Menu

Em Tocantins, abandono do tratamento da hanseníase pode agravar doença e causar sequelas

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível e de notificação obrigatória.

Banners

Apareceu uma mancha aqui, outra ali e depois se espalhou pelo corpo inteiro. O que fazer? Vá imediatamente a uma Unidade Básica de Saúde. A recomendação é importante porque você pode estar com hanseníase e, o quanto antes ela for tratada, mais rapidamente estará curado. 

Isso mesmo, a hanseníase tem cura, basta tratar de imediato e levar as pessoas que convivem ao seu redor para prevenir e evitar que sejam contaminadas. O auxiliar técnico Adriano da Conceição, morador de Araguaína, teve essa atitude, foi curado e evitou que a família e amigos fossem contaminados.

“Comecei a sentir alguns sintomas, e daí procurei uma Unidade de Saúde aqui da minha cidade, aonde foram feitos vários exames, até ser constatado que eu estava com hanseníase. Primeiro fui internado e, quando recebi alta, as pessoas que eram próximas a mim, à minha família e às pessoas que tinham um contato mais próximo foram avisados para procurar o “postinho” mais próximo, para estar realizando exames periódicos. À primeira vista, eles fizeram uma espécie de ‘vistoria’, para estar examinando o corpo, para saber se havia sinais de que eles também teriam contraído a doença.”

Créditos: Ministério da Saúde

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível e de notificação obrigatória. Ela acomete a pele e nervos e, se não for tratada de imediato e de forma correta, pode deixar graves sequelas. Somente no Tocantins, foram registrados 1.632 novos casos de hanseníase em 2018, sendo 116 em crianças menores de 15 anos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. A coordenadora do Programa da Hanseníase do Tocantins, Regina Teixeira, explica que, se um paciente abandona o tratamento, ele pode voltar a ter sintomas da doença e até transmitir para pessoas próximas. 

“Ele volta a ter sintomas, futuramente volta a transmitir de novo, ele pode ficar incapacitado, se está afetando os nervos da mão, a mão pode ir dobrando, fazendo o que a gente chama de ‘mão de garra’. Se não era na mão e sim no pé, o pé vai perdendo a força muscular e ele começa a andar arrastando o pé. De repente a mancha no pé ou na perna, encostou em um cano de moto, ele se queima e não sente nada, porque não fez um tratamento correto, porque abandonou o tratamento e não foi curado.”

Por isso, vale lembrar que hanseníase tem cura e você não precisa ter medo de entrar em contato com as pessoas doentes.  A doença só é transmitida quando há contato prolongado. O importante, mesmo, é ficar atento aos sinais do seu corpo. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. Todo o tratamento é disponibilizado gratuitamente pelo SUS. Em caso de dúvida, faça como o Adriano e procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima E não se esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações acesse saúde.gov.br/hanseníase.

Créditos: Ministério da Saúde

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Apareceu uma mancha aqui, outra ali e depois se espalhou pelo corpo inteiro. O que fazer? Vá imediatamente a uma Unidade Básica de Saúde. A recomendação é importante porque você pode estar com hanseníase e, o quanto antes ela for tratada, mais rapidamente estará curado. 

Isso mesmo, a hanseníase tem cura, basta tratar de imediato e levar as pessoas que convivem ao seu redor para prevenir e evitar que sejam contaminadas. O auxiliar técnico Adriano da Conceição, morador de Araguaína, teve essa atitude, foi curado e evitou que a família e amigos fossem contaminados.

“Comecei a sentir alguns sintomas, e daí procurei uma Unidade de Saúde aqui da minha cidade, aonde foram feitos vários exames, até ser constatado que eu estava com hanseníase. Primeiro fui internado e, quando recebi alta, as pessoas que eram próximas a mim, à minha família e às pessoas que tinham um contato mais próximo foram avisados para procurar o “postinho” mais próximo, para estar realizando exames periódicos. À primeira vista, eles fizeram uma espécie de ‘vistoria’, para estar examinando o corpo, para saber se havia sinais de que eles também teriam contraído a doença.”

LOC.: A hanseníase é uma doença crônica, transmissível e de notificação obrigatória. Ela acomete a pele e nervos e, se não for tratada de imediato e de forma correta, pode deixar graves sequelas. Somente no Tocantins, foram registrados 1.632 novos casos de hanseníase em 2018, sendo 116 em crianças menores de 15 anos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. A coordenadora do Programa da Hanseníase do Tocantins, Regina Teixeira, explica que, se um paciente abandona o tratamento, ele pode voltar a ter sintomas da doença e até transmitir para pessoas próximas. 

“Ele volta a ter sintomas, futuramente volta a transmitir de novo, ele pode ficar incapacitado, se está afetando os nervos da mão, a mão pode ir dobrando, fazendo o que a gente chama de ‘mão de garra’. Se não era na mão e sim no pé, o pé vai perdendo a força muscular e ele começa a andar arrastando o pé. De repente a mancha no pé ou na perna, encostou em um cano de moto, ele se queima e não sente nada, porque não fez um tratamento correto, porque abandonou o tratamento e não foi curado.”

LOC.: Por isso, vale lembrar que hanseníase tem cura e você não precisa ter medo de entrar em contato com as pessoas doentes.  A doença só é transmitida quando há contato prolongado. O importante, mesmo, é ficar atento aos sinais do seu corpo. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. Todo o tratamento é disponibilizado gratuitamente pelo SUS. Em caso de dúvida, faça como o Adriano e procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima E não se esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações acesse saúde.gov.br/hanseníase.