Menu

Inadimplência das empresas cresce 5,55% em outubro

O setor com maior crescimento no número de empresas negativadas foi o de serviços, cujo aumento visto em outubro foi de 8,51%

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: EBC

Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que houve um aumento de 5,55% na quantidade de empresas com contas atrasadas no país, em outubro. Esta é a maior alta desde janeiro deste ano, quando o crescimento observado foi de 5,91%.

O indicador revela também que o setor com maior crescimento no número de empresas negativadas foi o de serviços, cujo aumento visto em outubro foi de 8,51%. A segunda maior alta ficou com o comércio (2,90%), e a terceira com o setor industrial (2,89%).

Os dados regionais mostram que houve alta no número de empresas inadimplentes nas cinco regiões pesquisadas. A liderança ficou com a região Sul. O Sudeste ficou na segunda colocação do ranking de atrasos, com crescimento de 6,59%. Em seguida aparecem, Centro-oeste (2,84%) e Norte (4,24%).


 

Cintia Moreira

Em uma de suas experiências profissionais ganhou um prêmio jornalístico e jura que não tem pautas de preferência. Sua única preferência é que tenham pautas.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

LOC.: Dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostram que houve um aumento de 5,55% na quantidade de empresas com contas atrasadas no país, em outubro. Esta é a maior alta desde janeiro deste ano, quando o crescimento observado foi de 5,91%.

O indicador revela também que o setor com maior crescimento no número de empresas negativadas foi o de serviços, cujo aumento visto em outubro foi de 8,51%. A segunda maior alta ficou com o comércio (2,90%), e a terceira com o setor industrial (2,89%).

Os dados regionais mostram que houve alta no número de empresas inadimplentes nas cinco regiões pesquisadas. A liderança ficou com a região Sul. O Sudeste ficou na segunda colocação do ranking de atrasos, com crescimento de 6,59%. Em seguida aparecem, Centro-oeste (2,84%) e Norte (4,24%).

Reportagem, Cintia Moreira