Menu

Na ONU, Damares Alves defende políticas de proteção e defesa dos direitos da mulher

Ministra disse estar atenta à situação de todas as mulheres brasileiras, em especial as indígenas, as negras e as mulheres com deficiência

  • Repórter Cintia Moreira
  • Data de publicação: 13 de Março de 2019, 19:16h
Banners
Foto: Agência Brasil

Em evento realizado na Organização das Nações Unidas, a ONU, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, disse que as políticas de proteção e defesa dos direitos da mulher vão ter prioridade no novo governo.

A ministra afirmou estar atenta à situação de todas as mulheres brasileiras, em especial daquelas que, muitas vezes, são tratadas pela sociedade como se fossem invisíveis, o que lhes faz sofrer múltiplas formas de discriminação, como as mulheres de povos tradicionais e indígenas, mulheres negras e com deficiência.

Damares Alves afirmou também que está aprofundando estratégias, políticas e ações para superar as múltiplas formas de discriminação contra as mulheres afrodescendentes no Brasil, que considera entre as principais vítimas da violência e do feminicídio.

 


Comente...

Cadastre-se

Em evento realizado na Organização das Nações Unidas, a ONU, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, disse que as políticas de proteção e defesa dos direitos da mulher vão ter prioridade no novo governo.

A ministra afirmou estar atenta à situação de todas as mulheres brasileiras, em especial daquelas que, muitas vezes, são tratadas pela sociedade como se fossem invisíveis, o que lhes faz sofrer múltiplas formas de discriminação, como as mulheres de povos tradicionais e indígenas, mulheres negras e com deficiência.

Damares Alves afirmou também que está aprofundando estratégias, políticas e ações para superar as múltiplas formas de discriminação contra as mulheres afrodescendentes no Brasil, que considera entre as principais vítimas da violência e do feminicídio.

Reportagem, Cintia Moreira