Menu

SOROCABA (SP): Município registra aumento do número de casos de dengue

A Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba vai manter as ações de combate nos bairros mais críticos, com mutirões de limpeza e novas campanhas educativas

Banners

A introdução do sorotipo 2 do vírus da dengue na região metropolitana paulista deixa Sorocaba em situação de alerta. O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti – o LIRAa – revelou que o município tem o maior Índice de Infestação Predial da região, de 1,1%. De janeiro a dezembro de 2019, a Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba notificou 9,8 mil casos prováveis de dengue, 441 de chikungunya e 16 de zika – todas doenças transmitidas pelo mosquito. 

No período, o município registrou 1.070 casos confirmados de dengue – sendo 84,9% destes autóctones, ou seja, contraídos na cidade. A secretaria de saúde confirmou uma morte pela doença, em junho: uma moradora de 54 anos.

Em comparação a 2018, o número de ocorrência da dengue é maior, quando foram notificados 2,7 mil casos prováveis em todo o município. No ano, o vírus da chikungunya foi notificado 327 vezes, enquanto a zika representou nenhum caso. Houve um óbito por dengue. 

A chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Thais Buti, acredita que o atraso das chuvas na região evitou que a cidade não entrasse em risco de surto das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

“Como não choveu, o número de criadouros mais encontrados com larvas foi aquele que é fixo – por exemplo, um vaso sanitário ou aqueles criadouros móveis – mas tem utilidades, como vaso de planta ou bebedouro de animal”. 

Quem já pratica o combate diário ao mosquito é a empresária Cibele Unterkircher, de 42 anos. Nascida em Sorocaba e moradora do bairro Jardim Santa Rosália, ela faz toda a limpeza em casa. Mesmo assim, pegou dengue em maio de 2016 – ano em que as primeiras epidemias começaram no município. 

“A dengue é uma doença em que todos os dias você tem um sintoma novo. Então, num dia, eu tinha dor de cabeça; no outro, eram dores horríveis no corpo. Fiquei extremamente debilitada, eu não conseguia comer, mas tomava muito líquido. Todo cuidado é pouco, a população tem que tomar consciência disso, porque é uma doença horrível, que eu não desejo para ninguém”.

Em 2020, a Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba vai manter as ações de combate nos bairros mais críticos, com mutirões de limpeza e novas campanhas educativas. O objetivo é orientar e reforçar a necessidade de eliminar os focos do Aedes aegypti durante todo o ano. 

Em São Paulo, os dados também são alarmantes. Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, até dezembro de 2019, mais de 442 mil casos prováveis de dengue foram registrados em todo o estado, 1.570 pessoas foram infectadas pelo vírus da chikungunya e houve 694 notificações de zika.

Lembre-se de que você é responsável pela sua casa. Portanto, fiscalize possíveis criadouros, como ralos, pneus, garrafas, vasos de flores e caixas d’água. Caso queira denunciar algum terreno abandonado ou focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, entre em contato pelo número do disque denúncia da Prefeitura de Sorocaba: (15) 99129-2426. Repetindo: (15) 99129-2426. 

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: A introdução do sorotipo 2 do vírus da dengue na região metropolitana paulista deixa Sorocaba em situação de alerta. O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti – o LIRAa – revelou que o município tem o maior Índice de Infestação Predial da região, de 1,1%. De janeiro a dezembro de 2019, a Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba notificou 9,8 mil casos prováveis de dengue, 441 de chikungunya e 16 de zika – todas doenças transmitidas pelo mosquito.

No período, o município registrou 1.070 casos confirmados de dengue – sendo 84,9% destes autóctones, ou seja, contraídos na cidade. A secretaria de saúde confirmou uma morte pela doença, em junho: uma moradora de 54 anos.

Em comparação a 2018, o número de ocorrência da dengue é maior, quando foram notificados 2,7 mil casos prováveis em todo o município. No ano, o vírus da chikungunya foi notificado 327 vezes, enquanto a zika representou nenhum caso. Houve um óbito por dengue. 

A chefe da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, Thais Buti, acredita que o atraso das chuvas na região evitou que a cidade não entrasse em risco de surto das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

“Como não choveu, o número de criadouros mais encontrados com larvas foi aquele que é fixo – por exemplo, um vaso sanitário ou aqueles criadouros móveis – mas tem utilidades, como vaso de planta ou bebedouro de animal”. 

LOC.: Quem já pratica o combate diário ao mosquito é a empresária Cibele Unterkircher, de 42 anos. Nascida em Sorocaba e moradora do bairro Jardim Santa Rosália, ela faz toda a limpeza em casa. Mesmo assim, pegou dengue em maio de 2016 – ano em que as primeiras epidemias começaram no município. 

“A dengue é uma doença em que todos os dias você tem um sintoma novo. Então, num dia, eu tinha dor de cabeça; no outro, eram dores horríveis no corpo. Fiquei extremamente debilitada, eu não conseguia comer, mas tomava muito líquido. Todo cuidado é pouco, a população tem que tomar consciência disso, porque é uma doença horrível, que eu não desejo para ninguém”.

LOC.: Em 2020, a Secretaria Municipal de Saúde de Sorocaba vai manter as ações de combate nos bairros mais críticos, com mutirões de limpeza e novas campanhas educativas. O objetivo é orientar e reforçar a necessidade de eliminar os focos do Aedes aegypti durante todo o ano. 

Em São Paulo, os dados também são alarmantes. Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, até dezembro de 2019, mais de 442 mil casos prováveis de dengue foram registrados em todo o estado, 1.570 pessoas foram infectadas pelo vírus da chikungunya e houve 694 notificações de zika.

Lembre-se de que você é responsável pela sua casa. Portanto, fiscalize possíveis criadouros, como ralos, pneus, garrafas, vasos de flores e caixas d’água. Caso queira denunciar algum terreno abandonado ou focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, entre em contato pelo número do disque denúncia da Prefeitura de Sorocaba: (15) 99129-2426. Repetindo: (15) 99129-2426. 

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.