Menu

Maduro expulsa embaixador alemão da Venezuela

Ditador deu 48 horas para o representante europeu sair do país; medida é retaliação ao fato de o diplomata ter recebido Juan Guaidó no aeroporto nesta semana

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Agência Brasil

Nicolás Maduro declarou o embaixador alemão na Venezuela, Martin Kriener, "persona non grata" nesta quarta-feira (6). Ele deu 48 horas para que o representante da Alemanha deixe o país.

O governo chefiado por Maduro alegou que a decisão é devido a "recorrentes atos de ingerência nos assuntos internos do país" pelo diplomata. Kriener e outros embaixadores e diplomatas europeus receberam Juan Guaidó no aeroporto internacional de Maiquetía na segunda-feira (4), após o presidente interino autoproclamado retornar à Venezuela depois de visitar diversos países da América do Sul.

Guaidó estava sob risco de prisão ao retornar à Venezuela por desrespeitar uma ordem que o impedia de deixar o país.

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha confirmou a expulsão de seu representante na Venezuela e informou que está coordenando as próximas ações no país.

Paulo Henrique

Formado em Jornalismo e com Pós-Graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações, possui experiência em redações e assessorias, atuou como estagiário na Secretaria de Saúde do Distrito Federal, no Portal R7 e na ASCOM da Câmara dos Deputados. Depois de formado, foi Assessor de Comunicação do Instituto de Migrações e Direitos Humanos e atualmente é repórter na Agência do Rádio.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

Nicolás Maduro declarou o embaixador alemão na Venezuela, Martin Kriener, "persona non grata" nesta quarta-feira (6). Ele deu 48 horas para que o representante da Alemanha deixe o país.

O governo chefiado por Maduro alegou que a decisão é devido a "recorrentes atos de ingerência nos assuntos internos do país" pelo diplomata. Kriener e outros embaixadores e diplomatas europeus receberam Juan Guaidó no aeroporto internacional de Maiquetía na segunda-feira (4), após o presidente interino autoproclamado retornar à Venezuela depois de visitar diversos países da América do Sul.

Guaidó estava sob risco de prisão ao retornar à Venezuela por desrespeitar uma ordem que o impedia de deixar o país.

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha confirmou a expulsão de seu representante na Venezuela e informou que está coordenando as próximas ações no país.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes