Menu

Estudantes do DF conseguem certificado de excelência na WorldSkills, maior competição de profissões técnicas do mundo

João Oliveira, Lucas Maciel e Luan Braga foram premiados por atingirem nota acima da média em suas modalidades na maior competição de profissões técnicas do mundo

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
 Foto: José Paulo Lacerda

Os três estudantes do Distrito Federal que representaram o Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões, conseguiram certificados de excelência nas modalidades em que disputaram. O reconhecimento é dado aos competidores que tiveram nota acima da pontuação média, o que significa que eles superaram o nível de padrão mundial para as respectivas ocupações.

Créditos: Ítalo Novais - Agência do Rádio Mais

João Oliveira, de 19 anos, concluiu o curso de Marcenaria e Qualificação em Desenho Técnico. Ele representou o Brasil na modalidade Movelaria e, durante a competição, teve que desenvolver um móvel com porta, gaveta, tampa e base. Dos 700 pontos máximos que poderia ter atingido, o jovem superou 600 e garantiu o certificado de excelência.

“Nessa nota de zero a 700, quem atinge a nota 600 ganha o certificado, pois é a nota padrão da indústria. Quem atinge ou supera essa nota ganha o certificado de excelência”, explica João.

O estudante garante que o certificado representou uma grande conquista, que veio com muito esforço. “Representa muita coisa. A gente não conseguiu trazer a medalha, mas foi uma vitória muito grande. Foram muitos anos de treinamento buscando a qualificação”, completa.

Lucas Maciel, de 21 anos, e Luan Silva Braga, de 20, foram os outros dois representantes do Distrito Federal na WorldSkills. Lucas disputou a modalidade Funilaria Automotiva e Luan competiu em Sistema em Drywall e Estucagem. Assim como João Oliveira, eles conseguiram o certificado de excelência.

A conquista das medalhas pelos estudantes brasileiros repercutiu entre os parlamentares no Congresso Nacional. Na opinião da deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF), a educação técnica profissional é o caminho mais curto para inserção de jovens no mercado de trabalho.

“Eu sou uma grande defensora da educação profissional, do curso técnico e nós temos que resgatar a valorização do técnico profissional. Quando falamos de educação profissional, estamos falando de pegar um jovem de 15 ou 16 anos e inseri-lo no mercado de trabalho”, pontua a deputada.

Desempenho brasileiro

A delegação brasileira tem se estabelecido entre as equipes mais vitoriosas da WorldSkills. Foi a campeã na edição ocorrida em São Paulo, em 2015. Na edição de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em 2017, alcançou o segundo lugar. Em 2019, além das 13 medalhas, a delegação tupiniquim garantiu, ainda, 28 certificados de excelência, em 28 ocupações técnicas profissionais.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. O Brasil ficou em terceiro lugar na classificação geral. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, ficou em primeiro lugar. A Rússia, anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição
 

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Cadastre-se

LOC.: Os três estudantes do Distrito Federal que representaram o Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões, conseguiram certificados de excelência nas modalidades em que disputaram. O reconhecimento é dado aos competidores que tiveram nota acima da pontuação média estabelecida para cada modalidade.

João Oliveira, de 19 anos, concluiu o curso de Marcenaria e Qualificação em Desenho Técnico. Ele representou o Brasil na modalidade Movelaria e, durante a competição, teve que desenvolver um móvel com porta, gaveta, tampa e base. Dos 700 pontos máximos que poderia ter atingido, o jovem superou 600 e garantiu o certificado de excelência.
 

“O certificado representa muita coisa. Não conseguimos trazer a medalha, mas foi uma vitória muito grande. Foram muitos anos de treinamento buscando a qualificação.”

LOC: Lucas Maciel, de 21 anos, e Luan Silva Braga, de 20, foram os outros representantes do Distrito Federal na WorldSkills. Lucas disputou a modalidade Funilaria Automotiva e Luan competiu em Sistema em Drywall e Estucagem. Assim como João Oliveira, eles conseguiram o certificado de excelência.

A conquista dos estudantes brasileiros repercutiu entre os parlamentares no Congresso Nacional. Na opinião da deputada federal Paula Belmonte (Cidadania-DF), a educação técnica profissional é o caminho mais curto para inserção de jovens no mercado de trabalho.
 

TEC/SONORA: Deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF)

“Eu sou uma grande defensora da educação profissional, do curso técnico e nós temos que resgatar a valorização do técnico profissional. Quando falamos de educação profissional, estamos falando de pegar um jovem de 15 ou 16 anos e inseri-lo no mercado de trabalho.”

LOC.: Na edição deste ano da WorldSkills, a delegação do Brasil ficou em 3º lugar no ranking total de pontos, com medalhas em 13 das 56 categorias em disputa. Além disso, os estudantes brasileiros conquistaram 28 certificados de excelência, em 28 ocupações.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, na cidade de Xangai, ficou em primeiro lugar no ranking geral. A Rússia, a anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição.

Com a colaboração de Paulo Henrique Gomes, reportagem, Raphael Costa