Menu

Em lançamento oficial, ministro da Saúde ressalta importância dos pais e da família na amamentação

Até sete de agosto ocorre em todo o país a Semana Mundial da Amamentação (SMAM).

Banners
Arte: Ítalo Novais

Até sete de agosto ocorre em todo o país a Semana Mundial da Amamentação (SMAM). A iniciativa tem como objetivo mostrar a importância do aleitamento materno e ampliar o conhecimento e os benefícios da prática para bebês e mulheres. A amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos de idade. 

Dessa forma, a Organização Pan-Americana da Saúde, vinculada à Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e o Ministério da Saúde, recomendam que a amamentação seja iniciada nos primeiros 60 minutos de vida. Além disso, as mães devem amamentar os seus filhos até os dois anos ou mais e de forma exclusiva, até os seis meses de vida.   

Neste ano, a campanha busca conscientizar a importância do apoio familiar, de amigos, profissionais e empresários. Durante a solenidade de abertura da Semana Mundial de Amamentação, em Brasília, o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falou da importância do aleitamento materno e do apoio dos pais no processo.

“O pai é um grande elemento de suporte. O pai que dá suporte, que está do lado, que leva e traz o filho, está ‘amamentando’ também e tem o prazer de ver o filho naquela situação, que é determinante na sua vida. Aos empresários, que as empresas invistam na mulher trabalhadora que amamenta, que deem condições", afirmou.

 O ministro anunciou ainda a habilitação de trinta e nove unidades como hospitais Amigos da Criança. Desse número, sete serão habilitadas pela primeira vez. Dessa forma, o Ministério da Saúde vai repassar dois milhões de reais ao ano para custear as unidades. 

Arte:Ítalo Novais

Atualmente, o Brasil possui 228 salas de apoio à amamentação e 317 hospitais Amigos da Criança. A expectativa do ministro é que todos os estados do país tenham pelo menos uma unidade de apoio para a mulher trabalhadora que amamenta.

“Os estados de Roraima, Amapá, Acre, Rondônia, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso e Bahia não têm sala de amamentação. Então, vamos pegar esses lugares que não têm e vamos tentar de maneira rápida, tomar pelo menos a decisão de fazer.”, disse.

A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br.

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Até sete de agosto ocorre em todo o país a Semana Mundial da Amamentação (SMAM). A iniciativa tem como objetivo mostrar a importância do aleitamento materno e ampliar o conhecimento e os benefícios da prática para bebês e mulheres. A amamentação é capaz de reduzir em 13% a mortalidade por causas evitáveis em crianças menores de cinco anos de idade. 

Dessa forma, a Organização Pan-Americana da Saúde, vinculada à Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) e o Ministério da Saúde, recomendam que a amamentação seja iniciada nos primeiros 60 minutos de vida. Além disso, as mães devem amamentar os seus filhos até os dois anos ou mais e de forma exclusiva, até os seis meses de vida.   

Neste ano, a campanha busca conscientizar a importância do apoio familiar, de amigos, profissionais e empresários. Durante a solenidade de abertura da Semana Mundial de Amamentação, em Brasília, o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, falou da importância do aleitamento materno e do apoio dos pais no processo.
 

TEC./SONORA: Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta

“O pai é um grande elemento de suporte. O pai que dá suporte, que está do lado, que leva e traz o filho, está ‘amamentando’ também e tem o prazer de ver o filho naquela situação, que é determinante na sua vida. Aos empresários, que as empresas invistam na mulher trabalhadora que amamenta, que deem condições.”
 

LOC.: O ministro anunciou ainda a habilitação de trinta e nove unidades como hospitais Amigos da Criança. Desse número, sete serão habilitadas pela primeira vez. Dessa forma, o Ministério da Saúde vai repassar dois milhões de reais ao ano para custear as unidades. 

Atualmente, o Brasil possui 228 salas de apoio à amamentação e 317 hospitais Amigos da Criança. A expectativa do ministro é que todos os estados do país tenham pelo menos uma unidade de apoio para a mulher trabalhadora que amamenta.
 

TEC./SONORA: Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta

“Os estados de Roraima, Amapá, Acre, Rondônia, Maranhão, Tocantins, Mato Grosso e Bahia não têm sala de amamentação. Então, vamos pegar esses lugares que não têm e vamos tentar de maneira rápida, tomar pelo menos a decisão de fazer.”
 

 LOC.: A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br.