Menu

Mercado financeiro prevê alta na inflação e reduz estimativa de crescimento do PIB para 1,24%

A taxa básica de juros foi mantida em 6,5% ao ano

Banners
Foto: Arquivo/EBC

Os economistas do mercado financeiro elevaram a previsão de inflação para este ano, de 4,04% para 4,07%. Ao mesmo tempo, a estimativa de expansão da economia em 2019 foi reduzida. O recuou foi de 1,45% para 1,24%, o que levou o indicador à 12ª queda seguida.

As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (20) e constam no boletim Focus – relatório apresentado semanalmente pelo Banco Central (BC). Os números foram levantados com base em pesquisa feita com mais de 100 instituições financeiras.

No fim de março, o Banco Central estimou um crescimento de 2% para a economia brasileira em 2019, enquanto e o Ministério da Economia projetou uma expansão de 2,2%. Já para o ano que vem, a expectativa é que o crescimento da economia permaneça em 2,50%.

Em relação à taxa de juros, o mercado manteve em 6,5% ao ano a previsão para a taxa Selic no fim de 2019. Já para o fim de 2020, deve haver um recuo de 7,5% para 7,25% ao ano. Ou seja, mesmo que pequena, os analistas ainda estimam uma alta nos juros no ano que vem.
 

Marquezan Araújo

Marquezan é formado pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB), atuou como âncora de jornal radiofônico e locutor de programa musical. Passou por estágios na Agência Brasil e na Rádio Nacional, da EBC. Repórter da Agência do Rádio desde 2016, acompanha as movimentações do Legislativo no Congresso Nacional.


Cadastre-se

Os economistas do mercado financeiro elevaram a previsão de inflação para este ano, de 4,04% para 4,07%. Ao mesmo tempo, a estimativa de expansão da economia em 2019 foi reduzida. O recuou foi de 1,45% para 1,24%, o que levou o indicador à 12ª queda seguida.

As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (20) e constam no boletim Focus – relatório apresentado semanalmente pelo Banco Central (BC). Os números foram levantados com base em pesquisa feita com mais de 100 instituições financeiras.

No fim de março, o Banco Central estimou um crescimento de 2% para a economia brasileira em 2019, enquanto e o Ministério da Economia projetou uma expansão de 2,2%. Já para o ano que vem, a expectativa é que o crescimento da economia permaneça em 2,50%.

Em relação à taxa de juros, o mercado manteve em 6,5% ao ano a previsão para a taxa Selic no fim de 2019. Já para o fim de 2020, deve haver um recuo de 7,5% para 7,25% ao ano. Ou seja, mesmo que pequena, os analistas ainda estimam uma alta nos juros no ano que vem.

Reportagem, Marquezan Araújo