Menu

JAPÃO: Suspeito de atear fogo em estúdio de animação planejou ataque por acreditar ter sido plagiado

Incêndio matou 33 pessoas e deixou mais de 10 em estado grave

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners

O homem suspeito de atear fogo no estúdio de animação Kyoto Animation, no Japão, revelou à mídia local que planejou o ataque por acreditar ter sido plagiado em uma de suas histórias. O ataque, corrido na última quinta-feira (19), deixou 33 pessoas mortas e mais de dez em estado grave,

Shinji Aoba, o suspeito do atentado, tem 41 anos. Ele levou um carrinho carregando um balde de gasolina até a entrada do prédio do estúdio, na cidade japonesa. Enquanto derramava o produto, gritava “morram” para os funcionários da empresa. Shinji Aoba foi levado sob custódia, mas não foi preso.

19 entre as 33 pessoas que morreram foram encontradas na escadaria que dava acesso ao telhado. De acordo com relatórios oficiais, as vítimas não conseguiram chegar à parte superior do prédio porque a porta estava trancada. As informações são da Nippon TV.

Reportagem, Sara Rodrigues

Sara Rodrigues

Sara iniciou a carreira jornalística como estagiária da Agência do Rádio, em 2014. Foi repórter da UnBTV durante 1 ano e 6 meses e retornou para a redação da ARB como repórter. É responsável pela coluna Diversão em Pauta, e cobre Política Internacional.


Cadastre-se

O homem suspeito de atear fogo no estúdio de animação Kyoto Animation, no Japão, revelou à mídia local que planejou o ataque por acreditar ter sido plagiado em uma de suas histórias. O ataque, corrido na última quinta-feira (19), deixou 33 pessoas mortas e mais de dez em estado grave,

Shinji Aoba, o suspeito do atentado, tem 41 anos. Ele levou um carrinho carregando um balde de gasolina até a entrada do prédio do estúdio, na cidade japonesa. Enquanto derramava o produto, gritava “morram” para os funcionários da empresa. Shinji Aoba foi levado sob custódia, mas não foi preso.

19 entre as 33 pessoas que morreram foram encontradas na escadaria que dava acesso ao telhado. De acordo com relatórios oficiais, as vítimas não conseguiram chegar à parte superior do prédio porque a porta estava trancada. As informações são da Nippon TV.

Reportagem, Sara Rodrigues