Menu

IGARAPÉ (MG): Município tem risco alto de proliferação de Dengue, Zika e Chikungunya

Desastre de Brumadinho contribuiu para proliferação de criadouros do mosquito transmissor no município

Banners

O município de Igarapé está em estado de alerta para o aumento dos casos de Dengue, Zika e Chikungunya. De acordo com dados do último Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti, o LIRAa, do Ministério da Saúde, o Índice de Infestação Predial do mosquito transmissor é de quase 4% na cidade, faixa considerada de alerta de epidemia das doenças. 

Além disso, Igarapé também é um dos municípios afetados pelo rompimento da barragem em Brumadinho. Por isso, sofre com os impactos da tragédia, como falta de água, contaminação dos mananciais, córregos e rios.

A luta pela sobrevivência obriga os moradores a estocarem água dentro de casa, o que acaba contribuindo para a proliferação do mosquito. Esses reservatórios como galões, caixas d’água e tambores devem ser lavados constantemente e protegidos por telas. É o que ressalta o diretor de Operação Metropolitana da Companhia de Saneamento de Minas Gerais, Rômulo Perilli.

“Jamais deixem água em galões sem tampa, sem cuidados, em locais que possam propiciar a proliferação de insetos; usar prioritariamente a caixa d’água normal, que tem em cada residência, que esta caixa d’água seja revisada a cada seis meses, que tenha tampa perfeitamente vedada”, explica o diretor de Operação Metropolitana da Companhia de Saneamento de Minas Gerais, Rômulo Perilli.

A Dengue, a Zika e a Chikungunya são doenças virais transmitidas pelo mesmo mosquito. A Dengue pode causar febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, nas articulações e atrás dos olhos. 

A Zika causa febre baixa, dores de cabeça e nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão dos olhos. A doença pode, ainda, provocar microcefalia em fetos e, por isso, o cuidado deve ser ainda maior com as gestantes.

A Chikungunya tem como sintomas febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos. Ela causa dores de cabeça, nos músculos e manchas vermelhas na pele. As três doenças podem levar à morte. 

“Existem as ações de rotina de controle do vetor nesses municípios, principalmente porque 17 deles apresentaram LIRAa em risco e alerta. É muito importante que a população de Igarapé tome alguns cuidados. Que a população foque, principalmente, na remoção dos focos de água parada. Então, a gente tem que, realmente, eliminar os criadouros do mosquito”, lembra a diretora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Minas Gerais, Janaína Fonseca.

O mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya vive dentro de casa, tem hábitos diurnos e ataca, em geral, ao amanhecer e ao entardecer.
A fêmea procura água limpa e parada para botar ovos. Apenas um mosquito pode infectar até cinco pessoas. O mosquito tem rejeição à claridade e, normalmente, pica os pés e pernas. Além de eliminar os possíveis criadouros, vestir roupas longas e claras pode ajudar na defesa contra o inseto. 

Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. 
 


Comente...

Cadastre-se

LOC: O município de Igarapé está em estado de alerta para o aumento dos casos de Dengue, Zika e Chikungunya. De acordo com dados do último Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti, o LIRAa, do Ministério da Saúde, o Índice de Infestação Predial do mosquito transmissor é de quase 4% na cidade, faixa considerada de alerta de epidemia das doenças. 

Além disso, Igarapé também é um dos municípios afetados pelo rompimento da barragem em Brumadinho. Por isso, sofre com os impactos da tragédia, como falta de água, contaminação dos mananciais, córregos e rios.

A luta pela sobrevivência obriga os moradores a estocarem água dentro de casa, o que acaba contribuindo para a proliferação do mosquito. Esses reservatórios como galões, caixas d’água e tambores devem ser lavados constantemente e protegidos por telas. É o que ressalta o diretor de Operação Metropolitana da Companhia de Saneamento de Minas Gerais, Rômulo Perilli.

TEC/SONORA: Rômulo Perilli. diretor de Operação Metropolitana da Companhia de Saneamento de Minas Gerais. 

“Jamais deixem água em galões sem tampa, sem cuidados, em locais que possam propiciar a proliferação de insetos; usar prioritariamente a caixa d’água normal, que tem em cada residência, que esta caixa d’água seja revisada a cada seis meses, que tenha tampa perfeitamente vedada”.

LOC: A Dengue, a Zika e a Chikungunya são doenças virais transmitidas pelo mesmo mosquito. A Dengue pode causar febre alta, dor de cabeça, dores no corpo, nas articulações e atrás dos olhos. 

A Zika causa febre baixa, dores de cabeça e nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão dos olhos. A doença pode, ainda, provocar microcefalia em fetos e, por isso, o cuidado deve ser ainda maior com as gestantes.

A Chikungunya tem como sintomas febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos. Ela causa dores de cabeça, nos músculos e manchas vermelhas na pele. Segundo a diretora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Minas Gerais, Janaína Fonseca, as três doenças podem levar à morte e, por isso, é importante ter atenção redobrada. 

TEC/SONORA: Janaína Fonseca, diretora de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Minas Gerais

“Existem as ações de rotina de controle do vetor nesses municípios, principalmente porque 17 deles apresentaram LIRAa em risco e alerta. É muito importante que a população de Igarapé tome alguns cuidados. Que a população foque, principalmente, na remoção dos focos de água parada. Então, a gente tem que, realmente, eliminar os criadouros do mosquito”

LOC: O mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya vive dentro de casa, tem hábitos diurnos e ataca, em geral, ao amanhecer e ao entardecer.

A fêmea procura água limpa e parada para botar ovos. Apenas um mosquito pode infectar até cinco pessoas. O mosquito tem rejeição à claridade e, normalmente, pica os pés e pernas. Além de eliminar os possíveis criadouros, vestir roupas longas e claras pode ajudar na defesa contra o inseto. 

Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada Brasil.

Reportagem, Cristiano Carlos