Menu

Jovens de Joinville (SC) desenvolvem projeto para astronautas com ajuda da Agência Espacial Japonesa

Para desenvolver o projeto, os estudantes entraram em contato com a Agência Espacial Japonesa, que confirmou o problema, e disponibilizou para os jovens os diários com relatório das viagens espaciais realizadas na Missão Apollo

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Arquivo Pessoal

A Sunrise é uma equipe de robótica de Joinville (SC). A equipe possui cinco integrantes, dois deles moradores de Araquari. Todos os componentes são alunos do curso de robótica da unidade central do Serviço Social da Indústria (SESI), de Joinville. 

Criado em setembro de 2017, o grupo participou da etapa regional Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League e se classificou para a disputa nacional, que será disputada na cidade do Rio de Janeiro, de 15 a 17 de março. No âmbito estadual, a equipe foi premiada pelo seu engajamento. Erik da Fonseca, de 15 anos, é aluno do SESI Joinville e integrante da Sunrise e explica a premiação.

“O prêmio é basicamente o profissionalismo gracioso. Então é como se fosse os estudantes, eles têm vontade em estarem participando desse torneio. Eles fazem aquilo porque realmente querem estar fazendo. Então é como se a equipe tivesse em sintonia, no mesmo trabalho, nas mesmas coisas, todos se comunicando da mesma forma”, disse.  

Para participar da etapa nacional da competição, a Sunrise desenvolveu uma braçadeira para que os astronautas tenham mais facilidade ao manusear objetos e ferramentas. 

Ao assistirem o filme “Gravidade”, os integrantes da equipe perceberam que a gravidade dificultava o controle de utensílios. É o que explica o estudante Erik da Fonseca. “O nosso foco surgiu após assistir o filme, em que a gente notou que a protagonista não conseguia se segurar nas coisas e, muito menos, pegar o extintor de incêndio, por exemplo. Então, vendo esse problema no filme, e também pesquisando mais, a gente conseguiu muita informação bastante rica e detalhada sobre informações relacionadas à perda de coisas durante o uso”, disse. 

Para desenvolver o projeto, os estudantes entraram em contato com a Agência Espacial Japonesa, que confirmou o problema, e disponibilizou para os jovens os diários com relatório das viagens espaciais realizadas na Missão Apollo. Os japoneses também aconselharam os jovens, dando dicas como a importância do equipamento desenvolvido ficar localizado no antebraço dos astronautas, pois é um local de fácil acesso e facilita o uso dos instrumentos. Eles também recomendaram e o uso de velcro no projeto, por ser leve. O dispositivo, que é retrátil, possui mosquetões que permitem fixar os equipamentos. O projeto foi denominado RAPDU, que significa Recurso Armazenador de Apetrechos Durante o Uso. O integrante da Sunrise, Erik da Fonseca, explica como funciona o acessório. 

“É basicamente uma braçadeira revestida por velcro     premium, que é a parte felpuda, que possui uma tira em velcro macho para poder fechar no antebraço do astronauta, e com vias retráteis, que são basicamente dispositivos retrateis, aqueles que podem ser encontrados em crachás e mouses”, afirma. 

Foto: Arquivo Pessoal

O torneio

O desafio da temporada do Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League deste ano, “Into Orbit”, explora a temática espacial, envolvendo satélites, comunicação, sobrevivência e aspectos psicológicos em que os astronautas estão sujeitos em uma viagem espacial. Crianças e jovens de 9 a 16 anos podem participar da competição.

Marcos Paulo Alves é professor de robótica no SESI Joinville e técnico da Sunrise. Para ele, a competição é de extrema importância e colabora para que os jovens se identifiquem com profissões relacionadas ao tema no futuro. “A contribuição da FLL para esse ano foi que, por nós incentivarmos a parte de ciências, matemática e tecnologia, eles desenvolvem um gosto muito forte pela engenharia. Então desde a nossa primeira equipe, com nossos ex competidores, eles vêm procurando vaga para fazerem cursos superiores de engenharia”, disse.     

O Gerente de Novos Negócios e Parcerias do SESI de Santa Catarina, Fabiano Bachmann, destaca a importância do trabalho em equipe gerado pelo Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League. “O trabalho em equipe, colaboração, cooperação, compartilhamento de ideias, fazer junto, colocar a mão na massa e fazer junto, trabalho com respeito, com ética. É isso que a gente precisa estimular em um ambiente controlado, desenvolvendo nos nossos jovens cada vez mais cedo”, explica. 

Quer saber mais sobre robótica?

Acesse: http://www.portaldaindustria.com.br/sesi/canais/torneio-de-robotica/
 

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Cadastre-se

LOC.: A Sunrise é uma equipe de robótica de Joinville. A equipe possui cinco integrantes, dois deles moradores de Araquari. Todos os componentes são alunos do curso de robótica da unidade central do SESI de Joinville. 

O grupo, que foi criado em setembro de 2017, irá disputar a etapa nacional do Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League, que explora a temática espacial e problemas enfrentados por astronautas no espaço. Para participar da etapa nacional da competição, a Sunrise desenvolveu uma braçadeira para que os astronautas tenham mais facilidade ao manusear objetos e ferramentas. 

Pensando nisso, eles desenvolveram o RAPDU, que significa Recurso Armazenador de Apetrechos Durante o Uso. O dispositivo, que é retrátil, possui mosquestões que permitem fixar os equipamentos. O integrante da Sunrise, Erik da Fonseca, explica de onde surgiu a ideia. 

TEC./SONORA: Erik da Fonseca, integrante da equipe Sunrise
 

 “O nosso foco surgiu após assistir o filme Gravidade, em que a gente notou que a protagonista não conseguia se segurar nas coisas e, muito menos, pegar o extintor de incêndio, por exemplo. Então, vendo esse problema no filme, e também pesquisando mais, a gente conseguiu muita informação bastante rica e detalhada sobre informações relacionadas à perda de coisas durante o uso.”

LOC.: Para desenvolver o projeto, os estudantes entraram em contato com a Agência Espacial Japonesa, que confirmou o problema, e disponibilizou para os jovens  os diários com relatório das viagens espaciais realizadas na Missão Apollo. Os japoneses também aconselharam os jovens, dando dicas como a importância do equipamento desenvolvido ficar localizado no antebraço dos astronautas, pois é um local de fácil acesso e facilita o uso dos instrumentos.

O desafio da temporada do Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League deste ano, “Into Orbit”, explora a temática espacial, envolvendo satélites, comunicação, sobrevivência e aspectos psicológicos em que os astronautas estão sujeitos em uma viagem espacial. 

O Gerente de Novos Negócios e Parcerias do SESI de Santa Catarina, Fabiano Bachmann, destaca a importância do trabalho em equipe gerado pelo Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League. 

TEC./SONORA: Fabiano Bachmann, Gerente de Novos Negócios e Parcerias do SESI de Santa Catarina
 

 “O trabalho em equipe, colaboração, cooperação, compartilhamento de ideias, fazer junto, colocar a mão na massa e fazer junto, trabalho com respeito, com ética. É isso que a gente precisa estimular em um ambiente controlado, desenvolvendo nos nossos jovens cada vez mais cedo.”

LOC.: A etapa nacional do Torneio SESI de Robótica FIRST® LEGO® League será disputada na cidade do Rio de Janeiro, entre os dias 15 e 17 de março. Crianças e jovens de 9 a 16 anos podem participar da competição.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes