Menu

No Maranhão, leite materno é fundamental para um melhor desenvolvimento e crescimento das crianças.

O leite materno é um recurso natural e é fundamental para um melhor desenvolvimento e crescimento da criança

Banners
Créditos: Ítalo Novais

A psicóloga Milena Teixeira, de 36 anos, realizou o sonho de ser mãe. A moradora de São Luís deu à luz a Gael, bebê de um pouco mais de um mês. Apesar de algumas dificuldades, Milena segue à risca o recomendado para crianças de até seis meses: o leite materno como alimento exclusivo e pretende continuar amamentando até os dois anos ou mais, conforme orientação do Ministério da Saúde. 

“Você tem percalços de acordar de madrugada – ficar disponível –, porque como o Gael é pequeno, não tem horário certo para amamentar. Então, é muito difícil. Por exemplo, tive uma obstrução no duto, procurei ajuda de um profissional e quero continuar amamentando. Eu sei que o leite materno é importante para ele e ‘cuida’ de problemas que poderiam ser evitados se ele não tivesse sido amamentado". 

Créditos: Ítalo Novais

E Milena tem razão. O leite materno é um recurso natural e é fundamental para um melhor desenvolvimento e crescimento da criança . Segundo especialistas em saúde, o alimento evita a mortalidade infantil e questões que são recorrentes, como a diarreia e infecções respiratórias. Cristian Lima, coordenador do Banco de Leite Universitário do Maranhão, reforça outras vantagens: emocionais, sociais, ambientais e econômicas para as famílias.

“Não existe outro alimento que substitui a importância do leite materno no crescimento do bebê, na proteção contra as principais doenças na primeira infância e, também, na proteção da mãe contra algumas doenças, como o câncer. Além disso, o aleitamento materno beneficia toda uma comunidade, quando reduz os gastos econômicos das famílias e a emissão de resíduos na natureza e no meio ambiente.” 

Atualmente, apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente pelo leite materno até os seis meses, e só 32% continuam amamentando até os 24 meses. Os dados são da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde. 

A primeira semana de agosto é celebrada mundialmente por campanhas de conscientização ao aleitamento materno. Em São Luís, as comemorações já começaram em hospitais públicos e em bancos de leite, com ações educativas de incentivo à amamentação. No próximo dia 7, na escadaria do centro histórico, profissionais da saúde vão realizar um “mamaço” para mulheres que amamentam e famílias trocarem experiências e informações sobre o processo do aleitamento materno.

A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, saude.gov.br/. 

 

Agência do Rádio



Cadastre-se

LOC.: A psicóloga Milena Teixeira, de 36 anos, realizou o sonho de ser mãe. A moradora de São Luís deu à luz a Gael, bebê de um pouco mais de um mês. Apesar de algumas dificuldades, Milena segue à risca o recomendado para crianças de até seis meses: o leite materno como alimento exclusivo e pretende continuar amamentando até os dois anos ou mais, conforme orientação do Ministério da Saúde.

“Você tem percalços de acordar de madrugada – ficar disponível –, porque como o Gael é pequeno, não tem horário certo para amamentar. Então, é muito difícil. Por exemplo, tive uma obstrução no duto, procurei ajuda de um profissional e quero continuar amamentando. Eu sei que o leite materno é importante para ele e ‘cuida’ de problemas que poderiam ser evitados se ele não tivesse sido amamentado.”

LOC.: E Milena tem razão. O leite materno é um recurso natural e é fundamental para um melhor desenvolvimento e crescimento da criança . Segundo especialistas em saúde, o alimento evita a mortalidade infantil e questões que são recorrentes, como a diarreia e infecções respiratórias. Cristian Lima, coordenador do Banco de Leite Universitário do Maranhão, reforça outras vantagens: emocionais, sociais, ambientais e econômicas para as famílias.

“Não existe outro alimento que substitui a importância do leite materno no crescimento do bebê, na proteção contra as principais doenças na primeira infância e, também, na proteção da mãe contra algumas doenças, como o câncer. Além disso, o aleitamento materno beneficia toda uma comunidade, quando reduz os gastos econômicos das famílias e a emissão de resíduos na natureza e no meio ambiente.” 
 

LOC.: Atualmente, apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente pelo leite materno até os seis meses, e só 32% continuam amamentando até os 24 meses. Os dados são da Organização Pan-Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde. 

A primeira semana de agosto é celebrada mundialmente por campanhas de conscientização ao aleitamento materno. Em São Luís, as comemorações já começaram em hospitais públicos e em bancos de leite, com ações educativas de incentivo à amamentação. No próximo dia 7, na escadaria do centro histórico, profissionais da saúde vão realizar um “mamaço” para mulheres que amamentam e famílias trocarem experiências e informações sobre o processo do aleitamento materno.

A amamentação é uma das formas mais econômicas e eficazes de contribuir para a redução da taxa de mortalidade infantil. Por isso, incentive as mulheres que você conhece a amamentarem seus filhos. Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, saude.gov.br/.