Menu

Ex-deputado Rogério Marinho assume o Ministério de Desenvolvimento Regional

Marinho era cotado por ter atuado como articulador da reforma da previdência no ano passado

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Mudança no Ministério de Desenvolvimento Regional: o presidente Jair Bolsonaro trocou o antigo ministro Gustavo Canuto pelo ex-deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN). O novo ministro foi deputado entre 2007 e 2018 e depois ocupou o cargo de secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, a convite de Paulo Guedes. O nome de Rogério Marinho era cotado para o ministério por ter tido papel importante na articulação do governo com o congresso durante a tramitação da Reforma da Previdência, no ano passado. Anteriormente, em 2018, também foi relator da reforma trabalhista proposta pelo então presidente Michel Temer. Por isso, Marinho é visto como uma figura que, estando no governo, pode ajudar na relação entre o Executivo e os parlamentares para aprovação de outros projetos.

Já Canuto, o antigo ministro, foi deslocado para a presidência do Dataprev. Ele agora tem a missão de resolver a fila de mais de 1 milhão de pedidos de benefícios atrasados no INSS.

Essa é a quinta troca de ministros feita por Bolsonaro desde o início do governo.
 

Daniel Marques



Cadastre-se

Loc.: Mudança no Ministério de Desenvolvimento Regional: o presidente Jair Bolsonaro trocou o antigo ministro Gustavo Canuto pelo ex-deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN). O novo ministro foi deputado entre 2007 e 2018 e depois ocupou o cargo de secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, a convite de Paulo Guedes. O nome de Rogério Marinho era cotado para o ministério por ter tido papel importante na articulação do governo com o congresso durante a tramitação da Reforma da Previdência, no ano passado. Anteriormente, em 2018, também foi relator da reforma trabalhista proposta pelo então presidente Michel Temer. Por isso, Marinho é visto como uma figura que, estando no governo, pode ajudar na relação entre o Executivo e os parlamentares para aprovação de outros projetos.

Já Canuto, o antigo ministro, foi deslocado para a presidência do Dataprev. Ele agora tem a missão de resolver a fila de mais de 1 milhão de pedidos de benefícios atrasados no INSS.

Essa é a quinta troca de ministros feita por Bolsonaro desde o início do governo.