Menu

Estudantes de São Paulo garantem ouro na WorldSkills, maior competição de profissões técnicas do mundo

Leonardo Camargo de Sousa, de Avaré, e Paulo Vitor Tratta, da capital, foram medalhistas nas categorias de Desenho Mecânico em CAD e Manutenção de Serviços Pesados, respectivamente

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: José Paulo Lacerda

Das 13 medalhas conquistadas pelo Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões, seis foram obtidas por estudantes de São Paulo. Leonardo de Souza, 20 anos, e Paulo Vitor Fratta, de 18, subiram no lugar mais alto do pódio. Leonardo Escola e Gabriella Silva, ambos de 22 anos, e Vitor Santos, 19, ficaram com medalhas de prata, enquanto Lucas Giovani Gomes, também de 19 anos, trouxe um bronze para o Brasil.

Créditos: Sabrine Cruz -Agência do Rádio Mais

Formado em Mecânica Automobilística e Manutenção Automotiva pelo SENAI de São Paulo, Fratta levou a melhor na modalidade de Manutenção de Serviços Pesados. “Essa medalha representa muitas pessoas. Não estou neste pódio sozinho e tenho a dizer que o Brasil inteiro ganhou uma medalha de ouro. Essa é uma das maiores conquistas que eu poderia ter. Achava que não ia passar nem da etapa estadual”, revelou o jovem.

Já Leonardo Camargo de Souza, ouro na modalidade de Desenho Mecânico em CAD, conta que o resultado fez valer todo esforço de preparação para a competição. “Emoção é muito grande, trabalhamos muito para isso e é muito gratificante escutar nosso nome lá, saber que conseguimos realizar um grande sonho”, ressaltou.

A conquista das medalhas pelos estudantes brasileiros repercutiu entre parlamentares no Congresso Nacional. O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) falou sobre a “revolução" implementada pela Indústria 4.0 e afirmou que a qualificação para o trabalho passa, sobretudo, pela educação profissional.

“Espero que o Brasil foque mais, amplie o número de vagas [para o ensino técnico]. Temos boas experiências do Sistema S, das escolas técnicas, como o Centro de Inovação e Tecnologia (CETEC). O nosso desafio é expandir a rede, ter cursos que se adaptem mais rapidamente às demandas do mercado. O futuro do jovem brasileiro passará pela educação técnica e profissional”, opinou.

Desempenho brasileiro

Além dos medalhistas, outros 10 estudantes de São Paulo receberam certificados de excelência, o reconhecimento é dado aos competidores que tiveram nota acima da pontuação média, o que significa que eles superaram o nível de padrão mundial para as respectivas ocupações.

Arthur Souza de Almeida (Rio Grande da Serra-SP), na categoria Polimecânica; Evan Benicio Sobral Filho, Luiz Fernando Silva Zanini e Avelino Gabriel Carrara Bueno (Bauru-SP), em Manufatura Integrada; Emanuel da Cruz (Bauru-SP), em Construção em Alvenaria; Marcelo Santos (Pederneiras-SP), em Pintura Automotiva; Ítalo Cruz (São Paulo-SP), em Refrigeração e Ar-condicionado; Bianca Klempe Corrêa (Bauru-SP), em Design Gráfico; Lucas Carneiro (Lençóis Paulistas-SP), em Construção de Estruturas Metálicas; e Henrique Sobrinho Menezes (Caieiras-SP), na categoria de Modelagem de Protótipos.

A delegação brasileira tem se estabelecido entre as equipes mais vitoriosas da WorldSkills. Foi a campeã na edição ocorrida em São Paulo, em 2015. Na edição de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em 2017, alcançou o segundo lugar. Em 2019, além das 13 medalhas, a delegação tupiniquim garantiu, ainda, 28 certificados de excelência, em 28 ocupações técnicas profissionais.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. O Brasil ficou em terceiro lugar na classificação geral. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, ficou em primeiro lugar. A Rússia, anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição.
 
 

Camila Costa

Jornalista formada há 10 anos, foi repórter de política no Jornal Tribuna do Brasil, do Jornal Alô Brasília e do Jornal de Brasília. Por cinco anos esteve no Correio Braziliense, como repórter da editoria de Cidades. Foi repórter e coordenadora de redação na Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead), vinculada à Presidência da República. Recebeu, por duas vezes, o Prêmio PaulOOctavio de Jornalismo e, em 2014, o Prêmio Imprensa Embratel/Claro 15° Edição. Hoje, Camila é repórter da redação da Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: Das 13 medalhas conquistadas pelo Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões, seis foram obtidas por estudantes de São Paulo. Leonardo de Souza, 20 anos, e Paulo Vitor Fratta, de 18, subiram no lugar mais alto do pódio. Leonardo Escola e Gabriella Silva, ambos de 22 anos, e Vitor Santos, 19, ficaram com medalhas de prata, enquanto Lucas Giovani Gomes, também de 19 anos, trouxe um bronze para o Brasil.

Formado em Mecânica Automobilística e Manutenção Automotiva pelo SENAI de São Paulo, o paulistano Paulo Vitor Fratta subiu ao pódio na modalidade de Manutenção de Serviços Pesados.
 

“Essa medalha representa muitas pessoas. Não estou neste pódio sozinho e tenho a dizer que o Brasil inteiro ganhou uma medalha de ouro. Essa é uma das maiores conquistas que eu poderia ter. Achava que não ia passar nem da etapa estadual.”

LOC: A conquista das medalhas pelos estudantes brasileiros repercutiu entre parlamentares no Congresso Nacional. O deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP) falou sobre a “revolução" implementada pela Indústria 4.0 e afirmou que a qualificação para o trabalho passa, sobretudo, pela educação profissional.

“Espero que o Brasil foque mais, amplie o número de vagas [para o ensino técnico]. Temos boas experiências do Sistema S, das escolas técnicas, como o Centro de Inovação e Tecnologia (CETEC). O nosso desafio é expandir a rede, ter cursos que se adaptem mais rapidamente às demandas do mercado. O futuro do jovem brasileiro passará pela educação técnica e profissional.”

LOC.: Além dos medalhistas, outros 10 estudantes de São Paulo receberam certificados de excelência, o reconhecimento é dado aos competidores que tiveram nota acima da pontuação média, o que significa que eles superaram o nível de padrão mundial para as respectivas ocupações.

Arthur Souza de Almeida (Rio Grande da Serra-SP), na categoria Polimecânica; Evan Benicio Sobral Filho, Luiz Fernando Silva Zanini e Avelino Gabriel Carrara Bueno (Bauru-SP), em Manufatura Integrada; Emanuel da Cruz (Bauru-SP), em Construção em Alvenaria; Marcelo Santos (Pederneiras-SP), em Pintura Automotiva; Ítalo Cruz (São Paulo-SP), em Refrigeração e Ar-condicionado; Bianca Klempe Corrêa (Bauru-SP), em Design Gráfico; Lucas Carneiro (Lençóis Paulistas-SP), em Construção de Estruturas Metálicas; e Henrique Sobrinho Menezes (Caieiras-SP), na categoria de Modelagem de Protótipos.

Na 45ª WorldSkills, a delegação do Brasil ficou em 3º lugar no ranking total de pontos, com medalhas em 13 das 56 categorias em disputa. Além disso, os estudantes brasileiros conquistaram 28 certificados de excelência, em 28 ocupações.

Com a colaboração de  Camila Costa, reportagem, Raphael Costa