Menu

FEIRA DE SANTANA (BA): Risco de surto de dengue preocupa autoridades locais

Os moradores precisam redobrar as ações de combate ao mosquito da dengue dentro de casa.

Banners
Foto: Divulgação

Os moradores de Feira de Santana precisam redobrar as ações de combate ao mosquito da dengue dentro de casa. Isso porque a Bahia corre o risco de ter um novo surto da doença em 2020, segundo o Ministério da Saúde. 

Por conta dessa possibilidade, o coordenador da Diretoria de Vigilância Epidemiológica do estado, Gabriel Muricy, alerta que as medidas preventivas são importantes para que o cenário do ano passado não se repita, quando Feira de Santana registrou 12.277 casos prováveis de dengue e 12 mortes. Os dados são da Secretaria de Saúde da Bahia. 

“O que chama atenção é que o município de Feira de Santana, no ano de 2019, apresentou a maior epidemia dos últimos dez anos. Em termos de números absolutos, quando somamos as notificações de Feira de Santana e Salvador, isso dá em torno de 30% das notificações do estado.”

Até 18 de janeiro deste ano, a Bahia notificou 566 casos prováveis de dengue, 139 de chikungunya, além de três notificações suspeitas de zika, segundo dados das autoridades estaduais de saúde. Além dos baianos, a população dos outros oito estados do Nordeste, do Rio de Janeiro e do Espirito Santo pode ser afetada por um possível surto da doença em 2020.

Créditos: Ítalo Novaes

Segundo o diretor do Departamento de Imunizações da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Júlio Croda, o risco de epidemia de dengue está relacionado, principalmente, ao fato da população estar vulnerável ao sorotipo 2 da doença, que não circulava desde 2008. 

“Esse sorotipo 2 já circulou no Brasil. Pessoas com idade mais avançada já possuem imunidade contra esse sorotipo que está circulando, enquanto as pessoas que não eram nascidas ou que não circulam em regiões específicas não têm imunidade.”

No Brasil, até 18 de janeiro deste ano, foram notificados 30.763 casos prováveis de dengue, 959 de chikungunya e 85 de zika, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, a luta contra o mosquito não pode parar. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. 

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC: Os moradores de Feira de Santana precisam redobrar as ações de combate ao mosquito da dengue dentro de casa. Isso porque a Bahia corre o risco de ter um novo surto da doença em 2020, segundo o Ministério da Saúde. 

Por conta dessa possibilidade, o coordenador da Diretoria de Vigilância Epidemiológica do estado, Gabriel Muricy, alerta que as medidas preventivas são importantes para que o cenário do ano passado não se repita, quando Feira de Santana registrou 12.277 casos prováveis de dengue e 12 mortes. Os dados são da Secretaria de Saúde da Bahia. 

TEC./SONORA: Gabriel Muricy, coordenador da Diretoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde da Bahia

“O que chama atenção é que o município de Feira de Santana, no ano de 2019, apresentou a maior epidemia dos últimos dez anos. Em termos de números absolutos, quando somamos as notificações de Feira de Santana e Salvador, isso dá em torno de 30% das notificações do estado.”

LOC.: Até 18 de janeiro deste ano, a Bahia notificou 566 casos prováveis de dengue, 139 de chikungunya, além de três notificações suspeitas de zika, segundo dados das autoridades estaduais de saúde. Além dos baianos, a população dos outros oito estados do Nordeste, do Rio de Janeiro e do Espirito Santo pode ser afetada por um possível surto da doença em 2020.

Segundo o diretor do Departamento de Imunizações da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Júlio Croda, o risco de epidemia de dengue está relacionado, principalmente, ao fato da população estar vulnerável ao sorotipo 2 da doença, que não circulava desde 2008. 

TEC./SONORA: Diretor do Departamento de Imunizações da Secretária de Vigilância em Saúde do Ministério, Júlio Croda

“Esse sorotipo 2 já circulou no Brasil. Pessoas com idade mais avançada já possuem imunidade contra esse sorotipo que está circulando, enquanto as pessoas que não eram nascidas ou que não circulam em regiões específicas não têm imunidade.”

LOC.:. No Brasil, até 18 de janeiro deste ano, foram notificados 30.763 casos prováveis de dengue, 959 de chikungunya e 85 de zika, segundo o Ministério da Saúde. Por isso, a luta contra o mosquito não pode parar. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.