Menu

Ministro da Economia será ouvido na Comissão de Finanças da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4)

Guedes terá que dar informações sobre os impactos financeiros da Reforma da Previdência

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai ser ouvido na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4). O intuito da audiência é que ele explique os impactos econômicos e financeiros da Reforma da Previdência.

Segundo o deputado Fernando Monteiro (PP-PE), um dos requerentes da vinda do ministro, o ato de convocação exige a presença do ministro, diferentemente do convite, que pode ser recusado.

“Ele foi convidado várias vezes, se negou a ir várias vezes, então nós partimos para a convocação. Não é de mim convocar ninguém, porém, a forma de desrespeito que em ele destratou a comissão, em nome do respeito ao Parlamento brasileiro, que eu penso que ele não respeita, a gente o convocou, para explicar quais são os custos para o Brasil, qual é a vantagem para o trabalhador. Então, é isso que nós vamos debater na comissão”, ressalta.

Na visão do parlamentar, é imprescindível que o governo tenha um diálogo franco com o Legislativo, especialmente quando as decisões precisam ser pautadas em dados confiáveis, "para que a legislação brasileira alcance a tão sonhada segurança jurídica”.

A audiência com o ministro Paulo Guedes ocorre às duas horas da tarde.
 

Cintia Moreira

Com 3 anos de formação, Cintia sempre optou pelo radiojornalismo. Em uma de suas experiências profissionais ganhou um prêmio jornalístico e jura que não tem pautas de preferência. Sua única preferência é que tenham pautas.


Cadastre-se

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vai ser ouvido na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (4). O intuito da audiência é que ele explique os impactos econômicos e financeiros da Reforma da Previdência.

Segundo o deputado Fernando Monteiro (PP-PE), um dos requerentes da vinda do ministro, o ato de convocação exige a presença do ministro, diferentemente do convite, que pode ser recusado.
 

“Ele foi convidado várias vezes, se negou a ir várias vezes, então nós partimos para a convocação. Não é de mim convocar ninguém, porém, a forma de desrespeito que em ele destratou a comissão, em nome do respeito ao Parlamento brasileiro, que eu penso que ele não respeita, a gente o convocou, para explicar quais são os custos para o Brasil, qual é a vantagem para o trabalhador. Então, é isso que nós vamos debater na comissão.”

Na visão do parlamentar, é imprescindível que o governo tenha um diálogo franco com o Legislativo, especialmente quando as decisões precisam ser pautadas em dados confiáveis, "para que a legislação brasileira alcance a tão sonhada segurança jurídica”.

A audiência com o ministro Paulo Guedes ocorre às duas horas da tarde.

Reportagem, Cintia Moreira