Menu

Governadores divulgam carta aberta contra decreto de armas de Bolsonaro

O manifesto é assinado por governadores de 13 estados, mais o Distrito Federal

Banners
Foto: Governo Federal

14 governadores do país assinaram uma carta pedindo a revogação do decreto das armas, assinado pelo presidente Jair Bolsonaro no início deste mês. No texto, eles pedem que os "poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União atuem tanto para sua imediata revogação como para o avanço de uma efetiva política responsável de armas e munição no país".

Ainda de acordo com os governadores, “as medidas previstas pelo decreto não contribuirão para tornar nossos estados mais seguros”. Para eles, o decreto terá ”impacto negativo na violência – aumentando por exemplo, a quantidade de armas e munições que poderão abastecer criminosos – e aumentarão os riscos de que discussões e brigas entre nossos cidadãos acabem em tragédias”.

O manifesto é assinado pelos governadores dos nove estados do Nordeste, além do Distrito Federal, Amapá, Tocantins, Pará e Espírito Santo.

Assinado por Bolsonaro, o decreto amplia o porte de armas para 19 categorias, entre elas agentes de trânsito, advogados, políticos eleitos, conselheiros tutelares e até jornalistas da área policial.

 

João Paulo Machado

João Paulo é graduado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) e iniciou sua carreira estagiando na área de reportagem da Rádio Nacional (EBC). Na Agência do Rádio atuou na cobertura de eventos importantes como os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. No mesmo período, desenvolveu trabalho em parceria com o Ministério do Esporte redigindo reportagens para o portal Brasil2016.gov.br, além de colaborações para redes sociais.Atualmente, cobre os acontecimentos da Praça dos Três Poderes para a Agência do Rádio.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

14 governadores do país assinaram uma carta pedindo a revogação do decreto das armas, assinado pelo presidente Jair Bolsonaro no início deste mês. No texto, eles pedem que os "poderes Executivo, Legislativo e Judiciário da União atuem tanto para sua imediata revogação como para o avanço de uma efetiva política responsável de armas e munição no país".

Ainda de acordo com os governadores, “as medidas previstas pelo decreto não contribuirão para tornar nossos estados mais seguros”. Para eles, o decreto terá ”impacto negativo na violência – aumentando por exemplo, a quantidade de armas e munições que poderão abastecer criminosos – e aumentarão os riscos de que discussões e brigas entre nossos cidadãos acabem em tragédias”.

O manifesto é assinado pelos governadores dos nove estados do Nordeste, além do Distrito Federal, Amapá, Tocantins, Pará e Espírito Santo.

Assinado por Bolsonaro, o decreto amplia o porte de armas para 19 categorias, entre elas agentes de trânsito, advogados, políticos eleitos, conselheiros tutelares e até jornalistas da área policial.

Com colaboração de João Paulo Machado, reportagem Juliana Gonçalves