Menu

Goiás terá de qualificar 322 mil trabalhadores em profissões industriais até 2023

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas de metalmecânica, alimentos e confecção e vestuário demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Banners
Ensino Técnico Profissional SENAI - Foto: FIEP

O estado de Goiás terá de qualificar 322.953 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre os anos de 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Segundo o gerente de Educação Profissional do SENAI-GO, Weysller Moura, os setores que mais vão demandar mão de obra técnica profissional, nos próximos quatro anos, são metalmecânica; logística e transporte; eletroeletrônica; e profissionais habilitados em profissões transversais, ou seja, que trabalham em qualquer área, caso de técnicos em eletrotécnica.

Diante dessas janelas de oportunidades, Moura defende que a capacitação profissional dos jovens, por meio da formação técnica, é importante para melhorar a produtividade e competitividade da indústria, que cada vez mais exige profissionais qualificados.

“Quando a gente fala em educação profissional, a gente fala em autonomia. Estamos falando em dar autonomia ao trabalhador, ao estudante, ao egresso dessa educação profissional, independentemente da área que seguir”, pontuou.

Qualificação profissional

O estudo prevê, ainda, que Goiás precisará aperfeiçoar a formação de trabalhadores que já estão empregados, com oferta de cursos de qualificação de carga horária superior a 200 horas, voltados ao desenvolvimento de novas competências e capacidades dos profissionais.

As maiores demandas estão nas áreas de metalomecânica; alimentos; confecção e vestuário; energia e telecomunicações; e química, borracha, petroquímica, petróleo, gás e fármacos.

O Mapa do Trabalho Industrial mostra, ainda, que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação técnica de carga horária menor de 200 horas e que mais vão demandar profissionais capacitados em Goiás, estão logística e transporte; construção; alimentos; metalomecânica; e transversais.

Para o deputado federal João Campos (Republicanos-GO), o ensino técnico profissional é o caminho mais curto para o estudante conquistar uma vaga no mercado de trabalho. Na visão dele, o trabalhador só tem a ganhar quando investe no aprendizado de uma profissão.

“É preciso investir na capacitação, na qualificação, no preparo do cidadão para o mercado de trabalho, assim como para aquele profissional que já está no mercado de trabalho e precisa se atualizar dentro da área que já opera”, ressaltou.

Arte: ARB Mais

Arte: ARB Mais

Os jovens que tiverem interesse em uma dessas áreas podem acessar o site senaigo.com.br ou comparecer a uma das unidades do SENAI. Mais informações podem ser consultadas pelo telefone (62) 4002-6213 

Cristiano Carlos

Cristiano é jornalista formado pela Universidade Católica de Brasília, com larga experiência em emissoras de rádio, desde 2002. Como repórter trabalha na cobertura do Congresso Nacional, em Brasília, na produção de conteúdos sobre o dia a dia dos bastidores, da atuação dos parlamentares, nas comissões e nos plenários do Senado e Câmara dos Deputados. Acompanhou as campanhas eleitorais nacionais em 2014 e 2018. Também atua nas editorias de educação, saúde e esportes.


Cadastre-se

LOC.: O estado de Goiás terá de qualificar 322.953 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre os anos de 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Segundo o gerente de Educação Profissional do SENAI-GO, Weysller Moura, os setores que mais vão demandar mão de obra técnica profissional, nos próximos quatro anos, são metalmecânica; logística e transporte; eletroeletrônica; e profissionais habilitados em profissões transversais, ou seja, que trabalham em qualquer área, caso de técnicos em eletrotécnica.

Diante dessas janelas de oportunidades, Moura defende que a capacitação profissional dos jovens, por meio da formação técnica, é importante para melhorar a produtividade e competitividade da indústria, que cada vez mais exige profissionais qualificados.

TEC/SONORA: Gerente de Educação Profissional do SENAI-GO, Weysller Moura

“Quando a gente fala em educação profissional, a gente fala em autonomia. Estamos falando em dar autonomia ao trabalhador, ao estudante, ao egresso dessa educação profissional, independentemente da área que seguir.”

LOC: O estudo prevê, ainda, que Goiás precisará aperfeiçoar a formação de trabalhadores que já estão empregados, com oferta de cursos de qualificação de carga horária superior a 200 horas, voltados ao desenvolvimento de novas competências e capacidades dos profissionais.

As maiores demandas estão nas áreas de metalomecânica; alimentos; confecção e vestuário; energia e telecomunicações; e química, borracha, petroquímica, petróleo, gás e fármacos.

Para o deputado federal João Campos (Republicanos-GO), o ensino técnico profissional é o caminho mais curto para o estudante conquistar uma vaga no mercado de trabalho. Na visão dele, o trabalhador só tem a ganhar quando investe no aprendizado de uma profissão.

TEC/SONORA: Deputado federal João Campos (Republicanos-GO)

“É preciso investir na capacitação, na qualificação, no preparo do cidadão para o mercado de trabalho, assim como para aquele profissional que já está no mercado de trabalho e precisa se atualizar dentro da área que já opera.”

LOC: Os jovens que tiverem interesse em uma dessas áreas podem acessar o site senaigo.com.br ou comparecer a uma das unidades do SENAI. Mais informações podem ser consultadas pelo telefone (62) 4002-6213. Repetindo: (62) 4002-6213.

Reportagem, Cristiano Carlos