Menu

Estados do Norte e Nordeste registram maiores quedas de assassinatos, em 2019

Em todo país, registro de mortes violentas cai quase 25%

Banners
Internet Divulgação

O Monitor da Violência, do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do portal G1, revela que as mortes violentas caíram 24% no país, nos três primeiros meses do ano, em comparação ao mesmo período de 2018.

Ao todo, o país contabilizou mais de 10.300 mortes violentas, cerca de 3,2 a menos do que no ano passado.

Em todos os estados houve redução no número de assassinatos. No Ceará, por exemplo, a diminuição desse tipo de violência foi superior a 30%, com 690 vítimas a menos, em comparação ao início de 2018.

Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte também tiveram quedas significantes nas taxas de mortes violentas, com mais de 30%.

Cristiano Carlos

Cristiano é jornalista formado pela Universidade Católica de Brasília, com larga experiência em emissoras de rádio, desde 2002. Como repórter trabalha na cobertura do Congresso Nacional, em Brasília, na produção de conteúdos sobre o dia a dia dos bastidores, da atuação dos parlamentares, nas comissões e nos plenários do Senado e Câmara dos Deputados. Acompanhou as campanhas eleitorais nacionais em 2014 e 2018. Também atua nas editorias de educação, saúde e esportes.


Cadastre-se

LOC.: O Monitor da Violência, do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do portal G1, revela que as mortes violentas caíram 24% no país, nos três primeiros meses do ano, em comparação ao mesmo período de 2018.

Ao todo, o país contabilizou mais de 10.300 mortes violentas, cerca de 3,2 a menos do que no ano passado.

Em todos os estados houve redução no número de assassinatos. No Ceará, por exemplo, a diminuição desse tipo de violência foi superior a 30%, com 690 vítimas a menos, em comparação ao início de 2018.

Amapá, Sergipe e Rio Grande do Norte também tiveram quedas significantes nas taxas de mortes violentas, com mais de 30%.

Reportagem, Cristiano Carlos