Menu

MS: Dia D da Semana Mundial da Amamentação ocorre nesta quarta-feira (7), em Campo Grande

O aleitamento materno, segundo o Ministério da Saúde, é a única estratégia que, isoladamente, pode reduzir em até 13% as mortes de crianças de até cinco anos por causas evitáveis.

Banners
Foto: Ministério da Saúde

Alan Ronaldo tem apenas 15 dias de vida e está sendo alimentado com o melhor alimento para prevenir doenças e ajudar no seu crescimento: o leite materno. Moradora do bairro Aero Rancho, em Campo Grande, a mamãe Thays Fernanda, de 22 anos, auxiliar de lactário, conta que a amamentação do filho tem sido em livre demanda, ou seja, todas as vezes em que ele necessita. 

“É muito importante mamar por pelo menos dois anos, dando só o peito nos primeiros seis meses, porque faz bem para o bebê e para a mãe. É um momento entre mãe e filho. E eu recomendo a todas as mães darem o peito, o seu leite.”

O aleitamento materno, segundo o Ministério da Saúde, é a única estratégia que, isoladamente, pode reduzir em até 13% as mortes de crianças de até cinco anos por causas evitáveis. Camila Rodrigues, responsável técnica do Banco de Leite Humano do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, que é referência no estado, explica porque o líquido é tão necessário. 

“A importância do aleitamento materno é que nesses primeiros dias de vida, nessas primeiras semanas, o bebê não tem proteção no sistema imunológico. O leite materno é que dá essa proteção para o bebê. Esse é o principal fator que nenhum leite fabricado vai proporcionar para o bebê.” 

A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde, até os dois anos ou mais, sendo nos primeiros seis meses somente o leite do peito. A amamentação ajuda a desenvolver a fala, a dentição e até a inteligência da criança. Além disso, o ato pode criar vínculo entre membros da família. É o que explica Carolina Raposo, gerente estadual da Saúde da Criança do Mato Grosso do Sul. 

“É importante a rede de apoio colaborar com essa mãe para que ela possa ter uma boa relação e o vínculo emocional com esse bebê. Acaba ajudando o bebê a se desenvolver. É importante que toda a família contribua no apoio à mãe e no incentivo ao aleitamento materno.”

De primeiro a sete de agosto é celebrada a Semana Mundial da Amamentação. No Mato Grosso do Sul, a programação principal será no dia sete de agosto, quarta-feira. O evento conta com a palestra “Amamentação e a mulher que existe em você”, além de um “mamaço”. As mães poderão participar de uma oficina de sling, uma espécie de tipoia de tecido que permite amarrar a criança ao corpo, além de apresentações culturais. O evento será das oito às onze da manhã, na Santa Casa de Campo Grande. 

A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: Alan Ronaldo tem apenas 15 dias de vida e está sendo alimentado com o melhor alimento para prevenir doenças e ajudar no seu crescimento: o leite materno. Moradora do bairro Aero Rancho, em Campo Grande, a mamãe Thays Fernanda, de 22 anos, auxiliar de lactário, conta que a amamentação do filho tem sido em livre demanda, ou seja, todas as vezes em que ele necessita. 

TEC./SONORA: Thays Fernanda da Silva, 22 anos, auxiliar de lactário  

“É muito importante amamentar por pelo menos dois anos, dando só o peito nos primeiros seis meses, porque faz bem para o bebê e para a mãe. É um momento entre mãe e filho. E eu recomendo a todas as mães darem o peito, o seu leite.”

LOC.: De primeiro a sete de agosto é celebrada a Semana Mundial da Amamentação. No Mato Grosso do Sul, a programação principal será no dia sete de agosto, quarta-feira. O evento conta com a palestra “Amamentação e a mulher que existe em você”, além de um “mamaço”. As mães poderão participar de uma oficina de sling, uma espécie de tipoia de tecido que permite amarrar a criança ao corpo, além de apresentações culturais. O evento será das oito às onze da manhã, na Santa Casa de Campo Grande. 

A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse saude.gov.br. 

TEC./SONORA: Camila Rodrigues, responsável técnica do BLH do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian 

“A importância do aleitamento materno é que nesses primeiros dias de vida, nessas primeiras semanas, o bebê não tem proteção no sistema imunológico. O leite materno é que dá essa proteção para o bebê. Esse é o principal fator que nenhum leite fabricado vai proporcionar para o bebê.” 
 

LOC.: O aleitamento materno, segundo o Ministério da Saúde, é a única estratégia que, isoladamente, pode reduzir em até 13% as mortes de crianças de até cinco anos por causas evitáveis. Camila Rodrigues, responsável técnica do Banco de Leite Humano do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian, que é referência no estado, explica porque o líquido é tão necessário. 

TEC./SONORA: Carolina Raposo, gerente estadual da Saúde da Criança do Mato Grosso do Sul.

“É importante a rede de apoio colaborar com essa mãe para que ela possa ter uma boa relação e o vínculo emocional com esse bebê. Acaba ajudando o bebê a se desenvolver. É importante que toda a família contribua no apoio à mãe e no incentivo ao aleitamento materno.”
 

LOC.: A amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde, até os dois anos ou mais, sendo nos primeiros seis meses somente o leite do peito. A amamentação ajuda a desenvolver a fala, a dentição e até a inteligência da criança. Além disso, o ato pode criar vínculo entre membros da família. É o que explica Carolina Raposo, gerente estadual da Saúde da Criança do Mato Grosso do Sul.