dados específicos para essa região sobre violência, por exemplo. Sabemos que são preocupantes, mas não há nada concreto.”  

LOC.: Segundo estudo produzido pelo UNICEF, as crianças na Amazônia têm mais risco de morrer antes de completarem um ano de idade e de completarem o ensino fundamental. Alguns fatores podem contribuir para esse índice, como situações de vulnerabilidade, trabalho infantil, exploração sexual e homicídio.
 
A população da Amazônia Legal também é mais vulnerável economicamente. Dados da PNAD de 2015 apontaram que 43% de crianças e adolescentes locais não tinham condições de comprar uma cesta básica. A educação é outro fator que preocupa. No Pará, por exemplo, mais de 30% de menores entre 4 e 17 anos estavam fora das escolas.
 
O acesso à informação por jovens de 10 a 17 anos é outro item da lista. Amazonas, Acre e Maranhão tinham entre 49% e 57,1% de adolescentes sem esse direito. A oficial de Participação de Adolescentes do UNICEF para a Amazônia Legal, Joana Fontoura, acredita que fornecer à juventude informações mais qualificadas pode ajudar no exercício da cidadania e na prevenção em relação à saúde sexual, por exemplo. 
 

“O que a gente percebe é que eles têm acesso à informação, à internet, ao celular, às redes sociais, mas é importante que eles tenham acesso a informações qualificadas. Que saibam, de fato, como funciona o organismo deles, como funciona o ciclo menstrual, por exemplo, até para evitar uma gravidez indesejada ou ISTs.”

LOC.: São em casos assim que o Selo UNICEF atua para devolver a crianças e jovens a esperança de uma vida mais digna. A iniciativa prevê a certificação de prefeituras da Amazônia Legal e do Semiárido que coloquem crianças e adolescentes como prioridade nas ações municipais. Cumprindo as metas propostas, o município recebe, após três anos, um selo que comprova e reconhece o esforço da comunidade envolvida.
 
Entre as estratégias previstas, estão viabilizar a volta às aulas; a valorização da primeira infância; a promoção de direitos sexuais e reprodutivos; a proteção contra a violência, em especial a redução dos homicídios, e a participação e mobilização de adolescentes. 
 
Implantado pela primeira vez em 1999, no Ceará, o Selo UNICEF já contabiliza 20 anos de história e de mudança na vida de milhões de crianças e de adolescentes em situação de vulnerabilidade no Semiárido e na Amazônia Legal. Atualmente, 18 estados são alcançados pela ação.
 
O Selo é dividido em ciclos, que coincidem com as eleições municipais. No ciclo de 2017-2020, os municípios devem apresentar os resultados das ações desenvolvidas até 31 de março, por meio da plataforma Crescendo Juntos, dentro do portal selounicef.org.br.
 
Reportagem, Jalila Arabi.