Menu

Donald Trump notifica Congresso sobre tornar Brasil aliado extra-Otan

Caso a decisão seja confirmada, o Brasil entra para o grupo, que hoje contém 17 países, entre eles Israel, Alemanha e Argentina

Banners
Foto: Alan Santos/PR

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, notificou o Congresso norte-americano sobre sua intenção de tornar o Brasil um aliado prioritário extra Otan, sigla para Organização do Tratado do Atlântico Norte.

Por meio de nota, o republicano afirmou "Estou tomando essa medida para reconhecer o recente comprometimento do Brasil em aumentar a cooperação militar com os Estados Unidos, e em reconhecimento do nosso próprio interesse nacional em intensificar nossa coordenação militar com o Brasil".

Caso a decisão seja confirmada, o Brasil entra para o grupo, que hoje contém 17 países, entre eles Israel, Alemanha e Argentina, o único sul-americano a integrar a lista. Assim, o Brasil poderá ter acesso a vários tipos de cooperação militar e a transferências de tecnologia com os EUA. 

A classificação como aliado também permite que o Brasil tenha acesso preferencial à compra de equipamentos militares norte-americanos, com isenções dentro da Lei de Exportação de Armas que rege a venda desses produtos sensíveis.

João Paulo Machado

João Paulo é graduado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) e iniciou sua carreira estagiando na área de reportagem da Rádio Nacional (EBC). Na Agência do Rádio atuou na cobertura de eventos importantes como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. No mesmo período, desenvolveu trabalho em parceria com o Ministério do Esporte redigindo reportagens para o portal Brasil2016.gov.br, além de colaborações para redes sociais.Atualmente, cobre os acontecimentos da Praça dos Três Poderes para a Agência do Rádio.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, notificou o Congresso norte-americano sobre sua intenção de tornar o Brasil um aliado prioritário extra Otan, sigla para Organização do Tratado do Atlântico Norte. 

Por meio de nota, o republicano afirmou "Estou tomando essa medida para reconhecer o recente comprometimento do Brasil em aumentar a cooperação militar com os Estados Unidos, e em reconhecimento do nosso próprio interesse nacional em intensificar nossa coordenação militar com o Brasil".

Caso a decisão seja confirmada, o Brasil entra para o grupo, que hoje contém 17 países, entre eles Israel, Alemanha e Argentina, o único sul-americano a integrar a lista. Assim, o Brasil poderá ter acesso a vários tipos de cooperação militar e a transferências de tecnologia com os EUA. 

A classificação como aliado também permite que o Brasil tenha acesso preferencial à compra de equipamentos militares norte-americanos, com isenções dentro da Lei de Exportação de Armas que rege a venda desses produtos sensíveis.

Reportagem, João Paulo Machado