Menu

Ex-ministro Sérgio Moro acusa presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir nas ações da Polícia Federal

Nesta sexta-feira (24), Sérgio Moro deixou o cargo de ministro da Justiça, após desentendimentos com o presidente Jair Bolsonaro

Banners
Foto: Marcos Corrêa/PR

Nesta sexta-feira (24), Sérgio Moro deixou o cargo de ministro da Justiça, após desentendimentos com o presidente Jair Bolsonaro. A decisão foi motivada pela troca do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, por parte do presidente. A Polícia Federal é vinculada ao Ministério da Justiça e o diretor-geral tinha total confiança do ex-ministro. Sérgio Moro anunciou sua saída do governo durante uma coletiva de imprensa na parte da manhã e acusou Jair Bolsonaro de tentar fazer interferências nas investigações realizadas pela Polícia Federal.   

“Mas o grande problema não é essa questão de quem colocar, mas porque trocar e permitir que seja feita interferência política no âmbito da Polícia Federal. O presidente me disse mais de uma vez, expressamente, que ele queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, colher relatórios de inteligência. Seja o diretor ou o superintendente. E realmente não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação. As investigações têm de ser preservadas”.   

Já na parte da tarde, foi a vez de o presidente Jair Bolsonaro fazer um pronunciamento, no Palácio do Planalto, para tentar desmentir as acusações de que estaria tentando realizar interferência nas ações da Polícia Federal.  

“Não são verdadeiras as insinuações de que eu desejaria saber sobre investigações em andamento. Nos quase 16 meses em que esteve à frente do Ministério da Justiça, o senhor Sérgio Moro sabe que jamais lhe procurei para interferir nas investigações que estavam sendo realizadas”. 

Após o pronunciamento do presidente, o ex-ministro Sérgio Moro afirmou, por meio de sua rede social, que a permanência do diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para sua nomeação ao Supremo Tribunal Federal, como foi dito por Bolsonaro. De acordo com Sérgio Moro, se esse fosse seu objetivo, teria concordado com a substituição do Diretor Geral da PF.

Janary Bastos Damacena

Com formação em jornalismo e pós-graduação em linguística, Janary Damacena se especializou em Narratologia e no Storytelling para reportar notícias. Com participação em redações de jornais impressos, revistas, rádios, televisão e assessorias de imprensa; alguns de seus trabalhos mais marcantes foram realizados em lugares como a Agência do Rádio Brasileiro, Rádio Nacional, Jornal de Brasília, Agência Rádio Web, Jornal Tribuna do Brasil, TV Educativa, Presidência da República, Ministério da Saúde, Revista Plano Brasília, Agência Gralha Comunicação e Vídeo e Organização das Nações Unidas (ONU).


Cadastre-se

LOC.: Nesta sexta-feira (24), Sérgio Moro deixou o cargo de ministro da Justiça, após desentendimentos com o presidente Jair Bolsonaro. A decisão foi motivada pela troca do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, por parte do presidente. A Polícia Federal é vinculada ao Ministério da Justiça e o diretor-geral tinha total confiança do ex-ministro. Sérgio Moro anunciou sua saída do governo durante uma coletiva de imprensa na parte da manhã e acusou Jair Bolsonaro de tentar fazer interferências nas investigações realizadas pela Polícia Federal.   

TEC./SONORA: Ex- ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro

“Mas o grande problema não é essa questão de quem colocar, mas porque trocar e permitir que seja feita interferência política no âmbito da Polícia Federal. O presidente me disse mais de uma vez, expressamente, que ele queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, colher relatórios de inteligência. Seja o diretor ou o superintendente. E realmente não é o papel da Polícia Federal prestar esse tipo de informação. As investigações têm de ser preservadas”.   
 

LOC.: Já na parte da tarde, foi a vez de o presidente Jair Bolsonaro fazer um pronunciamento, no Palácio do Planalto, para tentar desmentir as acusações de que estaria tentando realizar interferência nas ações da Polícia Federal.  

TEC./SONORA: Presidente da República, Jair Bolsonaro

“Não são verdadeiras as insinuações de que eu desejaria saber sobre investigações em andamento. Nos quase 16 meses em que esteve à frente do Ministério da Justiça, o senhor Sérgio Moro sabe que jamais lhe procurei para interferir nas investigações que estavam sendo realizadas”. 
 

LOC.: Após o pronunciamento do presidente, o ex-ministro Sérgio Moro afirmou, por meio de sua rede social, que a permanência do diretor geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para sua nomeação ao Supremo Tribunal Federal, como foi dito por Bolsonaro. De acordo com Sérgio Moro, se esse fosse seu objetivo, teria concordado com a substituição do Diretor Geral da PF.