Menu

Nota do Brasil cai no ranking sobre percepção da corrupção

Entre os países da América do Sul, o Brasil ficou atrás do Uruguai, Chile, Argentina

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners
Foto: portalfmb.org.br

Nesta quinta-feira (23), um estudo elaborado pela Organização Transparência Internacional mostra que a nota do Brasil caiu no ranking sobre a percepção da corrupção em 2019. O país teve o quinto recuo seguido e, agora, ocupa a 106ª posição, o pior resultado desde 2012.

O relatório da Organização apontou as interferências políticas do governo em órgãos de controle e a paralisação de investigações que utilizavam dados do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) como impedimentos no combate à corrupção.

A nota do país foi a mesma do ranking de 2018: 35 pontos. O resultado é o mesmo de países como Albânia, Argélia e Costa do Marfim. Entre os países da América do Sul, o Brasil ficou atrás do Uruguai, Chile, Argentina, e à frente da Bolívia, Paraguai e Venezuela.

Em 2016, o país ficou em 79º lugar, já em 2017, o Brasil estava na 96º posição. Entre os pontos analisados pelo estudo estão desvio de recursos públicos, burocracia excessiva, nepotismo, propina e as habilidades do governo em conter a corrupção.

Reportagem, Tainá Ferreira

 

Tainá Ferreira

Jornalista formada pela Universidade de Brasília (UnB), Tainá começou na Empresa Júnior Movimento e depois atuou na TV universitária UnBTV. Depois de um tempo entrou para a redação do jornal Correio Braziliense e, após a experiência, partiu para a assessoria de imprensa.


Conteúdos relacionados

Cadastre-se

LOC: Nesta quinta-feira (23), um estudo elaborado pela Organização Transparência Internacional mostra que a nota do Brasil caiu no ranking sobre a percepção da corrupção em 2019. O país teve o quinto recuo seguido e, agora, ocupa a 106ª posição, o pior resultado desde 2012.

O relatório da Organização apontou as interferências políticas do governo em órgãos de controle e a paralisação de investigações que utilizavam dados do Conselho de Atividades Financeiras (Coaf) como impedimentos no combate à corrupção.

A nota do país foi a mesma do ranking de 2018: 35 pontos. O resultado é o mesmo de países como Albânia, Argélia e Costa do Marfim. Entre os países da América do Sul, o Brasil ficou atrás do Uruguai, Chile, Argentina, e à frente da Bolívia, Paraguai e Venezuela.

Em 2016, o país ficou em 79º lugar, já em 2017, o Brasil estava na 96º posição. Entre os pontos analisados pelo estudo estão desvio de recursos públicos, burocracia excessiva, nepotismo, propina e as habilidades do governo em conter a corrupção.

Reportagem, Tainá Ferreira